EscritArtes
Julho 06, 2020, 23:56:57 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Em memória de um senhor  (Lida 831 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
pedrojorge
Membro
***
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 149
Convidados: 0


http://pedromrj.blogspot.com/


WWW
« em: Março 21, 2008, 12:22:59 »

A minha mãe situava-se a dez metros. Eu projectado na sua frente. Outro senhor a um raio de cinco metros, isto a recorrer às minhas capacidades actuais de avaliar o local conhecendo-o hoje como o conheço, embora naquela idade me estivesse borrifando com odor marinho para esses detalhes. E na minha memória vã, guardo a sensação de que me arremetia a um cliente no qual o meu pai estaria a atender, adversamente ao embaraço pregado pelo choque de me alisar na frente de um Africano a espernear às portas da morte, levara uma martelada por algum furto cometido ou desacato ou dívida por soldar, outro género de furto, ou cotas da droga, a verdade era que ninguém se importava e eu analisava os espirros de sangue, os jactos que abatiam na parede e deslizavam verticalmente até serem absorvidos pela roupa. E ali, em pleno negrume diurno, na banalidade de um Domingo, disso tenho a certeza, escorria o sangue de um senhor não identificado por mim, tal e qual como escorria a minha mãe o sangue às galinhas, só que pelo pescoço que cortara e não por uma frincha da nuca. Não era ali que eu confirmava que o sangue não era azul como aparentavam as veias que me diziam lá circular o tal líquido tão precioso, já tinha visto muitas vezes antes. Até de mim.
O senhor não era a simples morte que representava, mas uma dor similar que bem me recordava dos tempos em que o meu padrinho não era casado e de tomar conta de mim, anos antes. Esse senhor ajudava-me na escola. Tinha a ideia de ser instruído. E numa insólita tarde de brincadeira no pátio do meu avô, abraçado de galinhas e galos, boi num curral, chão de esterco no qual as ervas não nascem pelas picadas imediatas das galinhas à medida da sua nascença. Eu a brincar em cima de uma tábua de sapatilhas que o meu avô me costumava ir comprar às quintas, nos dias em que os meus pais não estavam, lá ia com ele de scooter até à Carreira, uma terra com uma sapataria e eu pedia as que davam luz se pisasse o chão com força. A tábua parecia segura, contudo espetei-me com um prego bem fundo no pé e ainda hoje guardo essa marca. O meu padrinho abriu a porta da casa do meu avô e eu a gritar, pela dor, a dizer que ia morrer, de seguida levou-me ao lavatório e ao hospital, tive o meu primeiro contacto com o Betadine, algo que não se usava na minha casa. E ressequido da dor não ia morrer, não, ao contrário daquele senhor com o qual me sentia solidário. O seu nome era meu desconhecido. As razões da morte também. Fosse pelo que achavam que devia pagar, um martelo na cabeça, especado em plena rua a uma parede, jorrando sangue como se chovesse, não era por azar. Havia até quem defendesse a justiça da sua condição. Mas eu conhecera uma parte da dor e não consegui imaginar aquela. Nem sei se queria. Era uma criança, espantada, a ver, era um observador inato. Não me lembro hoje da face do senhor. A história ficou. O local era longe da minha morada. Graças a Deus. Só desesperei a morte ser tão vazia de conteúdo. Desacompanhada de cartas a explicarem. O desfiguramento de uma abertura no crânio era um desfasamento crucial da vida para a morte.
E a situação não se igualava a ver uma galinha a remexer pela pena que sentimos dela, dizia a minha mãe – não se tem pena dos animais, mais demoram a morrer – e era o que parecia, as galinhas ou patos ou galos a atordoarem de dor, a sacudirem as asas como se a morte pusesse galinhas a voar, ou galos, ou patos com as asas cortadas. Os coelhos eram mais suaves a morrer. Duas pancadas bem dadas e já nada, pensam muitos. Pior eram as histórias de já esfolados, na bacia para abrir e tirar as tripas, e lembrarem-se de saltar fora e correr uns metros. Conheço pessoas que se afirmam traumatizadas por isso. Será que o senhor da martelada na ambulância tentou escapar? Será que o desforraram e lhe deram uma morte como as galinhas e os galos? Será que ganhou asas e voou até já não poder? Questões das quais nunca me lembrei.
Nunca me tentei perguntar de como seria o seu funeral. Se seria igual ao de muitos que não lhe podem abrir o caixão por razões de trituração ou apodrecimento rápido. Se alguém lhe rezaria uma Avé-Maria e o acharia homem. Se haveria um discurso na Igreja e senhoras a chorar. Se estaria a chover ou se ainda estaria a entornar sangue no momento da marcha fúnebre e alguém se lembraria da analogia com o sangue do Senhor, ou então algum ateu conseguiria encontrar a oração divina para acabar com toda a hipocrisia religiosa e clerical e dar ao mundo a liberdade do agnosticismo, que deveríamos seguir.
Mas a morte tem cauda… e como disse tem asas, será um dragão que queima as almas? E naquele lugar, Cova da Moura, a umas ruelas da rua do Moinho, ficou um reflexo meu, a minha sombra, parada no tempo, esquecida. Silêncio… paz à alma do senhor, que a sua alma esteja em sossego. Ámen. 
« Última modificação: Abril 17, 2008, 17:02:22 por pedrojorge » Registado

