EscritArtes

Textos => Arquivo Cronicas => Tópico iniciado por: Antonio em Novembro 09, 2007, 14:27:58



Título: Buraco na peúga
Enviado por: Antonio em Novembro 09, 2007, 14:27:58
Eu sei que uma das coisas que mais aborrece as mulheres são as malhas fugidas nas meias, os famosos foguetes.
Agora parece que já não acontece tanto assim, não sei porquê, mas tem seguramente a ver com o material e o tipo de ponto com que são fabricadas (se alguém me quiser esclarecer, agradeço).
Mas não posso deixar de relembrar a minha mãe: toda arranjada, preparada para sair, meia de seda impecável, uma última olhadela para ver se as luzes estavam apagadas, enfim, se tudo estava em ordem e....
- Ó mamã! Tens um foguete numa meia!
E lá ía ela mudar as meias e rezando a lenga-lenga do costume:
- Acontece isto sempre que vou sair! Já me vou atrasar!
Estavam à espera que saísse português vernáculo? Não senhor! Apesar de nortenha, daquela boquinha não saía uma palavra malcriada. Nada! Aliás o filho saiu à mãe: Não sou homem para dizer caralhadas! Foda-se! Era lá capaz de falar como um carroceiro!
Mas agora vem o ponto!
Pensavam que eu ía dizer:
Mulher sofre! ou Coitadas!
Nada disso.
O que eu venho aqui afirmar é que os homens tem o mesmo problema.
Bom...não é exactamente o mesmo. É mais o tipo "buraco na peúga". Coisa que se pode esconder dentro do sapato mas, para um cavalheiro como eu, não é aceitável, por princípio.
E o raio do buraquinho aparece junto da unha do dedão! Portanto, dirão vocês:
- Corta bem as unhas!
Mas eu sempre as cortava bem cortadinhas, com um eficaz alicate de aço inox.
Até que resolvi estudar o problema e arranjar uma solução!
A coisa não podia continuar, porque um dia qualquer a mulher iria dizer:
- Ou deixas de fazer tanto buraco ou passas tu a coser as peúgas!
Vejam bem a humilhação: coser peúgas!
Meu dito, meu feito! (melhor: Meu pensado! Meu feito!)
Usando as celulazinhas cinzentas como tantas vezes lera que o Sr. Poirot fazia, matutei, matutei e lá se fez luz no meu espírito.
A causa do aparecimento dos buracos era a aresta viva que ficava na unha depois do corte.
Vai daí comprei uma lima e, depois de usar o objecto trincha-unhas, passei a limar cuidadosamente as arestas.
Remédio santo!
E, orgulhoso da minha inteligência (cuja melhor definição que conheço é: "a capacidade de resolver problemas"), aqui estou a tornar pública tal descoberta e assim contribuir para que os homens (e as mulheres, porque não?) saibam como solucionar este problema...se o tiverem.
Se já sabiam, bem podiam ter já mandado a informação por e-mail para se espalhar pelo país todo e ainda no Brasil e nos Palops, carago!


Título: Re: Buraco na peúga
Enviado por: Goreti Dias em Novembro 09, 2007, 17:43:26
Pois eu não dou de conselho que façam o mesmo que tu. As unhas dos pés querem-se cortadas de forma recta, limadas sim, mas apenas a direito. A tal aresta serve para evitar que a unha encrave!  E antes um buraco na peúga que uma unha encravada. E há um melhor remédio: a meia tem buraco, deita-a ao lixo. Cosida serva para magoar o dedo e provocar calos! Óptimo mesmo é comprar boas peúgas de algodão...


Título: Re: Buraco na peúga
Enviado por: Antonio em Novembro 09, 2007, 18:09:49
Olá!
Agradeço os teus conselhos.
Mas não sei se percebeste bem como é que eu corto as unhas e as limo.
Mas deixa lá!
O importante é que não tenho buracos nas peúgas, nem calos, nem unhas encravadas e as meias não vão para o lixo precocemente.
E uso-as de algodão ou de lã, de boa qualidade, finíssimas ou mais grossas e quentes no verão.
Portanto, sou mesmo um artista na matéria.

Beijos


Título: Re: Buraco na peúga
Enviado por: britoribeiro em Novembro 09, 2007, 19:27:50
O foguete na meia "de vidro" como lhe chamavam nos anos sessenta. Já não me recordava disso, que era o terror de todas as mulheres, pelo menos da minha mãe e das minhas irmãs.
Um belo texto a propósito de um tema (aparentemente) banal.

