EscritArtes

Textos => Letras => Tópico iniciado por: Paulo Afonso em Outubro 01, 2007, 21:14:44



Título: A Porta do Rio
Enviado por: Paulo Afonso em Outubro 01, 2007, 21:14:44
No ímpeto do rio descontrolo-me e afundo. Entro num outro mundo, de silêncio, de acalmia que tanto seduz, pela magia do inesperado…
O corpo molhado não pede calor, limita-se a deslizar pela corrente sem fim. Os olhos, bem abertos, apreciam a vida que os outros seres têm.
Braços e pernas não exercem qualquer movimento, nem de luta, nem de fuga. Inertes deixam-se ir…
Um dia voltarei ao paraíso para acabar o sonho do meu desejo. Para concluir as pequenas coisas que deixei inacabadas e para poder amar a vida que inconscientemente deixei fugir sem um pleno desfrutar.
Passei a porta que nos divide e assim separa, encontro-me do outro lado onde tudo é novidade. Não consegui iludir esse destino tragicamente marcado.
Por ora, limito-me a assumir que tragicamente morri…


Título: Re: A Porta do Rio
Enviado por: Goreti Dias em Outubro 01, 2007, 21:20:08
Uma prosa bem delineada, interessante... Gostei muito!
Um abraço


Título: Re: A Porta do Rio
Enviado por: Marília em Novembro 03, 2007, 22:47:18
A PORTA DO RIO DEVE POSSUIR ONDAS DE MAR...PARA ABRIR E FECHAR, LEVAR E TRAZER, MORRER E RENASCER.