EscritArtes
Julho 10, 2020, 22:06:03 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
   Início   Fórum Ajuda Entrar Registe-se  
por Goreti Dias em Janeiro 01, 2008, 22:59:00
Buffering...

Prémio de qualidade Poesia


Na sua escrita utiliza um vocabulário pouco frequente, isso deve-se à sua formação académica ou à influência de algum autor? (João Videira Santos)
As influências certamente existirão em todos nós. No meu caso concreto, derivam porventura, não exclusivamente da minha formação académica, mas creio que, mais do meu percurso de vida.
Tenho formação de base na área das Ciências (fiz o antigo 7º ano do Liceu em Ciências) e, de imediato, ingressei em mercado de trabalho numa das maiores metalomecânicas deste país (agora extinta), a MAGUE de Alverca do Ribatejo. Tinha então 17 anos.
Como trabalhadora-estudante, fiz formação em Secretariado e só nos anos 90 avancei pelas Ciências Sociais. Sou Socióloga do Trabalho estando agora a realizar doutoramento em Ciências da Educação.
Este percurso, algo sinuoso, mistura-se ainda com uma infância rural às portas da grande cidade. O gosto pelas leituras que sempre me acompanhou, terão ditado, quiçá, outras influências.
Como classifica a sua poesia entre toda aquela que é editada no "EscritArtes"? (João Videira Santos)
Nunca pensei nisso… nunca me tentei “classificar”. Deixo a quem me lê esse trabalho …
Entre a metáfora e o sentido concreto da palavra, qual prefere? (João Videira Santos)
A metáfora, sem dúvida. O concreto e o objectivo reservo-os para trabalhos de cariz profissional. A poesia dá-nos a liberdade de podermos usar as palavras sem regras rígidas que não sejam as ditadas pelas emoções. E isso agrada-me de sobremaneira.
Tem uma produção poética incessante, pensa que o conceito de escrita mediúnica se adequa ao seu modo de escrever? (Dionísio)
Mediúnica no sentido de que se mistura com forças cósmicas? Sim, se observada deste ponto de vista, certamente. O momento da libertação do “eu” é sempre um momento transcendente e transcendental.
Tantas e tantas vezes ao reler mais tarde o que escrevi me interrogo: escrevi??? Porquê???
Sendo os seus recursos de estilo, metafóricos e temáticas bem delineadas, uma imagem de marca, como lida com uma eventual pressão de ter no próximo acto de escrita, um acto de criação superior ao que já fez no passado? (Dionísio)
Não sinto essa pressão, com a maior das sinceridades. Jamais penso nisso. Postas as coisas deste modo aqui e agora, e sempre me “confrontam” com esse desafio, de me “superar em cada acto de escrita”, penso então: - “Sim, assim deveria ser”. Mas na hora de escrever, no momento exacto em que me solto sobre as teclas, sou incapaz de me “disciplinar” nesse sentido. Sou quem sou, naquele momento, e nada mais.
Sendo uma das primeiras escritoras deste site, que pensa da evolução do mesmo e que sugestões tem a fazer? (Dionísio)
A evolução é, sem qualquer dúvida, muito positiva. Cada dia chegam mais elementos e cada instante esta casa se torna maior. São entidades distintas e as suas somas totais revelam-se superiores às somas parcelares, na interacção que se deseja. Existe o respeito pela diferença, existe o carinho e ombro que se oferece a quem chega. Uma espécie de fraternidade tácita que nos impele a “retribuir” com o nosso melhor de escrita.
