EscritArtes
Maio 30, 2020, 23:29:57 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: O deserto silente.  (Lida 2038 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Djabal
Membro
***
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 191
Convidados: 0



WWW
« em: Março 24, 2010, 19:35:26 »



                                             
... Não há no orbe uma
Coisa que não seja outra, ou contrária, ou nenhuma.
Jorge Luiz Borges


Sábado com sol. Nesse outono esquecido, convenci meu filho a caminhar pelo parque. Logo na entrada, um ciclista equipado com sua bicicleta nos ultrapassa, lépido. Visitamos o Planetário, assistimos ao documentário sobre as estrelas, Via Láctea, Andrômeda. As galáxias são bilhões de estrelas, nebulosas compostas de pó, girando em torno de um buraco negro. Algumas parecem espirais, em suas órbitas colidem com outras, e se refundam, diferentes da anterior. No espaço sempre acontece algo. Esse movimento é violento, rápido e belo. Demonstra uma harmonia respirando junto conosco, fugazes observadores. Adquirimos a nossa esquecida dimensão. A colisão é um fator fundador da espécie humana. Formador e destruidor. Um asteróide com dez quilômetros de extensão atingiu a Terra, formou o que hoje é o Golfo do México e extinguiu os dinossauros. Sem essa destruição, dizem alguns cientistas, não haveria ambiente para o desenvolvimento dos cordados.
Saímos. A luz nos invade, e esprememos os olhos. (Desde pequeno, gosto de ouvir a Dança Ritual do Fogo. Meu pai era música. Ele a ouvia sem parar, depois de se livrar do trabalho, quando conseguia silêncio. Era proibido mexer na vitrola, estando ele presente ou ausente. A continência era a cláusula pétrea. A agulha, delicadíssima, poderia se quebrar ou arranhar o vinil. Foi o meu primeiro desafio: mexi. Pronto. Repeti, cheio de dedos, todos os movimentos vistos milhares de vezes, e liguei o aparelho. Fiquei observando entre admirado e ansioso a lentidão do movimento do braço: primeiro, ele se deslocava para fora do disco, dava um suave sobressalto e se voltava para dentro, até o ponto exato do início dos sulcos, e então descia suavemente. Cerrei os olhos para ouvir com atenção. Ninguém. Nada. Silêncio. E ouvi, após o acorde inicial, o detonar de algo se quebrando. A cabeça se desintegrou em dezenas de pedaços.)
Meu filho apenas andava e observava. (Ficamos muito tempo separados, depois do falecimento da mãe. Tânia foi um caso de amor doido e doído. Tanto tempo namorando, brigando, voltando, separando, até casarmos. Eu trabalhava como torneiro mecânico e pensava adorar meu trabalho, produzia minhas peças, segundo o projeto, sem surpresas, a fantasia se limitava a dois mícrons de diferença, o limite da tolerância entre a peça útil ou inútil. Quando a encontrei, senti um desarranjo tremendo. Tudo se mexia. Ela, posso dizer, era o oposto. Dava-lhe um trapo, e dali ela engendrava uma jóia. Sonhadora, extrovertida e com muitos amigos. Apaixonava ora um, ora outro, ora vários. Tinha muitos amigos. Nem sei dizer como nos atropelamos. Foi por meio de um amigo, com quem depois ela me traiu. Sim, foi isso. E eu? Me vinguei com a futura cunhada.)
- Como andam suas coisas, pai?
- Bem. Com os problemas de sempre, filho. E contigo?
- Fiquei com uma depê em Microeconomia.
- E a vida? Como o tem tratado?
- Normal.

- Filho, depois que casei com sua mãe, ela se transformou. Deixou tudo de lado, limitou suas opções a mim. Eu era muito ciumento e inseguro, e ela se encabulou. Deixou de representar, de dançar, de criar, e engravidou. E veio você, como ela, criativo e ousado. O mesmo interior, sem tirar nem por. A sua aparência é igual à minha. Mas a agitação é a dela.  A nossa única ligação era  gostar da casca dura, quase queimada, do pão. Fiquei com raiva disso, não tive coragem para compreender a sua pressa, agitação. A desobediência exacerbada de uma criança. Tinha ciúmes de você. A Tânia se tornou monótona, insegura, e o mimava, até que nos separamos. Eu não gostava mais dela. Tinha medo de vocês dois. Procurei outra mulher. Séria, trabalhadeira e metódica. Alguém que percorresse o caminho escolhido, sem desvios. Buscando a peça perfeita, esculpida e encarnada.
- Não esquenta, pai.

