EscritArtes
Fevereiro 26, 2020, 11:21:10 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: 1 2 [3] 4 5 ... 33   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Concurso “IMAGENS DA NOSSA MEMÓRIA”  (Lida 90997 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Alfredo D
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 584
Convidados: 0



« Responder #30 em: Junho 15, 2010, 19:30:10 »

Eu vou participar.
Registado
Administração
Administrador
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 807
Convidados: 4

administracaoescritartes@gmail.com


« Responder #31 em: Junho 15, 2010, 19:40:36 »

Texto n.º 7

Perturbatio
 
Bradam os ventos de encontro às rochas
Revolvem-se as ondas em chicotes esvoaçantes
Vergam-se as nuvens em castelos no horizonte
e o meu olhar afunda-se para além dos vidros
(arrastando todos os suspiros contidos)
Querer espartilhado que se revolve com as ondas
brada com o vento
e se estilhaça em partículas de sonhos
 
[E tu continuas a falar comigo sobre regionalização]
 
Registado
Dionísio Dinis
Moderador Global
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 9517
Convidados: 0



WWW
« Responder #32 em: Junho 15, 2010, 20:51:11 »

Faça o obséquio senhor Alfredo.
Mas não poste directamente o seu texto neste tópico.
Envie a sua participação para:
administracaoescritartes@gmail.com
(Assunto: “IMAGENS DA NOSSA MEMÓRIA”)
« Última modificação: Junho 17, 2010, 22:08:50 por Dionísio Dinis » Registado

Pensar amar-te, é ter o acto na palavra e o coração no corpo inteiro.
http://www.escritartes.com/forum/index.php
Administração
Administrador
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 807
Convidados: 4

administracaoescritartes@gmail.com


« Responder #33 em: Junho 15, 2010, 21:16:25 »

Texto n. 8

A menina esbugalhava os olhos a cada nova passagem.
Em fila indiana, pela estrada nacional fronteiriça ao monte, caminhavam cavalos da GNR, espaçados entre si por uma grossa corda, onde pendia a debilidade humana. Homens de olhar e rosto cansado, marcas profundas num país ferido. Para aquela menina eram homens maus e cruéis, essa a razão porque os guardas os levavam presos.
Ela era a única espectadora daquela cena, os adultos haviam-se recolhido dentro de casa. Na sua inocência infantil, pergunta a quem correra à rua para a ir buscar.
-São ladrões não são?
Uma voz soluçante responde.
- São sim minha filha, são ladrões de ditaduras.
Registado
Dionísio Dinis
Moderador Global
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 9517
Convidados: 0



WWW
« Responder #34 em: Junho 15, 2010, 22:04:58 »

E já são 8 as participações.
Registado
Administração
Administrador
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 807
Convidados: 4

administracaoescritartes@gmail.com


« Responder #35 em: Junho 16, 2010, 06:34:22 »

Texto n.º 9

O palco era composto de quase nada. Dois bumbos, um violão, um órgão eletrônico e um cantor. Nunca se soube a cor da face ou o contorno dos olhos da companheira que não o acompanhava – uma dócil utilidade afeita a jamais passar das frestas. Obra do cantor ou do conformismo de um destino, de cuja voz e sorriso pendiam seus cabelos desprotegidos, a sua boca delineada pelos murros da percussão. Enquanto a platéia, dividida e surda, aplaudia num quase silêncio a expressão mezzo-soprano, nascia mais uma heroína morta.

 
Registado
Dionísio Dinis
Moderador Global
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 9517
Convidados: 0



WWW
« Responder #36 em: Junho 16, 2010, 17:44:57 »

E já cá moram 9 participações!
Registado
Oswaldo Eurico Rodrigues
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 6041
Convidados: 0


Amo a Literatura e as artes.