Sugestões? A possibilidade do público em geral aceder à lista dos colaboradores e de poder visualizar a obra global de cada um, por exemplo. Existir no site, de igual modo um campo em que cada um pudesse facultar a sua biografia se o desejasse. O leitor gosta de saber quem somos. O que fazemos, o que está por detrás de um simples nome ou nick.
Confesso que no início me escudava temerosamente atrás de um pseudo. Era-me confortável. Hoje em dia, privilegio a transparência, dai a sugestão. De resto, o formato do site agrada-me e nada mais me ocorre sugerir.
Uma produção abundante e de qualidade é sempre difícil de conseguir. Fala-nos um pouco do tempo que dedicas à actividade e de como te nasceu o gosto pelas letras tão formosamente buriladas. (Goreti)
O gosto pela escrita decorreu do gosto pela leitura. Desde muito nova mesmo, adquiri o prazer de ler. Encontrei nos livros, amigos incondicionais. Amigos sempre presentes. Dai a ter vontade de escrever foi um passo.
Na primária as “redacções” eram o que, de tudo, mais me fascinava. Excedia sempre o número de linhas que era solicitado (vá-se lá saberá porquê…). No Liceu a disciplina de português era das que obtinha melhores notas. A escolha entre as áreas de Letras ou Ciências foi atribuladíssima, com uma matrícula em Letras e um volte-face para Ciências… No fundo, o que eu queria mesmo eram as Ciências Sociais e não sabia… (soube muito mais tarde).
Depois, com o ingresso em mercado de trabalho e com a vida familiar inerente a uma jovem recém casada, com a chegada dos filhos, este “vício” foi amainando … até que esfriou de vez. Julguei nos anos 80 que nunca mais escreveria. Puro engano… depois duma época de algumas perdas, eis senão quando, o bichinho da escrita volta. E volta de uma forma orgânica e visceral. Uma espécie de “logoterapia”, como digo muitas vezes.
O tempo que lhe dedico? Escrevo todos os dias, regra geral ao fim do dia, quando a casa adormece. É no silêncio das coisas que mais me encontro comigo mesma. Não revejo os meus textos em termos de forma ou conteúdo (apenas as gralhas), não os deixo dormir em gavetas. Eles nascem e têm necessidade de ver a luz do dia de imediato. Dai que diga que a minha escrita é imediatista.
Logo eu não dedico tempo à escrita – a escrita é que me dedica tempo a mim. Me abraça e me mima… Devo-lhe muito mesmo. Confesso que muitas vezes, quando “projecto” a minha velhice, penso que a última coisa que gostaria de perder era a visão… para poder continuar a ler e a escrever até ao fim.
Dos escritores que conhece, quem mais admira? Comente-os um pouco. (Dite)
Suponho que se refere aos ditos consagrados. Li muito os clássicos, Zola, Maxence Van Der Meersch, Thomas Mann, Tolstoi, Dostoievski, Steinbeck e tantos outros Sempre que retorno aos meus livros, são os clássicos que busco. E são tantos … dos escritores actuais, sou fã incondicional de Isabel Allende, de Miguel Sousa Tavares, ambos na prosa. Na poesia, adoro Sophia de Mello Breyner, gosto de ler Miguel Torga, Carlos Drummond de Andrade, Pessoa e tantos outros… impossível referenciá-los um a um.
Quer deixar alguma mensagem especial? (Dite)

