EscritArtes

Textos => Contos infantis => Tópico iniciado por: Goreti Dias em Setembro 18, 2009, 11:52:10



Título: Gatão
Enviado por: Goreti Dias em Setembro 18, 2009, 11:52:10
Gatão


   Maria Inês era uma menina de 6 anos com lindos olhos azuis, muito vivos. Tinha entrado há um mês para o 1º ano de uma escola no meio da serra. Não tinha muitos colegas na pequena escola. Eram apenas 15 alunos ao todo. Mas ... como eram amigos! De manhã, a caminho das aulas, passavam pelas casas uns dos outros e lá se iam juntando num pequeno bando barulhento. Apanhavam flores silvestres pelo campo fora para, chegados à escola, as entregarem à professora. E como ela fazia lindos arranjos com as queirós, as pinhas e os ramos de carvalho, no Outono! Para tudo o que eles levavam se arranjava uma utilidade.
   Um dia, o Manuel do 4º ano encontrou uma pedra oval, muito branca, muito polida. Entrada nas mãos da professora, transformou-se, imaginem, num lindo peixe de fantasia, claro! Ela desenhara-lhe uns olhos, umas lindas escamas e o Manuel, todo contente, dera-lhe uma camada de verniz. Que lindo ficou o peixe!
   Outro dia...bem, num outro dia, encontraram algo bem mais sério. Perto da casa do Simão, outro menino do 4º ano, aperceberam-se de um leve gemido que parecia vir de trás da parede do quintal. Que estranho! O que seria aquilo? O Manuel saltou o muro para ver se descobria o que gemia daquela forma tão dolorosa. Não foi difícil. Logo ali atrás do muro, um pobre cãozinho, todo encolhido, gemia com uma perna partida. O rapaz, um pouco receoso, aproximou-se do indefeso animalzinho e, com muito cuidado, pegou-lhe ao colo. O bichinho, muito encolhido, nem ofereceu resistência. Voltou a saltar a vedação do quintal para junto dos companheiros e lá ficou com o cão nos braços, sem saber o que fazer. Foi Maria Inês quem resolveu:
-   Levamo-lo para a escola. Pode ser que a professora saiba curá-lo.
E logo o Manuel:
-   Tu ‘stás doida! Vamos agora levar o cão p’ra escola! A professora não vai querer lá o cão.
Porém, Maria Inês tanto insistiu que o Manuel acabou por lhe passar o cão para os braços e dizer que o levasse ela, então. E ela não se fez rogada. Lá seguiu, caminho fora, com o animal nos braços, à frente dos outros que, receosos, se foram deixando ficar para trás.
   Quando chegaram à escola, a professora já os esperava, muito admirada com o atraso deles. Quando viu a menina com o bicharoco nos braços perguntou-lhe:
-   Então tu tinhas em casa um cão e não me tinhas falado nele? Como é que ele se chama?
-   Não sei! Ele não é meu. Encontrámo-lo pelo caminho e está aleijado numa pata.
A professora ficou preocupada e pediu-lhe para pôr o cão no chão.
-   Ora deixa lá ver! Está muito sujo Inês. E tem uma pata partida!
E para os restantes alunos:
-   Vamos lá, meninos. Todos vão ajudar! Tu, João, vai a minha casa, num instante e pede à D. Fátima que te dê sabão e o veneno para as pulgas que eu costumo usar no meu cão. Vá, depressa! Tu, Cristina, que moras aqui ao pé da escola, vai a casa e pede à tua mãe uma toalha velha. O resto que é preciso temos nós cá. Levem o cão lá para trás, para o átrio. Ah! É verdade! Tu, José, vai pedir à tua mãe um cobertor velho e um cesto, ou caixa, qualquer coisa que sirva para fazer uma cama para o cão. Eu vou pôr água a aquecer para darmos um banho ao nosso... como lhe vamos chamar, Inês?
-   Gatão, senhora professora. Ele parece um gato grande!
-   Muito bem, fica Gatão!
Quando o João chegou, a professora espalhou o desparasitante no cão. Depois da água aquecida deitou-a numa bacia velha e levou-a para o átrio. Pegou no cão com toda a cautela, por causa da pata ferida, e pô-lo dentro da água morna. Ele sentiu-se bem e deixou-se lavar bem lavado com sabão. Todos queriam ajudar, mas a professora não deixou e explicou:
-   Quando ele estiver limpo podem brincar com ele, pegar-lhe ao colo e tudo. Sujo, não. Sabem, os cães podem transmitir doenças graves às pessoas se tiverem parasitas, especialmente carraças. A febre das carraças é transmitida às pessoas pelos cães que as têm e é uma doença grave. Por isso, vamos pô-lo, em primeiro lugar, limpo. E não devem andar por aí a pegar em cães vadios. Podem ficar doentes. Entendido?
Quando Gatão estava bem limpo, sem pulgas, e se tinha verificado que não tinha carraças, a professora deixou que Maria Inês o limpasse bem limpo com a toalha velha que a Cristina tinha trazido. A menina preparou, ainda, o cesto com o cobertor velho e pô-lo ao canto da sala. Trouxeram o cão para o calor que lá se fazia sentir. Aí, em cima de um plástico, limparam a ferida do cão com água oxigenada. A professora pôs-lhe mercurocromo e uma pomada cicatrizante. Cobriu-lhe a ferida com um penso e ligou-lhe muito bem a pata para que o osso soldasse mais ou menos direito. Claro que num meio mais desenvolvido podiam ter levado o cão a um veterinário, mas ali isso não era possível. Também não teriam aprendido tão bem como cuidar de um cão! Tudo tem as suas compensações!
O tempo passou e o cão, já curado, tornou-se um grande amigo de toda a meninada. Traziam-lhe comida, davam-lhe banho e brincavam com ele. Tiveram que o tirar da sala, claro, porque ele queria brincar e saltava para cima das cadeiras e das mesas de trabalho distraindo as crianças e estragando os livros. Fizeram-lhe uma casota no exterior onde ele passou a dormir. No intervalo das aulas, Gatão brincava com os alunos, mas sabia que ao entrarem na sala acabava a brincadeira. Teria que esperar até à próxima oportunidade. E fazia-o à porta da sala. Ali ficava estendido à espera dos seus amiguinhos.



