EscritArtes
Julho 13, 2020, 13:24:56 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Diplomacia no Rivungo (parte I)  (Lida 1387 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Antonio
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 723
Convidados: 0



WWW
« em: Março 03, 2008, 13:17:24 »

Este é o quinto artigo de uma série em que escrevi sobre as minhas experiências em África

Nota prévia:
Este texto baseou-se em mais um episódio ocorrido durante a minha permanência de dois meses (Outubro e Novembro de 1974) como comandante interino do Destacamento de Marinha do Cuando, localizado no Rivungo, Cuando-Cubango, Angola. É o quarto desta série. Antes, coloquei em exibição:
“Sobrevoando a savana"
“O cortador de carnes verdes”
“Cena de caça no Bambangando”


Estava uma manhã esplendorosa, com um sol quente e brilhante quando, por volta das dez horas, um dos meus homens me veio chamar ao pequeno aquartelamento:
- Sr. Tenente! Sr. Tenente! A Rosa vai ter um filho. Já lá está a Maria Cangonga e outras mulheres.
- Sim? – interroguei-o, num tom preguiçoso.
- Então vou lá! Diz ao sargento Gomes que, se for precisa alguma coisa, estou na cabana da Rosa – concluí.
Levantei-me da cadeira onde saboreava aqueles apetitosos raios solares e dirigi-me para uma das cubatas do quimbo mais próximas de nós. Era onde vivia a Rosa.

Mas quem era a Rosa?
Como já disse em textos anteriores, eu tinha ido para o Rivungo para lá ficar somente durante um mês, período de férias do comandante efectivo, tenente Taborda. Mais tarde, recebi a ordem para proceder ao desmantelamento da unidade e regressar a Luanda, pelo que acabei por ficar mais quatro semanas.
O Taborda estivera lá cerca de quatro meses.
Antes dele, o comandante durante dois anos fora o tenente Vieira.
Quando, ainda antes de encetar a viagem para aquelas terras esquecidas o Vieira soube que eu iria para lá veio falar comigo e disse-me:
- Ó Castilho! Eu, no Rivungo, vivia com uma rapariga chamada Rosa numa cabana que mandei construir. Quando me vim embora ela estava grávida. O que eu te peço, como já fiz ao Taborda, é que quando nascer o meu filho ou filha o registes como meu e com o apelido Vieira.
- E a Rosa é negra, calculo! – perguntei desnecessariamente.
- É, mas é uma rapariga porreira, muito meiga, a quem eu também andava a ensinar a ler.
- Certo, Vieira! Não me esqueço. – prometi - Ah…e que nome queres para eles? – interroguei-o.
- O dos pais. Luís se for rapaz, Rosa se for rapariga – disse o meu camarada após pensar uns momentos.
A Rosa devia ter mel, pois o Taborda também foi viver com ela quando para lá foi, como pude verificar quando cheguei ao local.
Era uma negra de tom claro, bonita, mas um pouco estragada devido ao avançado estado de gravidez.

