EscritArtes
Março 06, 2021, 13:49:36 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: O chaveiro  (Lida 2119 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Djabal
Membro
***
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 191
Convidados: 0



WWW
« em: Agosto 24, 2009, 13:57:57 »



Faixa de couro debruada nas extremidades, preta, aberta e dividida em três abas. Pelo anverso e no centro, uma barra de metal cravada como cabeçalho dotado de encaixes para receber cada um dos olhais dos seis ganchos ou anzóis. A curvatura deles forma uma garganta de abertura estreita, cuja ponta, não tendo barbela, mas a minúscula glande, elegantemente se volta para fora, dispondo-se como amistosa clave para pescar, penetrando o orifício de cada chave que agora por diante lhe pertence.  Já existiram chaves que só abriam por fora, chamadas “lacônicas”, talvez originadas pelo desastre ocasionado pela última porta que esqueceram aberta em Constantinopla, a qual deu acesso às tropas do sultão dominador; e outras que só abriam por dentro, restando delas apenas a mítica imagem do cavalo de Tróia com seus guerreiros aguerridos, embutidos e trancados. Elas têm diversos tamanhos e variados formatos, desde a pequena que abre a mala, ou o cadeado, até a grande, a pantográfica e a eletrônica. Também foi sinônimo de bens imóveis e da fidelidade da mulher. Esta deveria trazer consigo os utensílios e entregá-los quando solicitada, e se entregasse, por desgraça, algum falso, seria repudiada com o mesmo tratamento reservado às putas. Chaves importantes eram guardadas no pescoço, enfiadas em correntes à vista de todos. Hoje, no centro de uma cidade, distante alguns quilômetros de Budapeste, existe um chaveiro com a forma de gradil, afixado no canto entre duas paredes. Nas suas barras, são guardadas chaves perdidas por toda a cidade. O segredo do qual a chave é a cifra e ardil se iniciou com duas argolas, uma em cada painel da porta, e o prego que as selava. Estes vieram limpos do latim clavus, transformando-se com o passar do tempo, tornando-se únicos, a ponto de apenas o proprietário descerrar o segredo. A cabeça se achatou e se arredondou para acomodar o polegar, a ponta recebeu um dente e um corte lateral. Depois o dente se espalhou pela haste e dela cresceram serrilhados. Multiplicando seu mistério. Um inventor inglês, nos tempos do rei George terceiro, filho mais novo dentre cinco, frequentou a escola até os dezesseis anos, aleijou-se em circunstâncias não esclarecidas; passou a estudar em casa, não podia mais trabalhar na fazenda do pai, escolheu mecânica e carpintaria. Colocou a mente para observar e conseguiu produzir o melhor cadeado da época. Vendeu milhares de exemplares e se tornou um homem rico. Oferecia um prêmio de duzentos guinéus àquele que conseguisse violar o segredo do seu invento: a tranca de Bramah, que servia como escudo contra os ladrões, na porta de sua loja, em Londres. Depois de trinta e cinco anos, um gaiato finalmente conseguiu a façanha. Após alguma controvérsia, tanto pelo tempo utilizado quanto pelo método, a promessa foi paga. Anos mais tarde, contraiu um resfriado, transformado em pneumonia, e sua alma inventiva o abandonou. Não sem antes ter inventado a bacia sanitária com descarga hídrica. Época em que outra família emigrada das montanhas de Gales para a planície da republicana americana, em Connecticut, e conhecedora do funcionamento e andamento das coisas, enriqueceu-se concebendo artefatos agrícolas, debulhadoras e fechaduras. Seu filho mais ilustre, Linus Jr., interessou-se pela pintura, mas com a morte do pai tomou para si a administração dos negócios. Após estudar engenharia, apresentou o seu conjunto inexpugnável. O prêmio concedido para o improvável violador era de três mil dólares, à época uma soma respeitável. O seu invento correu o mundo e se metamorfoseou em fábricas (Yale), riqueza e poder. Entretanto, com uma mensagem é possível ir se desvendando segredos, em um quarto, ou biblioteca, um banco, da igreja, da gaveta; ou abrir uma gaiola, exibir sem mostrar a fraqueza humana. Como símbolos de segurança, ofereciam acesso exclusivo àqueles que a penetravam, e suavemente conseguissem uniformizar pelo tamanho ou altura todos os tambores e molas embutidos na tranca após um tranqüilo clique. Outras chaves eram feitas de papel e ficavam à mostra nas paredes. Algumas elaboradas apenas como desenhos ou palavras. Agora, juntas, estão no chaveiro. Ele contém seis chaves e nenhuma delas é mixa ou mestra. A dobra lateral direita se fecha sobre o molho acolhido no metal. Elas estão deitadas em posição paralela, com a face dentada voltada para as costas da outra, afastadas milimetricamente para não se comunicarem entre si. No seu dorso, há uma presilha com uma reentrância. Aguarda a outra, à esquerda. Fechando o conjunto, exibindo outra presilha com a forma pontiaguda com um cone esférico na extremidade, acomodando-se sobre a ranhura, que com uma pressão estala e se fecha. O chaveiro tem o tamanho de um terço da tira, exibindo no exterior um brasão dourado sobre o couro, com um desenho que não se consegue decifrar. O conjunto não faz o barulho característico das chaves se batendo e fica guardado no bolso. Hoje, o conjunto inteiro – exceto uma única chave – é guardado em uma gaveta, que contém, além do chaveiro, a Bíblia, algum dinheiro, jóias, folhas de contrato, bilhetes, inseticida, pomada para dores lombares, atlas históricos e diários. Doravante, ele perdeu o hábito de frequentar lugares que necessitam de chaves para se obter acesso. Nada com a corrente, não luta mais contra ela. Esqueceu como se faz para abrir as bandeiras e portas: apenas entra e sai dos lugares sem segredos.  Avulsa, no bolso, fica pendurada no cadeado após ter aberto o viveiro com os tangarás. Deixou a portinhola aberta de par em par e observou a saída. De um em um, como um ritual, colocando a cabeça, vestida com a touca vermelho laranja, para fora, compondo a plumagem azul clara e ajustando as penas compridas da cauda para o vôo. A cerimônia da dança, dos machos se colocando diante das fêmeas, exibindo-se um de cada vez, ao cabo da qual cada um vai para o fim da fila, aguardando sua outra vez, até que a fêmea se decida, não mais será representada para outras testemunhas, nem o som intrincado da voz e do bater das asas não mais despertará a atenção pela originalidade. Ele segue o seu caminho de monótonas paredes. Resta a última chave, e toda vez que ele põe a mão para apanhá-la ela escapa, adiante, mais adiante.