Sempre foi e será verdade que o cão é o melhor amigo do Homem. Que o contrário também seja verdade!
 


Título: Re: Gatão
Enviado por: Alfredo D em Setembro 18, 2009, 18:25:22
Eu que não sou criança , a bem dizer até serei, gostava de ter lido estas coisas na idade certa.Hoje também me sinto nessa idade e digo que gostei de gostar como se fora ainda uma criança.


Título: Re: Gatão
Enviado por: Goreti Dias em Setembro 19, 2009, 19:42:59
Todos temos um pouco dessa vontade! Por isso escrevemos assim.
Abraço e obrigada.


Título: Re: Gatão
Enviado por: margarida em Setembro 21, 2009, 18:40:23
Gostei desse simpático animal! :fixe:


Título: Re: Gatão
Enviado por: poesiadeneno em Setembro 28, 2009, 23:24:03
Goreti,

Apreciei muito este conto infantil.

Pelo cariz didáctico que apresenta.

Por falar de um animal fiel ao homem.

Pela conclusão.

Grato por partilhar.


Título: Re: Gatão
Enviado por: Oswaldo Eurico Rodrigues em Dezembro 10, 2009, 12:15:21
Goreti...

Que coisa boa ler logo pela manhã um conto tão bonito como esse. Não cheguei a estudar numa escola duma aldeia, mas me senti como se fora aluno dessa professora e colega de classe dessas crianças. E mais! Parece que também sou amigo do Gatão. Ele até me lembra o falecido Ulisses, meu primeiro gato, que também foi abandonado e era aleijado da pata traseira direita. Cuidamos dele e ele foi um grande amigo.
Foi muito bom ter lido o conto "Gatão".