Que melhor mensagem vos posso deixar do que as palavras de Pessoa?

“Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.”
Fernando Pessoa

4945 Acessos | 17 Comentarios

(17 Comentarios , 0 são novos)
1 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por em Janeiro 02, 2008, 00:18:54
"Vozes do mar"

Quando o sol vai caindo sobre as águas
Num nervoso delíquio d’oiro intenso,
Donde vem essa voz cheia de mágoas
Com que falas à terra, ó mar imenso?...


Tu falas de festins, e cavalgadas
De cavaleiros errantes ao luar?
Falas de caravelas encantadas
Que dormem em teu seio a soluçar?


Tens cantos d'epopeias?Tens anseios
D'amarguras? Tu tens também receios,
Ó mar cheio de esperança e majestade?!


Donde vem essa voz,ó mar amigo?...
... Talvez a voz do Portugal antigo,
Chamando por Camões numa saudade!

Mel parabéns pela tua Menção e entrevista, fantástica.
Dedico-te este poema da nossa grande poetisa "Florbela Espanca"
Um Beijinho

ConceiçãoB
2 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por João Videira Santos em Janeiro 02, 2008, 10:26:52
Mel:
Parabéns pela distinção.
Beijo
João Videira Santos
3 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por Mel de Carvalho em Janeiro 02, 2008, 10:37:03
Ao Escritartes, quero agradecer reconhecida, o prémio com que me distinguiram. Tudo farei para honrar o bom nome deste espaço e continuar a partilhar o que me habita.
Um abraço fraterníssimo
Mel
4 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por Pedra Filosofal em Janeiro 02, 2008, 14:53:11
Mel.
esta é uma distinção mais que merecida e que nos permite conhecer-te melhor.
recebe um beijo bem grande e que, em 2008 e nos próximos anos (muitos) nos continues a brindar com a tua linda forma de escrever.
Um beijo bem grande
5 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por Dionísio Dinis em Janeiro 02, 2008, 16:49:42
Dá gosto, dá-me um prazer imenso, ver a qualidade ser reconhecida, sentir  mais cedo que tarde que a escrita de Mel de Carvalho pode e deve transpor todas as barreiras e alcançar o sucesso merecido.O meu franco e sincero aplauso, poetisa!
6 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por em Janeiro 02, 2008, 23:54:48
Parabéns Mel! Tudo de Bom para ti!

Um grande abraço
7 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por RosaMaria em Janeiro 03, 2008, 13:39:54
Parabéns Mel. A tua poesia é efectivamente fantástica!
jinhos
Rosamaria
8 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por Cristina Nunes em Janeiro 03, 2008, 19:29:38
Mel... parabéns amiga! gosto muito da expressão nos seus textos e você tem aqui mais uma adimradora! um beijo com carinho.
9 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por Goreti Dias em Janeiro 03, 2008, 22:56:36
Eu já havia dado os parabéns à nossa queria poetisá... mas outra vez não é demais!
Um beijo
10 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por Vera Silva em Janeiro 04, 2008, 10:39:02
Querida Mel, parabéns minha linda!
Mereces todos os prémios e distinções!

Um beijo com imenso carinho
11 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por em Janeiro 05, 2008, 00:47:52
Mel
Gostei de saber um pouco mais de si e da sua relação com a escrita. Felicito-a por esta menção e, indubitavelmente, pela sua escrita.
Abraço
12 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por Luis F em Janeiro 06, 2008, 18:00:39
Mel parabens pela distinção...
Sem dúvida merecido e que seja a primeira de muitas...

bjs
13 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por Tino Saganho em Janeiro 06, 2008, 18:46:05
Quando uma distinção é atribuída a alguém por mérito e justiça, só podemos congratularmo-nos
com a atribuição.

PARABÉNS, MEL.

Beijinhos
14 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por Paulo Afonso em Janeiro 12, 2008, 20:17:37
Amiga Mel,

Creio que esta menção é de todo justa, pela qualidade que sobressai da tua poesia. Como teu acérrimo fã, acho-a perfeitamente natural.
Um prémio merecido para quem respira poesia. Os teus leitores (onde me incluo) devoram os que escreves com a mesma intensidade com que a produzes.
Espero que continues nesta partilha cultural que tanto importante se tornou.

Abraço
15 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por Carla Costeira em Janeiro 13, 2008, 22:36:39
Querida e doce amiga Mel,

Li e reli a tua entrevista, é linda como tu e como tudo o que tu escreves!!!
Muitos parabéns pelo prémio tão merecido!!!
És realmente única e maravilhosa!!!

Beijinhos amiga Smiley*
16 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por Mel de Carvalho em Setembro 09, 2008, 14:20:50
À excelente equipa do Escritartes agradeço poder ter acesso a este link e à entrevista. Gratíssima. A todos os que, à altura comentaram e me mandaram pm's a incentivar a escrita, agradeço de igual forma. Um ano quase volvido sobre este momento que tanto me sensibilizou, continuo a identificar-me com esta casa, com estes poetas/amigos que tanto me têm ajudado a crescer e a afirmar a minha vontade de estar na escrita.

A todos o meu enorme Bem-hajam!!!!
17 Re: Menção de qualidade - Poesia (Dez) por Dionísio Dinis em Janeiro 01, 2009, 13:39:45
Vale a pena ler de novo!
Os comentários foram desactivados para este artigo.
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.133 segundos com 25 procedimentos.