EscritArtes

Textos => Ensaio => Tópico iniciado por: carlossoares em Dezembro 25, 2018, 22:20:24



Título: O mais revolucionário ateu
Enviado por: carlossoares em Dezembro 25, 2018, 22:20:24

“Deus é o silêncio do universo, e o ser humano o grito que dá sentido a esse silêncio”. Ao ler esta frase, atribuída a José Saramago, diria que ele, a pensar assim, não era ateu.
Ao criar Deus, o homem não pode crer que está a parir e não propriamente a criar, mas está a parir um "filho" do pensamento indomável, uma espécie de alma sem contornos, nem qualidades, que habita esse pensamento e que está tão presa a ele como ele está preso ao corpo.
E nesta génese de Deus o homem foi significando a religião, as religiões, com os mais variados objetivos, práticos e teóricos, tornando-as em caldos de superstições e de contradições e de sistemas políticos e normativos.
Jesus Cristo parece ter tido uma visão muito clara de que as religiões, incluindo a judaica, eram uma espécie de pseudociências de Deus. Quem soubesse a cassete do "jargão" religioso, sentia-se habilitado a falar disso como um sábio.
Infelizmente, Jesus Cristo não foi devidamente compreendido. Ele era o mais revolucionário ateu numa cultura de pseudociências de Deus. Ele foi o mais lúcido, contundente e demolidor adversário e inimigo dessa cultura.
Mas os próprios cristãos, o cristianismo, os poderes políticos, a igreja católica, trataram de o interpretar e de o integrar no velho sistema de pseudociências de Deus, como se ele fosse mais um, embora diferente e melhor.
E, mais grave do que isso, endeusaram Jesus Cristo. Ao endeusá-lo estavam a endeusar a própria Igreja, o que veio a revelar-se catastrófico, e a destruir, desvirtuando-a e deturpando-a, a grande mensagem de Jesus Cristo contra as religiões enquanto pseudociências de Deus.
O que poderia ter sido um imenso movimento de iluminismo antecipado e fulgurante, verdadeiramente libertador, acabou por ser absorvido em sistemas de mais pseudociências de Deus.


Título: Re: O mais revolucionário ateu
Enviado por: gdec2001 em Dezembro 29, 2018, 18:34:02
É isso mesmo.
Sábia reflexão.

abraço.

Bom ano novo

geraldes


Título: Re: O mais revolucionário ateu
Enviado por: Goreti Dias em Janeiro 06, 2019, 13:35:04
Acontece em muitas outras situações. Lamentavelmente.
Bom ano, como diz o amigo Geraldes.


Título: Re: O mais revolucionário ateu
Enviado por: Oswaldo Eurico Rodrigues em Fevereiro 19, 2019, 11:17:11
Excelente texto para se pensar (não só sobre religião, mas também política e outras áreas).
Grande abraço.


Título: Re: O mais revolucionário ateu
Enviado por: Nação Valente em Fevereiro 20, 2019, 20:49:10
Uma interessante reflexão. As áreas religiosa e filosófica, não são a minha praia. No entanto, permita-me dar uma opinião, que não prima pela total concordância com a sua conclusão. Não deixa de ser, apenas a opinião de um leigo, em matéria de alguma complexidade.
A religião cristã, fundada a partir dos evangelhos que transmitem a mensagem de Jesus Cristo, anos depois da sua existência, não deixam de ser interpretações dessa mensagem, creio que por via indirecta. Penso que compilam uma doutrina que já estava a ser seguida e à qual pretendem dar enquadramento.
Dos Evangelhos que li, incluindo apócrifos, pode-se tirar a conclusão da sua reflexão: Jesus Cristo foi contestatário da religião judaica em vigor. Mas por outro lado, não sei se se lhe pode chamar ateu, pois se percebi bem, na sua mensagem existe um Deus Criador de quem Ele se considera mensageiro. Eu diria usando uma definição mais recente, que seria "anticlerical" e não ateu. Aliás creio que faz alusão à fundação de uma igreja.

O que acontece em função da sua pregação já é, na minha perspectiva, de outro domínio. A transformação de um grupo crescente de pessoas que se reveem na mensagem, numa instituição organizada e como tal sujeita a regras e norma, que  desvirtuam a sua génese. Mas se assim não fosse, creio que o Cristianismo não existiria.

A questão do Iluminismo como o conhecemos, não o vejo enquadrado, nem contexto nem na mentalidade daquela época. E mesmo o Iluminismo da época moderna, caro Carlos, não terá sido absorvido em sistemas de poder político, e desvirtuado da sua pureza? É que, quer queiramos, quer não, aquilo que podemos chamar de "utopias" acabam sempre integradas em qualquer sistema institucional. Posso não estar certo, mas é como vejo a realidade.


Título: Re: O mais revolucionário ateu
Enviado por: carlossoares em Fevereiro 22, 2019, 14:59:07
Gdec,
Goreti,
Oswaldo,
Nação,

muito obrigado pelas leituras e comentários.
Nação Valente,

o seu comentário ajuda a perspetivar a densa problemática das religiões, mormente das religiões dos livros e, sobretudo, do livro que não foi escrito ou que o próprio "autor" não escreveu. Comecei o texto, que, aliás, foi um comentário a outro texto na net, no http://dererummundi.blogspot.com/, com uma citação atribuída a Saramago, que se dizia ateu mas que o não seria assim tanto, na minha modesta pretensão e concluí com uma, outra, "provocação" de que o Deus dos cristãos seria o mais revolucionário ateu.
Nem o iluminismo, «stricto sensu», se lembrou disto.
Agora, a questão que falta tratar, verdadeiramente, neste tempo, que ainda é um tempo de mais imposturas, é a do endeusamento. E esta questão, que o iluminismo atacou de frente, tal como Jesus atacou de frente as pseudociências de Deus institucionalizadas, foi, mais uma vez, interpretada, assimilada, absorvida e integrada nos velhos sistemas.
Isto dos sistemas é o diabo, não porque se tornam velhos, mas porque são sistemas.


Título: Re: O mais revolucionário ateu
Enviado por: gdec2001 em Abril 29, 2020, 16:44:44
Que Cristo fosse ateu eu acredito no sentido de que não acreditava no deus dele ...Já não sei se ele pretendeu criar uma nova religião . Todo o ensinamento dele contraria essa ideia mas a última ceia parece ser uma escola para uma nova religião . A não ser ser que ceia tenha sido inventada...
O certo é porém que a igreja católica parece ter pouco a ver com Cristo e em honra de Cristo que dizemos isto  .
geraldes