Abraços...


Título: Re: Gatão
Enviado por: Goreti Dias em Dezembro 10, 2009, 13:17:37
Obrigada, Margarida e poesiadeneno. Os meus contos infantis têm sempre esse cariz didáctico pois eu escrevia-os para os meus alunos quando leccionava primeiro ciclo.
Oswaldo, essas escolas de aldeia já quase não existem. Quero dizer, com essa pureza aqui descrita. Mas eu tive a sorte de conhecer algumas logo que comecei a trabalhar. Sabe, quando comecei a leccionar era muito novinha. Tive que esperar pela idade que a lei exigia. Deixaram-me ir estudando com licenças especiais, mas acabei o primeiro curso ainda menor de idade. Quando a lei permitiu que meus pais me emancipassem, fui trabalhar. A escola livre era numa cidade, curiosamente aquela para onde agora vim viver há um mês. No ano seguinte, arranjei colocação numa aldeia próxima daquela onde vivia e tinha nascido. Depois em outra e depois em mais outra. Após esses anos, foi sempre cidade. Mas, entretanto, tudo mudou. As crianças não podem andar mais pelos caminhos sozinhas e na escola não poderíamos ter um cão. É tudo tão higiénico que logo os pais se queixariam às autoridades que o animal poderia transmitir doenças, poderia tornar-se agressivo... enfim...
Obrigada por simpatizar com meu cãozinho. Anda por aí uma gatinha chamada Milú, se quiser procurar...
Beijos para todos


Título: Re: Gatão
Enviado por: Oswaldo Eurico Rodrigues em Dezembro 10, 2009, 13:31:19
Aqui no Brasil, o processo é mais ou menos o mesmo. As instituições estão ficando cada vez mais frias e distantes tanto do aluno quanto do professor. Talvez sintamos menos do que vocês em Portugal dado ao imenso tamanho do Brasil. Alguns recantos podem por aqui ficar tão escondidos que nem mesmo pessoas de cidades vizinhas conheçam. Nesses lugares sim é possível encontrar crianças como essas do conto "Gatão". Eu mesmo já trabalhei por um mês apenas numa escola assim. Para se ter uma idéia, os ônibus passavam pela manhã, ao meio-dia e ao final da tarde somente. Os alunos eram adolescentes, mas tão comportados que o número de inflações que cometiam todos da escola inteira nesse mê onde por lá trabalhei não chegava ao ocorrido em dois ou três tempos de aula num único dia calmo de trabalho numa escola de centro de cidade. Veja que país de grandes constrastes é o Brasil.

Grande abraço...


Título: Re: Gatão
Enviado por: Goreti Dias em Dezembro 10, 2009, 13:39:44
Desses contrastes não há muita razão de queixa...


Título: Re: Gatão
Enviado por: Oswaldo Eurico Rodrigues em Dezembro 10, 2009, 13:49:12
De maneira alguma. Eles na realidade enriquecem a nossa vivência. Basta saber como lidar com as diferenças. Eu tenho ao longo do tempo e das leituras (refiro-me aos textos literários propriamente ditos) aprendido a absorver o melhor de tudo o que vivo. Não seria diferente com meus alunos. No meio da balbúrdia, do burburinho ou do silêncio sepulcral sempre aprendi muito com eles e continuo a aprender.

Beijos...

Agora vou sair.


Título: Re: Gatão
Enviado por: CAMPISTA CABRAL em Dezembro 26, 2009, 19:31:55
Adorei a atmosfera de aldeia! (Li os comentários anteriores a respeito dos novos tempos e das aldeias).Mas a atmosfera está lá, no texto, como se fosse o chão da infãncia, o gosto da infância. Gostei muito de ter lido o teu conto! Aos poucos, como disse, vou lendo mais e mais textos!! Fiz cursos sobre literatura portuguesa e africana de língua portuguesa e apresentei trabalhos sobre a escrita de Miguel Torga. Ao ler teu conto senti a atmosfera da montanha... Bem, aqui onde estou, rodeado por elas, essa imagem fica ainda mais viva!!!
Um imenso abraço e um beijo para ti!!!!