Voltemos àquele dia de princípio de Novembro.
Cheguei junto da cubata e perguntei se tudo corria bem. Disseram-me que sim.
Uma curiosidade que gostaria de satisfazer era se, como me tinham dito, os negros recém-nascidos ainda não tinham essa cor de pele. Teriam uma tez branca mas bastante mais avermelhada que os brancos.
Esperei cá fora, sentado no chão, quando apareceu de novo o grumete:
- Sr. Tenente! Estão ali dois tipos pretos, com uma farda e com pistola, que pretendem entregar uma carta ao comandante do barco.
Fui ver os homens, intrigado.
Apresentei-me, e um deles, num português com sotaque africano, pediu-me para ler a missiva que ao mesmo tempo me entregou.
O envelope tinha um carimbo circular que dizia:
MPLA – A vitória é certa.
- Vocês são do MPLA? – indaguei.
- Somos. Mas do grupo da Revolta do Leste. O nosso chefe é o Daniel Chipenda. O Agostinho Neto tem tomado muitas posições de ditador e nós queremos democracia.
Já tinha ouvido falar dessa cisão no MPLA – Movimento Popular para a Libertação de Angola.
Daniel Chipenda fora um dos homens mais influentes do movimento libertador mas tinha fomentado uma separação relativamente ao grupo original e principal liderado, desde a fundação, pelo Dr. Agostinho Neto.
Lembro-me dele sobretudo como jogador de futebol da Associação Académica de Coimbra. Nessa cidade estudara, mas interrompera o curso para ir combater com a guerrilha angolana.
Abri então o envelope e li o papel manuscrito que estava dentro dele.
Era um convite para irmos, no dia seguinte, com o navio (a Lancha de Desembarque Pequena de que já falei noutros textos) buscar um conjunto de guerrilheiros para os trazer para o Rivungo onde pretendiam fazer trabalhos de politização das massas.
Pedi um ou outro esclarecimento e resolvi chamar o telegrafista Neto para mandar uma mensagem ao Comando Militar do Luso (agora Luena) do qual dependíamos operacionalmente e outra ao Comando Naval de Angola a quem estávamos ligados logisticamente.
Assim foi feito. Nelas pedia que me dissessem qual a decisão: ir ou não ir!
Enquanto aguardava resposta, pensei que talvez ela não viesse em tempo oportuno e resolvi marcar uma reunião para depois de almoço com as forças vivas da terra. Estariam presentes, além de mim, o alferes Monteiro, comandante do destacamento do Exército, o chefe da PSP, o chefe da PIDE e também deveria estar o administrador de posto, Sr. Lebre, mas tinha voado para Serpa Pinto (agora Menongue) na semana anterior e voltaria nesse dia, mas mais ao fim da tarde.
O objectivo era preparar uma decisão para o caso de não termos retorno do pedido feito às hierarquias.
Fui pessoalmente falar com cada um e expliquei-lhes a situação.
Também achei por bem dar conta das minhas actividades aos “terroristas” para lhes incutir confiança.
Inicialmente pareciam-me um pouco receosos. Mas depois de falar com eles fizeram um daqueles sorrisos muito brancos como quem diz:
- Está a correr bem! Não vamos ter problemas.
De repente lembrei-me:
- A Rosa!
Corri para a cubata e lá estava a moça com uma menina nos braços. Tinha corrido tudo bem.
De facto não era negra, tinha uma coloração avermelhada.
Fui falar novamente com o Neto:
- Há resposta?
- Nenhuma, Sr. Tenente! – retorquiu o marinheiro.
- Então repete as mensagens. E enquanto não vier nada, manda duas de hora em hora: uma para cada lado – ordenei.
Eram duas e meia da tarde quando começou a reunião.
Fui o primeiro a falar.
Rememorei o que se tinha passado até aí. Sugeri que, se não houvesse ordens específicas das hierarquias até às seis da tarde, tomássemos nós a decisão. E avancei com a minha proposta:
Atendendo ao que se estava a passar em todo o território angolano (e convém recordar que recebíamos o Expresso todas as semanas) uma recusa seria considerada uma atitude hostil pelos outros. Pelo contrário, e como a tendência era a de deixar as colónias com brevidade, parecia-me correcto que os homens viessem fazer os seus contactos com a população.
Os outros concordaram, excepto o tipo da PIDE, o Roque, que parecia ainda não ter percebido que as coisas estavam a mudar rapidamente e apresentou os mesmos argumentos salazaristas de “Angola é nossa” e outros que tais.
Curiosamente, fui sentindo ao longo da reunião aquilo que já tinha lido e estudado numa cadeira de Sociologia: que “a multidão segrega o líder” e, ali, era eu que emergia como o líder. Todos concordavam com praticamente tudo o que eu dizia (excepto o Roque, claro).
A certa altura chamamos os dois homens do Chipenda para combinar os detalhes para o dia seguinte. Tudo ainda pendente da resposta do Luso ou de Luanda.
Por volta das cinco chegou o Lebre. Alinhou também com as minhas posições.
Mandei chamar três dos meus subordinados: o sargento Gomes, o cabo Zé Castro e o João Correia para os pôr ao corrente da situação, pois era o destacamento da Marinha quem teria a parte mais importante na acção.
No entanto, o alferes Monteiro fez questão de também seguir a bordo no dia seguinte. Não me opus.
Eram seis da tarde.
- Ó Correia! Fazes-me o favor de ir perguntar ao Neto se veio alguma resposta? – pedi ao artilheiro.
Passados poucos minutos regressou o João:
- Não disseram nada, Sr. Tenente! Não nos ligam nada! Eles nem sabem que este buraco existe – resmungou o marinheiro.
- Pronto, meus senhores! Avançamos com a nossa decisão. Concordam? – perguntei em tom de fim de conversa.
Todos responderam afirmativamente excepto o “pide”. Disse que estávamos a cometer um grande erro e retirou-se.
Avisamos os da guerrilha que, depois, se foram embora.
Na manhã seguinte iríamos na nossa LDP pelo Cuando até um determinado ponto onde os antigos inimigos estariam à nossa espera.

(escrito em 3 de Setembro de 2005)
« Última modificação: Março 04, 2008, 14:37:57 por Antonio » Registado
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18461
Convidados: 994



WWW
« Responder #1 em: Março 03, 2008, 20:24:22 »

E o filho da Rosa afinal de que cor era?!
Fico à espera!
Um abraço
Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o número: 358/2009 e 4659/2010
britoribeiro
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 659
Convidados: 0



WWW
« Responder #2 em: Março 04, 2008, 12:35:35 »

Era rapaz ou rapariga? Boa crónica.

