EscritArtes
Novembro 22, 2019, 03:28:48 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Vidas ceifadas II  (Lida 3341 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
britoribeiro
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 659
Convidados: 0



WWW
« em: Março 22, 2009, 19:44:03 »

A Lurdes assomou à porta do quarto arrastando a sogra pelo braço. Esta parecia ter envelhecido dez anos em poucos meses. O ar viçoso de outrora tinha-se esfumado e era substituído por um definhamento acentuado, costas corcovadas, tez macilenta, olhar vago e indiferente.
-Então senhor Alípio, como está hoje? – pergunta a Lurdes com um sorriso que pretendia ser animador.
- Melhor um pouco e tu Rosa, que tal?
A inquirida manteve o mutismo e foi a nora que interveio:
- Hoje não queria tomar os medicamentos, nem sair de casa. Tive de a arrastar até ao carro… Mas agora está melhor. Pelo menos, já não resmunga como fez durante todo o caminho.
Uma lágrima corria lentamente pela face do Alípio incapaz de suster a comoção. A vida apresentava-se complicada e mesmo que ele se safasse, ficaria sempre dependente… e a Rosa? Como arranjaria ele forças para cuidar dela? Que mal teria ele feito para merecer tal castigo?
Os filhos… será que podiam contar com eles? Pura ilusão! Só se fosse para lhe extorquirem dinheiro. A quem sairiam eles, não foi essa a educação que lhes dera.
Enxugou as lágrimas, tentou fazer conversa para animar a mulher que continuava apática aos pés da cama, como se nada daquilo lhe dissesse respeito.

Ao fim de três semanas teve alta, regressou a casa e todos os dias fazia fisioterapia. Os cuidados médicos e uma força de vontade férrea operaram o quase milagre da sua recuperação. Largou a cadeira de rodas, passou a deslocar-se com uma canadiana, tratava da Rosa o melhor que podia, apenas com a ajuda de uma mulher-a-dias.
Teve mais um desgosto quando descobriu que as suas contas bancárias tinham sido esgotadas por iniciativa do filho mais velho, que aproveitara a circunstância do pai estar hospitalizado e a demência da mãe. “Fraca raça, não sai aos nossos” disse-o em tom de despeito e amargura, às irmãs que o visitaram.
Uma manhã de primavera, corria o sol em direcção ao sul, quando sentiu um estrondo metálico vindo do quintal. Assomou à porta da cozinha e os olhos caíram-lhe na tampa de ferro que cobria o poço.
Com a velocidade que a perna esquerda lhe permitia, abeirou-se e viu a Rosa cinco metros mais abaixo a chapinhar na água. Berrou por ajuda, logo o vizinho lhe acudiu, saltando o pequeno muro que dividia as propriedades. O poço era estreito mas o Rodrigo desceu e agarrou a Rosa até chegarem os sapadores que os resgataram do fundo. Foi mais uma vez internada, desta vez para curar os traumatismos da queda, que não conseguia explicar. “O meu pai estava no poço, fui ter com ele” dissera ela à guisa de explicação.
Regressou calma, estável, durante algum tempo conseguiu até assumir a lide da casa. Parecia a Rosa de antigamente, com mais vida… mas foi sol de pouca dura.
Ao chegar da fisioterapia encontrou-a caída na cozinha. Por todo o lado viam-se embalagens vazias de medicamentos. Largou a muleta, deixou-se cair de joelhos ao seu lado. Tocou-lhe na cara, ainda estava morna, mas pressentiu o pior. Arrastou-se até ao telefone e com voz embargada explicou ao operador do 112 o que estava a acontecer.
A autópsia confirmou que tinha falecido devido à ingestão de uma elevada quantidade de medicamentos.
Passou a viver só, os filhos visitavam-no a espaços e passava algumas temporadas em Âncora, sua terra natal, a convite das irmãs. Muitos meses depois, na solidão da noite, decidiu escrever um bilhete à sua primeira namorada, também Rosa de sua graça, viúva há vários anos.
Dias depois, tremeram-lhe as mãos ao receber do carteiro uma carta com carimbo de Lisboa. Leu-a, releu-a muitas vezes. O semblante abriu-se e um sorriso amaciou as rugas que as preocupações e os desgostos tinham sulcado. Às cartas sucederam-se os telefonemas, aos telefonemas sucederam-se as visitas, o namoro terminou em casamento.
O Alípio fez a mala e foi viver para Lisboa, onde a Rosa tinha um pequeno restaurante. Quando podiam, escapavam-se até aos arredores de Ponte de Lima onde ela possuía uma pequena propriedade.
Recuperou a alegria de viver, encontrou na enteada uma filha, voltou a ter família, apesar da amargura que sentia e da qual não fazia segredo pelo comportamento dos filhos. As saudades que tinha das crianças, os netos, os seus meninos. Não falhava uma semana sem lhes telefonar, todas as noites sonhava com eles, com as suas brincadeiras e traquinices.
Pensaram em trespassar o restaurante, faziam tenções de comprar um apartamento em Âncora, onde a Rosa também tinha família, fizeram projectos para o futuro, alimentados pelo amor descoberto no pôr-do-sol da vida.
Uma noite quando estavam a ver televisão, Alípio levou a mão à cabeça, tentou levantar-se do sofá e caiu de borco. Tivera outro AVC, esteve em coma três dias e faleceu sem ter recobrado conhecimento.
Foi sepultado no pequeno cemitério de Vitorino das Donas, no jazigo da esposa, ao lado seu primeiro marido, longe de Âncora, sua terra natal, longe de Matosinhos, que o fez homem.
Fim
Registado