“abre-se o portão gradeado do jardim
com a docilidade da página
que uma freqüente devoção interroga
e lá dentro os olhares
não necessitam fixar-se nos objetos.”



Registado
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18571
Convidados: 994



WWW
« Responder #1 em: Agosto 28, 2009, 07:35:21 »

Aqui está um bom exemplo do que pode a escrita: ilucidar-nos, instruir-nos e deleitar-nos...
Abraço
Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o número: 358/2009 e 4659/2010
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Março 05, 2021, 20:16:50 ]

[Março 05, 2021, 20:10:38 ]

[Março 04, 2021, 21:10:40 ]

[Março 04, 2021, 20:59:45 ]

[Março 04, 2021, 20:57:58 ]

[Março 04, 2021, 20:37:35 ]

[Março 04, 2021, 11:03:39 ]

[Março 04, 2021, 02:51:45 ]

[Março 04, 2021, 02:48:51 ]

[Março 03, 2021, 19:28:01 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 129227
Total de Tópicos: 26473
Online hoje: 131
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 106
Total: 106
Últimas 30 mensagens:
Março 05, 2021, 20:17:07
Bom fim de semana para todos
Março 04, 2021, 20:58:41
Boa quinta para todos.
Março 03, 2021, 19:28:19
Boa noite para todos.
Março 02, 2021, 20:10:50
Boa noite feliz para todos.
Fevereiro 28, 2021, 17:12:44
Bom domingo para todos.
Fevereiro 26, 2021, 21:31:48
Bom fim de semana para tod@s.
Fevereiro 25, 2021, 20:52:03
Boa noite a todos.
Fevereiro 24, 2021, 20:43:45
Boa noite a todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:46:56
Uma boa semana para todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:43:41
Sejam muito bem vind@s
Fevereiro 22, 2021, 16:41:57
Boa tarde a todos.
Fevereiro 18, 2021, 20:52:07
Boa noite a todos.
Fevereiro 17, 2021, 19:09:25
Boa quarta para todos.
Fevereiro 16, 2021, 19:10:20
Boa noite a todos os presentes.
Fevereiro 15, 2021, 14:54:45
Boa semana para todos.
Fevereiro 14, 2021, 15:29:30
Bom domingo para todos.
Fevereiro 13, 2021, 18:43:03
Boa noite  e boas escritas.
Fevereiro 13, 2021, 16:07:55
Bom sábado para todos.
Fevereiro 12, 2021, 15:10:54
Boa sexta para todos.
Fevereiro 11, 2021, 18:15:43
Boa noite a todos os presentes e aos outros também.
Fevereiro 10, 2021, 17:37:17
Boa tarde a todos.
Fevereiro 09, 2021, 20:11:23
Boa noite para todos.
Fevereiro 08, 2021, 17:06:00
Boa tarde para todos.
Fevereiro 06, 2021, 16:34:50
Boa tarde feliz para todos
Fevereiro 01, 2021, 15:26:42
Bom Fevereiro de boas memórias.
Janeiro 31, 2021, 17:07:34
Boa tarde feliz para todos.
Janeiro 30, 2021, 16:48:55
Boa tarde feliz para todos
Janeiro 23, 2021, 14:51:16
Boa tarde para todos.
Janeiro 21, 2021, 11:44:25
Bom dia feliz para todos
Abril 04, 2020, 09:57:10
Bom dia para todos!
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.155 segundos com 29 procedimentos.