Abraço

Registado

Antonio
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 723
Convidados: 0



WWW
« Responder #3 em: Março 04, 2008, 12:42:54 »

ai ai ai...
Não leram com atenção!
Está escrito no texto:
"Corri para a cubata e lá estava a moça com uma menina nos braços. Tinha corrido tudo bem.
De facto não era negra, tinha uma coloração avermelhada."

Beijos para a Goreti
Abraços para o Tó-Zé
(não troquem, por favor...eh eh)
Registado
britoribeiro
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 659
Convidados: 0



WWW
« Responder #4 em: Março 04, 2008, 16:45:42 »

Desculpa, não li nada bem.

Abraço
Registado
Antonio
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 723
Convidados: 0



WWW
« Responder #5 em: Março 07, 2008, 14:48:50 »

Estás desculpado!
ah ah ah
Registado
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Julho 12, 2020, 22:15:26 ]

[Julho 12, 2020, 22:09:06 ]

[Julho 11, 2020, 21:37:07 ]

[Julho 11, 2020, 21:34:55 ]

[Julho 11, 2020, 12:51:18 ]

[Julho 11, 2020, 12:45:33 ]

[Julho 11, 2020, 12:42:42 ]

[Julho 11, 2020, 12:40:16 ]

[Julho 11, 2020, 12:38:01 ]

[Julho 05, 2020, 22:27:17 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 128490
Total de Tópicos: 26383
Online hoje: 289
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 291
Total: 291
Últimas 30 mensagens:
Abril 04, 2020, 09:57:10
Bom dia para todos!
Março 20, 2020, 15:06:31
Olá para todos!
Março 19, 2020, 22:59:05
Olá para todos! Espero que estejam bem, na medida do possível!
Fevereiro 18, 2020, 18:50:53
Olá Margarida. Seja bem aparecida.
Fevereiro 18, 2020, 18:41:32
Boas!
Fevereiro 10, 2020, 19:37:51
Boa noite!
Janeiro 29, 2020, 20:06:36
Oi pessoal. FigasAbraço
Janeiro 27, 2020, 20:16:38
Boa noite a todos
Janeiro 15, 2020, 17:52:14
Boa tarde a todos
Janeiro 10, 2020, 14:03:15
Boa tarde a todos
Janeiro 06, 2020, 14:46:26
Boa tarde a todos
Janeiro 01, 2020, 20:02:37
Bom ano feliz para todos.
Janeiro 01, 2020, 10:32:02
Bom Ano!
Dezembro 18, 2019, 16:48:08
Boa tarde!
Dezembro 06, 2019, 20:13:01
Boa noite feliz para todos
Dezembro 02, 2019, 21:57:04
Boa noite feliz para todos.
Dezembro 01, 2019, 19:51:29
Boa noite feliz para todos
Dezembro 01, 2019, 18:52:15
Boa noite!
Novembro 29, 2019, 20:32:37
Boa noite feliz para todos.
Novembro 29, 2019, 17:37:17
Boa tarde!
Novembro 29, 2019, 17:35:53
Boa tarde a todos!
Novembro 12, 2019, 18:18:18
um abraço para a administração, para quem dinamiza este espaço, seja como escritor, como leitor, como comentador.
Novembro 12, 2019, 18:15:54
margarida, plenamente de acordo.
Novembro 11, 2019, 11:31:31
Bom dia. Se todos fizerem igual, não há comentários.
Novembro 09, 2019, 14:53:10
Oi Dionísio. Obrigado pelo teu comentário. Desculpa eu ser relapso a fazer muitos comentários. Evito-os, para não  louvar uns ou criticar outros. Prefiro ficar na minha, ficar no que me parece. O meu principio geral: escrever, quem lê lê, quem não lê não lê. Ponto. Leio poesia d'outros, m
Novembro 01, 2019, 14:41:40
Boa tarde  todos. Os que estão e os que virão.
Outubro 31, 2019, 14:58:38
Parabéns, Figas. Parabéns a todos os que lêem e que escrevem, parabéns a todos os que partilham escritas e comentários.
 
Outubro 10, 2019, 12:24:06
Bom dia. Hoje, andaei a pastar pelas 351 páginas da poesia e encontrei 32 poemas meus, milionários de leituras. com média de 1209 leituras cada. Obrigado a todos os meus contribuintes de lucros poéticos. FigasAbração, a todos. Nota: O Campeão é o Linguagem Decente, com 3692 leituras.Viva a D
Julho 29, 2019, 22:55:56
Olá para todos! Boas histórias e boas escritas!
Julho 02, 2019, 07:05:22
Bom dia!
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.314 segundos com 30 procedimentos.