« Responder #37 em: Junho 16, 2010, 18:41:49 »

Beleza!
Registado

Oswaldo Eurico Rodrigues


Escrevo também nos sites Recanto das Letras (www.recantodasletras.com.br)
Dionísio Dinis
Moderador Global
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 9517
Convidados: 0



WWW
« Responder #38 em: Junho 16, 2010, 19:25:39 »

E se isto pudesse ser mais que um concurso.....
Registado
Administração
Administrador
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 807
Convidados: 4

administracaoescritartes@gmail.com


« Responder #39 em: Junho 16, 2010, 20:50:06 »

Participem.

Enviem as vossas participações para:
administracaoescritartes@gmail.com
(Assunto: “IMAGENS DA NOSSA MEMÓRIA”)
Registado
Administração
Administrador
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 807
Convidados: 4

administracaoescritartes@gmail.com


« Responder #40 em: Junho 16, 2010, 21:33:15 »

Texto n.º 1



DEZASSETE TOSTÕES
 

Apenas dezassete tostões satisfariam o prazer de uns tantos cigarros no consolo dum vício de décadas. Um maço de cigarros “ Definitivos”. Mas do sustento da casa e dos filhos os dezassete tostões não sobravam e a satisfação do vício teria de aguardar por melhores dias. Pelo dia em que depois de todas as despesas pagas, eles sobrassem, sem causar mossa no orçamento sempre batido no zero absoluto, do nada igual a nada. Para além do leite, do pão e da mercearia eles teriam de sobrar um dia. Dia que nem ele, sofredor angustiado nem a mulher adivinhavam quando poderia acontecer.

Texto n.º 2

Enquanto a noite se fazia rogada, o homem trôpego de álcool e a mulher perdida de vida trocavam mágoas a muitos milhões de lamentos por segundo.
O bar vazio com o empregado bufando sono e cansaço cantavam um requiem em louvor daquelas almas penadas.
Por quanto tempo se suporta a dor própria sob a dor da mais desafortunada companhia?
Também, qualquer que fosse a resposta dada a uma equação etílica, nenhuma luz se faria sobre a inquietude dos perguntadores. A verdade da noite, ia mais uma vez ser mascarada por dia vestido de óculos escuros.
Noites e dias repetidos até à exaustão…

Texto n.º 3
O Jeremias depois de uma noite de pândega e asneirada, deu-se ares de deus louco e de pensador eminente.
A coisa ia dando para o torto, não fora a dona Efigénia ter filado o desmiolado do Jeremias no preciso momento em que ele se fazia de Ícaro e se preparava para voar da janela da Carminha cabeleireira, que minutos antes trepara para se aventurar numa alcoólica serenata matutina.
Com calma e experiência de anos de maritais bebedeiras, dona Efigénia lá convenceu o Jeremias a descer de modo mais ortodoxo da varanda e mergulhou a estouvada cabeça do tratante no lago dos peixinhos vermelhos.   

Texto n.º 4

Recolhe o tempo no tempo maior, descem as sombras no descampado da luz e sonha-se a Lua perdendo-se na planície.
O tempo calcorreia a vida do pobre pedinte desassombrado que, sem mossa maior, espera a sopa à porta do albergue. Foge-lhe o tempo na tigela sem colher, água verde ausente de cores outras. Foge-lhe o tempo nos olhos baços. Folhe-lhe o tempo nas pernas bambas, acidente vascular cerebral de outras eras. Apenas o chão espera o próprio tempo. Para matar o resto do tempo. Assim, sem regras nem demoras, como se o Universo não tivesse cancelas.

Texto n.º 5

Seu lábio tocou o meu. Na escola na sala cinza no recreio. Sua boca de boneca sapeca sapecou-me um beijo. Ela não sabe, mas foi meu primeiro beijo na boca. Lembro-me do sabor de novidade que aquele contato intumescido proporcionou. Fiquei atônito e perplexo. Os olhos ainda maiores brilhavam como fogo. Senti as faces queimarem e todo o meu corpo junto. Mal sabia eu o que me esperava. Havia pimenta guardada. O gosto leve e cheiro suave de fim de infância eram apenas a entrada de um grande banquete anunciado para durar uma vida. Há muito com dança e expressões de delicadeza e força intensas revivo esse primeiro momento eterno em mim.

