EscritArtes

Textos => Prosa Restante => Tópico iniciado por: CAMPISTA CABRAL em Janeiro 17, 2020, 18:42:02



Título: QUANDO NÃO SE PODE DEFENDER O INDEFENSÁVEL
Enviado por: CAMPISTA CABRAL em Janeiro 17, 2020, 18:42:02
O texto que segue foi escrito antes do pronunciamento patético do representante da cultura no Brasil. Uma lástima completa! O texto é mais um desabafo dentre vários desabafos já feitos e publicados neste espaço. Estamos vivendo tempos nebulosos e terríveis para a cultura e o conhecimento, mas sobretudo, o que chamamos humanidade...

Quando penso que na vida é necessário defender certos valores, escolher um lado, afirmar uma posição, sei o quanto isso custa.  Sempre fui muito intenso e verdadeiro. Defendo com força aquilo que acredito e por isso mesmo fico indignado quando vejo e ouço barbaridades. E mais indignado fico com pessoas que defendem o indefensável… Penso que há coisas que não se contestam pelo simples fato do bom senso, mas o bom senso, hoje, é artigo de luxo e, no caso de nosso país, o bom senso parece ter desaparecido.

Há coisas que são inadmissíveis defender sejam quais forem as justificativas… Tortura, violência, preconceito, terra plana, machismo e intolerância, por exemplo…

E se por acaso justificativas forem apresentadas, mais monstruosa a situação se torna, pois reforça as ideias de que os fins justificam os meios ou ainda pior, aquilo que não me afeta é ignorado, não importa o quão grave seja… Ou terrivelmente pior, concordar mesmo com tais coisas!

É inadmissível, por exemplo, crer nas armas e defendê-las como solução. O tempo e a história sempre mostraram que violência gera violência. Isso é fato! E isso não parece ser nada cristão…

É também inadmissível crer que grosseria e falta de educação sejam tratadas como sinônimo de sinceridade. Ser sincero é dizer a verdade e não ofender ou ferir ninguém. E ofender também não parece nada cristão…

É ainda inadmissível crer nas barbaridades ditas nas redes sociais sem qualquer leitura crítica, comparação dos fatos, pesquisa ou coisa que o valha. E isso nada tem a ver com postura de cidadão. Não o cidadão de bem, mas o cidadão de fato.

É inadmissível querer rasgar a história, distorcer os fatos para, à força, dizer o que se quer e o que não se quer.

É inadmissível ver todos os que não concordam como inimigos.

Eu sinto muito lhe dizer, mas houve ditadura no Brasil.

Eu sinto muito lhe dizer, mas há racismo no país. Ele é real, bruto e cruel.

Eu sinto muito lhe dizer, mas a corrupção não é de direita ou de esquerda. Ela é nossa!

Eu sinto muito lhe dizer, mas o nazismo foi um movimento de extrema direita!

Eu sinto muito lhe dizer, mas o Brasil é um país desigual e que não dá as mesmas oportunidades às pessoas.

Ando extremamente pessimista com os rumos que foram tomados. Ainda mais pessimista no momento em que, a despeito de números otimistas de mercado (o tempo sempre ensina que se deve esperar…) vários especialistas simplesmente fecham os olhos para o que deveria sempre ser indefensável.

Se é indefensável, não há discussão, não há o que dizer.

Causa indignação ver pessoas tentando defender o que não pode ser defendido…

Mas em tempos de aguda crise moral e ética, em tempos de profunda crise na política brasileira, o homem medieval ressurge, com a sua agressividade, com a sua ignorância, com a sua incompreensão de tudo e com a sua grande estupidez…