damasco
Membro da Casa
****
Offline Offline

Mensagens: 438
Convidados: 0


Frase é uma palavra. Palavra não é uma frase.


« Responder #1 em: Março 22, 2009, 23:19:11 »

E, quando pensava que o homem ia ter vida descansada, quinou de vez. Longe de tudo. Há vidas muito ingratas.
Registado
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18339
Convidados: 994



WWW
« Responder #2 em: Março 23, 2009, 19:17:25 »

Eu diria que o homem ainda viu a vida sorrir-lhe e morreu feliz. Ao menos isso. Quando a família age nesse desprezo, só resta procurar em outro lugar a felicidade. Se ela aparecer...
Admiro o realismo e a correcção de escrita dos teus contos!
Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o número: 358/2009 e 4659/2010
marcopintoc
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 524
Convidados: 0



WWW
« Responder #3 em: Março 23, 2009, 23:02:23 »

Caro Brito,
Elogio a tua elegância discreta como escritor ao conseguires capturar pequenos/grandes episódios de vidas ditas normais num registo narrativo que é fluido e de muito agradável leitura.
Abraço
Marco
Registado

Marco Pinto Correia

Blog Pessoal : http://avenidadocaos.wordpress.com
Twitter: http://twitter.com/marcopintoc
britoribeiro
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 659
Convidados: 0



WWW
« Responder #4 em: Março 27, 2009, 12:03:08 »

Este é um caso real, escrito de forma banal que exprime a minha revolta, a minha mágoa e o meu respeito pelo... chamemos-lhe Alípio.
Obrigado pelos comentários.

Abraço
Registado
Luis F
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 1612
Convidados: 3


Nas asas do sonho, escrevo...


WWW
« Responder #5 em: Março 27, 2009, 13:13:27 »

Caro Brito

O que dizer acerca deste texto... a não ser que merece todo o meu aplauso.

Gostei muito de ler e continua assim

Com amizade
Luis
Registado

britoribeiro
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 659
Convidados: 0



WWW
« Responder #6 em: Abril 13, 2009, 13:56:05 »

Grato pelo teu comentário.

Abraço
Registado
NunoMiguelLopes
Membro
***
Offline Offline

Mensagens: 209
Convidados: 0


Não vou gostar nada do dia de hoje, pois não?


« Responder #7 em: Junho 04, 2009, 10:51:58 »

É um texto bastante duro. Mas a sua dureza não vem à força duma violência gráfica. Entra antes de fininho enquanto se lê, por ser fiel a uma realidade que se multiplica por este país e é facilmente reconhecida por todos. Quando a escrita é assim honesta, a leitura agradece.
Registado
Nanda
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 913
Convidados: 0



« Responder #8 em: Julho 15, 2011, 00:40:26 »

Brito,
E assim se conta o quotidano.
Beijo
nanda
Registado
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Parcerias
Buffering...Buffering...

