EscritArtes
Novembro 20, 2019, 22:05:21 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: O portão vermelho por onde o avô desapareceu  (Lida 2315 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
damasco
Membro da Casa
****
Offline Offline

Mensagens: 438
Convidados: 0


Frase é uma palavra. Palavra não é uma frase.


« em: Julho 27, 2009, 22:30:45 »

Na cozinha, o avô planeia construir sistema de cozedura, diz ele que as batatas requerem o tempo exacto, não vá o lume querer-lhes o sabor. Os ombros largos, não tão largos assim, embora o pareçam, deve ser a porta a fazer-lhes o favor, encostam-se, e a pele que é a dos ombros também raspa dura a parede, é uma daquelas camisolas que nem tem mangas, uma pequena tira nos ombros é tudo quanto, entra ele, nem se importa das portas e das paredes, tal e qual os ombros: assim desimportados da pele que lhes fica meio que viva ainda a esmorecer cal adentro, o olhar rouco de quem nem vê muito bem mas prefere isso a andar de óculos, ele bem os tem, os óculos, partilha-os muitas vezes com a prateleira das louças, tão cheia de pó e de fuligem feita, quase assim nasceu, passa ele a pele pela parede, um leve roçar, e ficou ali parado, diz-se um segundo, mas ainda maior que um segundo, e depois decidiu-se, as panelas, não: a panela, a panela já à espera de água para ferver. Avô, digo-lhe, e sai-me coisa estranha pela boca, nem sei que lhe digo, sempre o nome me soube a estranho, as palavras agarradas também à pele, ou já as palavras na minha pele a fazerem-se rogadas de terem sido ditas, E? Não me sai o resto, como ficasse apenas o fantasma do avô com quem falar, ou a pele dele de encontro à parede rugosa. E ele lá entrou, usa-se das mãos para fazer as coisas, as mãos nem bem dele, não as olha a usá-las, só que depois limpa-as muito bem, como instrumento precioso tomado de empréstimo. A fotografia ao lado. Aquela fotografia já ali estava antes, agora meio partida. A fotografia. Parece ter uma alma. Melhor assim: ganhou alma. De tanto se olharem as fotografias, entra-lhes um fôlego de vida qualquer e depois respiram por si mesmas. A fotografia está meio de esguelha, partiu-se-lhe uma perna e ficou coxa, ainda vai o mar cair para dentro da sala. O avô. O avô partiu aquando do suão, foi-se de baba na boca, lá ao fundo, naquele canto martelado a cimento, vejo um tijolo, talvez dois, secos, limpos, por assentar, que ficaram aquando da construção tosca, a casa de banho que nem água nem nada, fazia-lhe de quê o lavatório das mãos?: fazia-lhe de simples depósito qualquer, uma porção de água para o desfazer das barbas, o pincel molhado, o olho no espelho, ou espécie de espelho, meio roído às pontas também, os tijolos ficaram lá em cima, talvez a pisarem plástico para que a água não viesse por ali abaixo, que era coisa que não precisava quem da casa de banho se servia. Era disto que viria o avô, a barba muito aparada, mais rapada que, na verdade, aparada, notava-se todo o vermelho na cara de quem exagera o esforço, uma pequena humidade, devia ser aquele óleo muito de contra-queda de cabelos, vejo-o nitidamente aqui, os olhos meio que cerrados, inclinados e a boca como apito prestes a estalar um som agudo. A camisola, avô, que te ficou ainda ali pendurada na parede. Mas tu desapareces lá para dentro e fechas o portão de ferro que nem dá conta de ti, fecha-se tranquilo e sonolento como aquela tarde de maio; sim: maio, o mês da ressurreição da bisavó. Lá vinha ela renascer e depois ficava pouco tempo. E era maio. E tu desapareces lá para dentro. A casa esconde-se atrás do manto vermelho ferrugento que é o portão, muito tranquilo e sonolento, sem perceber que entraste lá para dentro, e nem és tu que desapareces, mas a tua inquieta, nem sei se esta é bem a palavra: diria antes: não é a tua inquieta figura que desaparece: é o teu leve e sorrateiro fantasma, quase como não fosse um fantasma à séria, que esses teimam no espaço, ou dizem que estiveram bastante tempo: o teu não foi assim: parece que és o fantasma de um fantasma, avô.
Registado
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18339
Convidados: 994



WWW
« Responder #1 em: Julho 28, 2009, 08:44:26 »

Recortado no tempo e no carinho...
Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o número: 358/2009 e 4659/2010
marcopintoc
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 524
Convidados: 0



WWW
« Responder #2 em: Agosto 02, 2009, 22:45:39 »

Texto com uma carga intimista e afectiva muito forte. O estilo da voz narrativa é muito "Damasco" embora no trecho final a "objectiva" do narrador mude para um plano menos comum na tua escrita.
Abraço
Marco
Registado

Marco Pinto Correia

Blog Pessoal : http://avenidadocaos.wordpress.com
Twitter: http://twitter.com/marcopintoc
britoribeiro
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 659
Convidados: 0



WWW
« Responder #3 em: Agosto 09, 2009, 14:51:42 »

Memória de um homem marcante, que nunca esquecemos.
Abraço
BR
Registado

Fábio Videira Santos
Membro
***
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 115
Convidados: 0



« Responder #4 em: Agosto 24, 2009, 21:38:15 »

Caro Damasco,

Bem se vêem os poros do texto (ou diria espelhos?) cogitando na aparência translúcida dos fantasmas. Nos objectos que tanspiram caras íntimas. Está bom de ver. Como se o nosso corpo pregado a um canto permitindo a visão de um espaço teimoso. Teimoso na intimidade da ternura.
Um prazer, sem dúvida. Uma terapia para as minhas dioptrias. Está o mundo mais focado, neste texto de amparo aos míopes que não esquecem as fotografias vivas.