- Hoje, estou só. Faz tempo que não nos vemos. Sinto sua falta. Queria conversar mais com você. Eu conversei pouco com o meu pai. Ele também tinha a nossa cara. Esse cabelo fino e grudado, essa cara talhada a machado. Dele eu me lembro da frase: “Se não ganhar dinheiro, você não terá amigos e mulher. Cuide-se”. Será que eu conseguirei ser diferente dele? 
Passamos por um grupo fazendo tai chi chuan. Liderados por um mestre oriental, movimentavam-se ao ritmo do vento balançando as árvores. Todos os galhos, braços, folhas e cabelos em uníssono. Emanava daquela lentidão uma força magnética, parecia impossível fazê-los parar, e nos atraía.
- Pai, eles não lembram aqueles guerreiros de terracota? O chinês nunca é singular, é sempre coletivo.

- Eles começaram o seu império pela força, dominando todos os vizinhos, fazendo o movimento das estrelas, anexando ou aniquilando os adversários. Crônica escrita e violenta da nossa espécie. A violência me fascina. Aquela coorte de guerreiros, um cúmulo, torna a morte coletiva, movimento. Isso anterior à razão. Estou certo de que ela é parte indissociável do homem. Violência e sexo são instintos natos. Todo o pacifismo é inútil, um cosmético, filho. Somos sobreviventes de uma matança de milhões de homens. À medida que aumentamos de número, a violência também aumentará, buscando equilíbrio. Nada pode ser feito.
Andamos contra a corrente humana. Ao lado, sanfoneiros, rapazes fazendo embaixadas com bolinhas de tênis, pintores borrando suas telas, meninas atléticas olhando para os lados. Levo um tranco e fico sem a carteira. O ciclista nos ultrapassa novamente, suando em bicas, o cromado da bicicleta irradiando o sol.
Encontramos uma sósia perfeita de Tânia. Jovem, alegre, com uma cesta de vime, sobre a toalha alva, de onde oferece sonhos, polvilhados de açúcar, para as crianças que passeiam pela beira do lago. Sem perceber nos aproximamos dela. Fascinados pela coincidência, sentamos por ali.

Mostra a capa do seu livro: Stendhal. Logo estabelece uma conversa sobre Fabrizio Del Dongo. Uma história incrível, a da participação em Waterloo, como soldado. Apesar da movimentação das tropas e dos carros de combate, ele não conseguiu imaginar o que estava acontecendo, qual o papel daquela batalha ouvida ao longe. Considerava Napoleão uma estrela de primeira grandeza; alistou-se sem o consentimento do pai, pedindo ajuda à tia influente. O seu maior interesse era encontrar-se com ele. Nunca soube do acaso que determinou a ruína de seu herói. O homem tem tanta ilusão. Logo após esse episódio, conta de uma mulher apaixonada que perde seu marido para a Guerra Franco-Prussiana. Envilecida e humilhada, ainda em boa forma, consegue infectar de sífilis todo o Estado Maior prussiano, às custas de ser rejeitada por todos os concidadãos e pelo próprio marido, que sobreviveu a ela. Ela os atropelou e combateu a seu modo. Quantos pensamentos imperfeitos, não? “Desde o amanhecer haviam combatido pela Inglaterra e por seu dilatado império futuro e não sabiam disso.”
(Fiquei olhando, aterrorizado, as peças sobre o disco de vinil, rodando. Meus dedos grossos não conseguiam manejá-las. Nenhuma ferramenta para me auxiliar. Passei toda a tarde arrumando, ajeitando, encaixando. A minha vitória era fazer com que as peças ficassem juntas, de forma a parecer em ordem. Consegui, um pouco antes dele chegar. Coloquei o braço no repouso. Depois da janta, subi para meu quarto, até ouvir  a praga que ele soltou.)
Visitamos a exposição vinda de um país do norte da África: “O deserto não é silente.”
- Esqueci de contar, pai, vou ser guia no deserto.