Texto n.º 6

Esquecera há quanto ocultara na falta de tempo as leveduras do pó e seus milhões de ouvidos. Abriu o compartimento de onde viriam as notas. Um clique. Debussy. Massenet. Guardava o som na memória que esquecia títulos, composições. Só a melodia a vagar o sentido que não oblitera. A leitura disforme e veloz como as mudanças tecnológicas. A fome por som continuaria somente até a segunda idéia navegar a distância da aproximação, portas presentes. Meditação para Clair de Lune e Thais. Viu partituras. Ouviu piano, violino. E segregou-se no retrato de um homem que possivelmente teria amado.

Texto n.º 7

Perturbatio
 
Bradam os ventos de encontro às rochas
Revolvem-se as ondas em chicotes esvoaçantes
Vergam-se as nuvens em castelos no horizonte
e o meu olhar afunda-se para além dos vidros
(arrastando todos os suspiros contidos)
Querer espartilhado que se revolve com as ondas
brada com o vento
e se estilhaça em partículas de sonhos
 
[E tu continuas a falar comigo sobre regionalização]
 
Texto n. 8

A menina esbugalhava os olhos a cada nova passagem.
Em fila indiana, pela estrada nacional fronteiriça ao monte, caminhavam cavalos da GNR, espaçados entre si por uma grossa corda, onde pendia a debilidade humana. Homens de olhar e rosto cansado, marcas profundas num país ferido. Para aquela menina eram homens maus e cruéis, essa a razão porque os guardas os levavam presos.
Ela era a única espectadora daquela cena, os adultos haviam-se recolhido dentro de casa. Na sua inocência infantil, pergunta a quem correra à rua para a ir buscar.
-São ladrões não são?
Uma voz soluçante responde.
- São sim minha filha, são ladrões de ditaduras.

Texto n.º 9

O palco era composto de quase nada. Dois bumbos, um violão, um órgão eletrônico e um cantor. Nunca se soube a cor da face ou o contorno dos olhos da companheira que não o acompanhava – uma dócil utilidade afeita a jamais passar das frestas. Obra do cantor ou do conformismo de um destino, de cuja voz e sorriso pendiam seus cabelos desprotegidos, a sua boca delineada pelos murros da percussão. Enquanto a platéia, dividida e surda, aplaudia num quase silêncio a expressão mezzo-soprano, nascia mais uma heroína morta.

 
Registado
Dionísio Dinis
Moderador Global
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 9517
Convidados: 0



WWW
« Responder #41 em: Junho 17, 2010, 05:23:56 »

Pela qualidade dos textos expostos, pode-se dizer com propriedades, que o sucesso está à vista.
Registado
josé antonio
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 5837
Convidados: 0


escrever é um acto de partilha


« Responder #42 em: Junho 17, 2010, 13:15:55 »

Dionísio

Mais um plágio seu daquilo que eu ia agora mesmo postar...  :yup:
Assim não existem condições! :sleep3:
JA
Registado
Dionísio Dinis
Moderador Global
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 9517
Convidados: 0



WWW
« Responder #43 em: Junho 17, 2010, 17:19:50 »

Mãos à obra.Mais prosa e menos prosápia.
Participem!
Registado
Administração
Administrador
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 807
Convidados: 4

administracaoescritartes@gmail.com


« Responder #44 em: Junho 17, 2010, 18:56:16 »

Texto n.º 10

 O tempo é a marca do homem. O tempo marca o homem. O tempo é um nome. Dias, meses, anos... O tempo a tudo consome. Vidas, amores, encantos... O tempo é a sombra do homem. Perseguidor e perseguido. O tempo é o vento e a rua vazia. O tempo é o furacão e a louca magia.

      De repente, o poeta abre as páginas do seu livro. Um livro que ainda há de existir. E escreve poemas passados e futuros. Escreve memórias e histórias. Os versos? Os versos são fios de um tempo. E muitos fios se embaralham, se confundem, se atraem. O poeta? É um ser sem tempo porque busca a si mesmo através das lembranças.