Abraço,

fvs
Registado
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Parcerias
Buffering...Buffering...

O seu destaque aqui...
Recentemente
[Novembro 11, 2019, 11:36:25 ]

[Novembro 11, 2019, 11:34:42 ]

[Novembro 11, 2019, 11:34:19 ]

[Novembro 11, 2019, 11:33:39 ]

[Novembro 07, 2019, 20:15:24 ]

[Novembro 07, 2019, 20:13:24 ]

[Novembro 07, 2019, 16:47:55 ]

[Novembro 01, 2019, 19:06:32 ]

[Novembro 01, 2019, 14:05:06 ]

[Outubro 31, 2019, 22:15:42 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 127990
Total de Tópicos: 26247
Online hoje: 184
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 1
Convidados: 170
Total: 171
Últimas 30 mensagens:
Novembro 12, 2019, 18:18:18
um abraço para a administração, para quem dinamiza este espaço, seja como escritor, como leitor, como comentador.
Novembro 12, 2019, 18:15:54
margarida, plenamente de acordo.
Novembro 11, 2019, 11:31:31
Bom dia. Se todos fizerem igual, não há comentários.
Novembro 09, 2019, 14:53:10
Oi Dionísio. Obrigado pelo teu comentário. Desculpa eu ser relapso a fazer muitos comentários. Evito-os, para não  louvar uns ou criticar outros. Prefiro ficar na minha, ficar no que me parece. O meu principio geral: escrever, quem lê lê, quem não lê não lê. Ponto. Leio poesia d'outros, m
Novembro 01, 2019, 14:41:40
Boa tarde  todos. Os que estão e os que virão.
Outubro 31, 2019, 14:58:38
Parabéns, Figas. Parabéns a todos os que lêem e que escrevem, parabéns a todos os que partilham escritas e comentários.
 
Outubro 10, 2019, 12:24:06
Bom dia. Hoje, andaei a pastar pelas 351 páginas da poesia e encontrei 32 poemas meus, milionários de leituras. com média de 1209 leituras cada. Obrigado a todos os meus contribuintes de lucros poéticos. FigasAbração, a todos. Nota: O Campeão é o Linguagem Decente, com 3692 leituras.Viva a D
Julho 29, 2019, 22:55:56
Olá para todos! Boas histórias e boas escritas!
Julho 02, 2019, 07:05:22
Bom dia!
Junho 28, 2019, 14:37:28
Boa tarde. Hoje, apeteceu-me saudar todos os que aqui tentam pôr arte na pena. Figasabraço
Maio 18, 2019, 19:22:13
Olá! Boa leitura e boa escrita para todos!
Maio 01, 2019, 17:26:47
Boa escrita e boa leitura para todos!
Março 30, 2019, 10:37:35
Boas leituras e boas escritas para todos!
Janeiro 27, 2019, 19:36:43
Boa noite feliz para todos.
Janeiro 11, 2019, 09:21:27
Olá para todos!
Dezembro 24, 2018, 21:55:27
Boas Festas.
Novembro 03, 2018, 14:19:38
Claro que sim, Mateus. Vamos lá puxar pelos neurónios?
Novembro 01, 2018, 18:36:27
Olá para todos!
Novembro 01, 2018, 15:51:21
A ideia com que fiquei em conversas, era a de que se pretendia fazer, uma sequela do "esfaqueador". Agora estou baralhado.
Outubro 31, 2018, 18:31:48
Temos um tópico em aberto "sem título". Podem entrar. A ideia é fazer algo ao jeito do Esfaqueador da Régua. Estão convidados!
Setembro 12, 2018, 14:34:00
Esfaqueador da Régua, aqui nascido, terá o seu lançamento na Feira do livro do Porto, dia 21 de Setembro.
Julho 04, 2018, 13:54:05
Bom dia.
Março 01, 2018, 20:26:58
Boa noite!
Dezembro 30, 2017, 21:19:00
Olá, amigos do Escritartes!
Dezembro 27, 2017, 09:04:13
Boas Festas!
Dezembro 21, 2017, 10:51:56
Olá para todos! Desde já, um feliz natal e um 2018 de novas escritas!
Novembro 11, 2017, 17:23:12
Boa tarde a todos! Votos de muita inspiração na nobre arte da escrita.
Outubro 25, 2017, 10:20:24
Meu bom dia a todos!
Julho 18, 2017, 20:17:24
Olá para todos! Boas escritas!
Logos
Buffering...

Firefox 2 xspf player AJAX powered Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 Powered by HoneyPot project Hacker Trap
CSS Valid CSS 2.0 Valid RSS 1.0 Valid RSS 2.0 Valid XHTML Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.422 segundos com 29 procedimentos.