Abraço


Título: Re: Buraco na peúga
Enviado por: Antonio em Novembro 09, 2007, 19:35:42
Meias de vidro.
Exactamente!
Os foguetes eram o terror de todas as mulheres que as usavam.
E havia quem ganhasse a vida a apanhar malhas...lembras-te?

Abraço


Título: Re: Buraco na peúga
Enviado por: Antonio em Novembro 09, 2007, 22:37:06
A minha intrenção foi escrever um texto humorístico.
Parece que consegui!
Obrigado pela visita.
Beijos


Título: Re: Buraco na peúga
Enviado por: Mel de Carvalho em Novembro 09, 2007, 23:04:43
Caro António,
completamente rendida a este texto. Humor qb, sugestões/recomendações de não colocar de lado.
Vivi ainda o karma dos foguetes... ainda que por pouco tempo, dado que nos anos sessenta era ainda uma nenininha... mas sim. Recordo ainda de ter levado meias a "apanhar malhas".
No que respeita ao "buraco na peúga"... digamos que tem mesmo piada de ver ... em tempos um ministro qualquer (não me recordo o nome), apareceu em público presenteado em dobro... nos dois pés, claro. Estava de visita a uma mesquita... imagine-se! o Times não deixou passar em branco. eheheh

Um abraço
Mel


Título: Re: Buraco na peúga
Enviado por: Lucibei em Novembro 09, 2007, 23:16:58
António, gostei de te ler, pois recordei os dias em que mandava apanhar as malhas fugidas das meias de vidro.
A tua crónica, fez com que eu me lembrasse dos tempos de adolescente e ousasse escrever uma crónica, apesar de não ser nada dada a prosas.
Beijo


Título: Re: Buraco na peúga
Enviado por: Antonio em Novembro 09, 2007, 23:19:29
Gostei que tivesses gostado!
Obrigado pela visita.
Beijo


Título: Re: Buraco na peúga
Enviado por: Antonio em Novembro 09, 2007, 23:22:11
A resposta anterior era para a Mel.
Entretanto a Lucibel também comentou.
Portanto, para a poetisa das palavras esvoaçantes, o meu obrigado.
Beijo


Título: Re: Buraco na peúga
Enviado por: Antonio em Novembro 09, 2007, 23:25:44
ai ai ai
Lucibei e não Lucibel!
Devo estar com um buraco na cabeça....


Título: Re: Buraco na peúga
Enviado por: Mel de Carvalho em Novembro 09, 2007, 23:34:58
A resposta anterior era para a Mel.
Entretanto a Lucibel também comentou.
Portanto, para a poetisa das palavras esvoaçantes, o meu obrigado.
Beijo

Sou poetisa das plavras esvoaçantes??? Nunca me haviam dito. Mas obrigada, António! Achei giro! ;D

Poetisa não serei, aprendiz com muita dedicação, sou sim!!!

Abraço,
Mel


Título: Re: Buraco na peúga
Enviado por: Antonio em Novembro 10, 2007, 00:14:05
Como é que eu hei-de dizer isto?
Podia ficar caladinho, mas não faz o meu jeito.
Mel:
A "poetisa das palavras esvoaçantes" não era para ti mas para a Lucibei.
Estive entretanto a ler alguns dos teus poemas.
São prosas poéticas escritas não com palavras esvoaçantes mas com palavras mágicas.
Tens uma forte sentido poético e um vocabulário muito rico que usas a preceito.
Beijo


Título: Re: Buraco na peúga
Enviado por: Antonio em Novembro 10, 2007, 00:34:43
Sou um gentleman que gosta de usar vernáculo...ah ah ah

Mas que chatice!
Apareceu um buraco...

Podem ler!
A peúga não cheira mal!

Podem ler!
Ainda não cosi a peúga...

Alguém me faz o favor de coser a peúga?

Leiam este que é muito bom...ah ah ah

Para o topo!
Upa!

Responder aos seus próprios tópicos vezes sem conta, seguidas, só vai fazer com que os tópicos (mais recentes) dos outros membros, fiquem com menos leituras e quem sabe com menos respostas.
Considero este acto um desrespeito com os restantes membros deste fórum e agradeço que não torne a repeti-lo.

7 Respostas seguidas para conseguir manter o seu tópico no topo