      Ao fechar o livro que virá, o poeta sorri e vê o tempo passar e não passar...
Registado
Páginas: 1 2 [3] 4 5 ... 33   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Fevereiro 24, 2020, 18:22:42 ]

[Fevereiro 19, 2020, 07:26:46 ]

[Fevereiro 18, 2020, 18:49:53 ]

[Fevereiro 18, 2020, 18:48:07 ]

[Fevereiro 18, 2020, 18:46:21 ]

[Fevereiro 18, 2020, 18:41:18 ]

[Fevereiro 18, 2020, 18:40:26 ]

[Fevereiro 18, 2020, 18:39:51 ]

[Fevereiro 18, 2020, 18:39:16 ]

[Fevereiro 18, 2020, 18:38:43 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 128217
Total de Tópicos: 26322
Online hoje: 53
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 168
Total: 168
Últimas 30 mensagens:
Fevereiro 18, 2020, 18:50:53
Olá Margarida. Seja bem aparecida.
Fevereiro 18, 2020, 18:41:32
Boas!
Fevereiro 10, 2020, 19:37:51
Boa noite!
Janeiro 29, 2020, 20:06:36
Oi pessoal. FigasAbraço
Janeiro 27, 2020, 20:16:38
Boa noite a todos
Janeiro 15, 2020, 17:52:14
Boa tarde a todos
Janeiro 10, 2020, 14:03:15
Boa tarde a todos
Janeiro 06, 2020, 14:46:26
Boa tarde a todos
Janeiro 01, 2020, 20:02:37
Bom ano feliz para todos.
Janeiro 01, 2020, 10:32:02
Bom Ano!
Dezembro 18, 2019, 16:48:08
Boa tarde!
Dezembro 06, 2019, 20:13:01
Boa noite feliz para todos
Dezembro 02, 2019, 21:57:04
Boa noite feliz para todos.
Dezembro 01, 2019, 19:51:29
Boa noite feliz para todos
Dezembro 01, 2019, 18:52:15
Boa noite!
Novembro 29, 2019, 20:32:37
Boa noite feliz para todos.
Novembro 29, 2019, 17:37:17
Boa tarde!
Novembro 29, 2019, 17:35:53
Boa tarde a todos!
Novembro 12, 2019, 18:18:18
um abraço para a administração, para quem dinamiza este espaço, seja como escritor, como leitor, como comentador.
Novembro 12, 2019, 18:15:54
margarida, plenamente de acordo.
Novembro 11, 2019, 11:31:31
Bom dia. Se todos fizerem igual, não há comentários.
Novembro 09, 2019, 14:53:10
Oi Dionísio. Obrigado pelo teu comentário. Desculpa eu ser relapso a fazer muitos comentários. Evito-os, para não  louvar uns ou criticar outros. Prefiro ficar na minha, ficar no que me parece. O meu principio geral: escrever, quem lê lê, quem não lê não lê. Ponto. Leio poesia d'outros, m
Novembro 01, 2019, 14:41:40
Boa tarde  todos. Os que estão e os que virão.
Outubro 31, 2019, 14:58:38
Parabéns, Figas. Parabéns a todos os que lêem e que escrevem, parabéns a todos os que partilham escritas e comentários.
 
Outubro 10, 2019, 12:24:06
Bom dia. Hoje, andaei a pastar pelas 351 páginas da poesia e encontrei 32 poemas meus, milionários de leituras. com média de 1209 leituras cada. Obrigado a todos os meus contribuintes de lucros poéticos. FigasAbração, a todos. Nota: O Campeão é o Linguagem Decente, com 3692 leituras.Viva a D
Julho 29, 2019, 22:55:56
Olá para todos! Boas histórias e boas escritas!
Julho 02, 2019, 07:05:22
Bom dia!
Junho 28, 2019, 14:37:28
Boa tarde. Hoje, apeteceu-me saudar todos os que aqui tentam pôr arte na pena. Figasabraço
Maio 18, 2019, 19:22:13
Olá! Boa leitura e boa escrita para todos!
Maio 01, 2019, 17:26:47
Boa escrita e boa leitura para todos!
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.508 segundos com 28 procedimentos.