O seu destaque aqui...
Recentemente
[Novembro 21, 2019, 15:19:54 ]

[Novembro 11, 2019, 11:36:25 ]

[Novembro 11, 2019, 11:34:42 ]

[Novembro 11, 2019, 11:34:19 ]

[Novembro 11, 2019, 11:33:39 ]

[Novembro 07, 2019, 20:15:24 ]

[Novembro 07, 2019, 20:13:24 ]

[Novembro 07, 2019, 16:47:55 ]

[Novembro 01, 2019, 19:06:32 ]

[Novembro 01, 2019, 14:05:06 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 127991
Total de Tópicos: 26248
Online hoje: 167
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 168
Total: 168
Últimas 30 mensagens:
Novembro 12, 2019, 18:18:18
um abraço para a administração, para quem dinamiza este espaço, seja como escritor, como leitor, como comentador.
Novembro 12, 2019, 18:15:54
margarida, plenamente de acordo.
Novembro 11, 2019, 11:31:31
Bom dia. Se todos fizerem igual, não há comentários.
Novembro 09, 2019, 14:53:10
Oi Dionísio. Obrigado pelo teu comentário. Desculpa eu ser relapso a fazer muitos comentários. Evito-os, para não  louvar uns ou criticar outros. Prefiro ficar na minha, ficar no que me parece. O meu principio geral: escrever, quem lê lê, quem não lê não lê. Ponto. Leio poesia d'outros, m
Novembro 01, 2019, 14:41:40
Boa tarde  todos. Os que estão e os que virão.
Outubro 31, 2019, 14:58:38
Parabéns, Figas. Parabéns a todos os que lêem e que escrevem, parabéns a todos os que partilham escritas e comentários.
 
Outubro 10, 2019, 12:24:06
Bom dia. Hoje, andaei a pastar pelas 351 páginas da poesia e encontrei 32 poemas meus, milionários de leituras. com média de 1209 leituras cada. Obrigado a todos os meus contribuintes de lucros poéticos. FigasAbração, a todos. Nota: O Campeão é o Linguagem Decente, com 3692 leituras.Viva a D
Julho 29, 2019, 22:55:56
Olá para todos! Boas histórias e boas escritas!
Julho 02, 2019, 07:05:22
Bom dia!
Junho 28, 2019, 14:37:28
Boa tarde. Hoje, apeteceu-me saudar todos os que aqui tentam pôr arte na pena. Figasabraço
Maio 18, 2019, 19:22:13
Olá! Boa leitura e boa escrita para todos!
Maio 01, 2019, 17:26:47
Boa escrita e boa leitura para todos!
Março 30, 2019, 10:37:35
Boas leituras e boas escritas para todos!
Janeiro 27, 2019, 19:36:43
Boa noite feliz para todos.
Janeiro 11, 2019, 09:21:27
Olá para todos!
Dezembro 24, 2018, 21:55:27
Boas Festas.
Novembro 03, 2018, 14:19:38
Claro que sim, Mateus. Vamos lá puxar pelos neurónios?
Novembro 01, 2018, 18:36:27
Olá para todos!
Novembro 01, 2018, 15:51:21
A ideia com que fiquei em conversas, era a de que se pretendia fazer, uma sequela do "esfaqueador". Agora estou baralhado.
Outubro 31, 2018, 18:31:48
Temos um tópico em aberto "sem título". Podem entrar. A ideia é fazer algo ao jeito do Esfaqueador da Régua. Estão convidados!
Setembro 12, 2018, 14:34:00
Esfaqueador da Régua, aqui nascido, terá o seu lançamento na Feira do livro do Porto, dia 21 de Setembro.
Julho 04, 2018, 13:54:05
Bom dia.
Março 01, 2018, 20:26:58
Boa noite!
Dezembro 30, 2017, 21:19:00
Olá, amigos do Escritartes!
Dezembro 27, 2017, 09:04:13
Boas Festas!
Dezembro 21, 2017, 10:51:56
Olá para todos! Desde já, um feliz natal e um 2018 de novas escritas!
Novembro 11, 2017, 17:23:12
Boa tarde a todos! Votos de muita inspiração na nobre arte da escrita.
Outubro 25, 2017, 10:20:24
Meu bom dia a todos!
Julho 18, 2017, 20:17:24
Olá para todos! Boas escritas!
Logos
Buffering...

Firefox 2 xspf player AJAX powered Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 Powered by HoneyPot project Hacker Trap
CSS Valid CSS 2.0 Valid RSS 1.0 Valid RSS 2.0 Valid XHTML Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.13 segundos com 29 procedimentos.