Ao final do dia, observo que ele está me olhando. Procurando Macário Smerdiakov, seu pai? Estamos sentados à beira do lago, o perfil negro de um pato se forma ao atravessar o sol poente. Sobre nós, um galho seco com apenas uma pétala branca.
Ao sairmos, encontramos o ciclista. Coberto por uma capa de papel laminado, a bicicleta partida em dois pedaços. Foi atropelado. Nenhuma vela acesa. Apenas um guarda-sol aberto protegia o corpo, talvez simulando um beijo.

Registado
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18442
Convidados: 994



WWW
« Responder #1 em: Março 25, 2010, 19:46:41 »

Um belo texto para saborear como um passeio... a pé. Que de bicicleta parece que não dá certo.
Abraço
Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o número: 358/2009 e 4659/2010
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Maio 29, 2020, 21:51:45 ]

[Maio 29, 2020, 14:42:17 ]

[Maio 27, 2020, 10:50:29 ]

[Maio 27, 2020, 10:43:25 ]

[Maio 25, 2020, 18:13:36 ]

[Maio 25, 2020, 11:59:51 ]

[Maio 24, 2020, 19:46:24 ]

[Maio 19, 2020, 09:38:56 ]

[Maio 17, 2020, 20:39:43 ]

[Maio 17, 2020, 19:02:52 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 128417
Total de Tópicos: 26369
Online hoje: 226
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 248
Total: 248
Últimas 30 mensagens:
Abril 04, 2020, 09:57:10
Bom dia para todos!
Março 20, 2020, 15:06:31
Olá para todos!
Março 19, 2020, 22:59:05
Olá para todos! Espero que estejam bem, na medida do possível!
Fevereiro 18, 2020, 18:50:53
Olá Margarida. Seja bem aparecida.
Fevereiro 18, 2020, 18:41:32
Boas!
Fevereiro 10, 2020, 19:37:51
Boa noite!
Janeiro 29, 2020, 20:06:36
Oi pessoal. FigasAbraço
Janeiro 27, 2020, 20:16:38
Boa noite a todos
Janeiro 15, 2020, 17:52:14
Boa tarde a todos
Janeiro 10, 2020, 14:03:15
Boa tarde a todos
Janeiro 06, 2020, 14:46:26
Boa tarde a todos
Janeiro 01, 2020, 20:02:37
Bom ano feliz para todos.
Janeiro 01, 2020, 10:32:02
Bom Ano!
Dezembro 18, 2019, 16:48:08
Boa tarde!
Dezembro 06, 2019, 20:13:01
Boa noite feliz para todos
Dezembro 02, 2019, 21:57:04
Boa noite feliz para todos.
Dezembro 01, 2019, 19:51:29
Boa noite feliz para todos
Dezembro 01, 2019, 18:52:15
Boa noite!
Novembro 29, 2019, 20:32:37
Boa noite feliz para todos.
Novembro 29, 2019, 17:37:17
Boa tarde!
Novembro 29, 2019, 17:35:53
Boa tarde a todos!
Novembro 12, 2019, 18:18:18
um abraço para a administração, para quem dinamiza este espaço, seja como escritor, como leitor, como comentador.
Novembro 12, 2019, 18:15:54
margarida, plenamente de acordo.
Novembro 11, 2019, 11:31:31
Bom dia. Se todos fizerem igual, não há comentários.
Novembro 09, 2019, 14:53:10
Oi Dionísio. Obrigado pelo teu comentário. Desculpa eu ser relapso a fazer muitos comentários. Evito-os, para não  louvar uns ou criticar outros. Prefiro ficar na minha, ficar no que me parece. O meu principio geral: escrever, quem lê lê, quem não lê não lê. Ponto. Leio poesia d'outros, m
Novembro 01, 2019, 14:41:40
Boa tarde  todos. Os que estão e os que virão.
Outubro 31, 2019, 14:58:38
Parabéns, Figas. Parabéns a todos os que lêem e que escrevem, parabéns a todos os que partilham escritas e comentários.
 
Outubro 10, 2019, 12:24:06
Bom dia. Hoje, andaei a pastar pelas 351 páginas da poesia e encontrei 32 poemas meus, milionários de leituras. com média de 1209 leituras cada. Obrigado a todos os meus contribuintes de lucros poéticos. FigasAbração, a todos. Nota: O Campeão é o Linguagem Decente, com 3692 leituras.Viva a D
Julho 29, 2019, 22:55:56
Olá para todos! Boas histórias e boas escritas!
Julho 02, 2019, 07:05:22
Bom dia!
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.141 segundos com 29 procedimentos.