Título: Re: Gatão
Enviado por: Goreti Dias em Janeiro 21, 2010, 19:36:38
Obrigada. Para você também.


Título: Re: Gatão
Enviado por: CAMPISTA CABRAL em Janeiro 25, 2010, 09:44:25
Quero ler outros textos nesta área!


Título: Re: Gatão
Enviado por: Goreti Dias em Janeiro 26, 2010, 17:25:54
Devo ter por aqui outros, mas sinceramente não me lembro. Prometo verificar.
Obrigada
Abraço


Título: Re: Gatão
Enviado por: Oswaldo Eurico Rodrigues em Agosto 26, 2014, 21:35:54
Que saudade imensa desse texto e também dos comentários gerados a partir dele. Saí há pouco duma sala de aula onde tive um desentendimento muito forte com uma aluna. Fiquei imaginando quão bom seria trabalhar e estudar em um ambiente mais acolhedor. Atualmente as salas de aula têm se tornado zonas de conflito e tensão constantes.
Seu texto vem trazer alívio a mim e me fazer recarregar as baterias para escrever mais (inclusive o texto que não enviei para a coletânea Escritartes).
Grande abraço, obrigado pela postagem tão acertada desse texto que tanto gosto. Desculpe-me pelo desabafo. Coisa de professor.

Oswaldo


Título: Re: Gatão
Enviado por: Goreti Dias em Agosto 27, 2014, 13:16:27
Entendo, ou não tivesse sido, eu mesma, professora. Ao fim de 35 anos a lecionar, cansei e vim embora. Aqui, como aí, ser professor está difícil mesmo. Esquecem-se de nos valorizar, como se não fôssemos necessários.


Título: Re: Gatão
Enviado por: Oswaldo Eurico Rodrigues em Setembro 01, 2014, 00:53:35
É uma triste realidade. Ainda bem que existe Deus para nos suster.

Grande abraço para ti.

Oswaldo


Título: Re: Gatão
Enviado por: Goreti Dias em Outubro 24, 2014, 07:26:16
Compreendo. Isso está a tornar-se global. Aí, aqui... um pouco por todo o lado.


Título: Re: Gatão
Enviado por: helenacosta em Outubro 25, 2014, 17:48:54
   Sou desse tempo, onde lecionei muitos anos consecutivos nas aldeias. Lendo este conto, hoje recordo com saudades esse tempo.


Título: Re: Gatão
Enviado por: Oswaldo Eurico Rodrigues em Abril 27, 2016, 21:02:22
Recordar é bom!
Esse texto me marcou muito. Foi lido por mim no primeiro ano de Escritartes. Estou distante do site e, de certa forma, da escrita também. Preciso retornar. Já o estou timidamente fazendo.

Tudo de bom...

Oswaldo


Título: Re: Gatão
Enviado por: Goreti Dias em Abril 28, 2016, 06:12:12
Obrigada. Este conto faz parte do primeiro livro de uma coleção de livros infantis dedicados aos animais. Por sinal, este volume está esgotado no mercado.
Volte sempre que tiver vontade.
Abraço


Título: Re: Gatão
Enviado por: Oswaldo Eurico Rodrigues em Maio 04, 2016, 17:38:13
Com certeza, Goreti. Voltarei mesmo.

Abraço...


Título: Re: Gatão
Enviado por: Goreti Dias em Fevereiro 26, 2018, 22:18:25
Obrigada. Abraço


Título: Re: Gatão
Enviado por: Oswaldo Eurico Rodrigues em Fevereiro 28, 2018, 16:31:52
Depois de tanto tempo, volto eu aqui num momento da minha vida em que retomo o fio da meada embaralhado.
O conto e os comentários alimentaram a minha disposição em seguir mais fortalecido.
Sempre muito bom recordar.