Actually I don't remember being born, it must have happened during one of my black outs.
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18461
Convidados: 994



WWW
« Responder #1 em: Março 21, 2008, 14:25:26 »

Uma boa prosa, um recorrer às memórias muito minucioso.
Um abraço
Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o número: 358/2009 e 4659/2010
Leto of the Crows
Membro da Casa
****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 446
Convidados: 0



WWW
« Responder #2 em: Março 26, 2008, 10:35:22 »

Um texto muito sentido, de comparações que recorrem ao dia-a-dia, ao sofrimento, visível ou não, tocando na hipocrisia de que vive a sociedade que se diz civilizada.

Gostei muito  Cheesy
Registado

"...Voltará dançando, bela sendo,
Voltará criança pequena, correndo,
Voltará eterna sinfonia,
Voltará assim um dia."

http://asameiasdocrepusculo.blogspot.com
http://retratopintadoasangue.blog
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Julho 05, 2020, 22:27:17 ]

[Julho 05, 2020, 15:58:13 ]

[Julho 05, 2020, 01:22:32 ]

[Julho 05, 2020, 00:26:52 ]

[Julho 02, 2020, 18:42:54 ]

[Julho 02, 2020, 18:41:56 ]

[Julho 02, 2020, 02:25:51 ]

[Junho 28, 2020, 19:19:47 ]

[Junho 24, 2020, 19:46:14 ]

[Junho 20, 2020, 14:06:49 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 128478
Total de Tópicos: 26381
Online hoje: 57
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 1
Convidados: 50
Total: 51
Últimas 30 mensagens:
Abril 04, 2020, 09:57:10
Bom dia para todos!
Março 20, 2020, 15:06:31
Olá para todos!
Março 19, 2020, 22:59:05
Olá para todos! Espero que estejam bem, na medida do possível!
Fevereiro 18, 2020, 18:50:53
Olá Margarida. Seja bem aparecida.
Fevereiro 18, 2020, 18:41:32
Boas!
Fevereiro 10, 2020, 19:37:51
Boa noite!
Janeiro 29, 2020, 20:06:36
Oi pessoal. FigasAbraço
Janeiro 27, 2020, 20:16:38
Boa noite a todos
Janeiro 15, 2020, 17:52:14
Boa tarde a todos
Janeiro 10, 2020, 14:03:15
Boa tarde a todos
Janeiro 06, 2020, 14:46:26
Boa tarde a todos
Janeiro 01, 2020, 20:02:37
Bom ano feliz para todos.
Janeiro 01, 2020, 10:32:02
Bom Ano!
Dezembro 18, 2019, 16:48:08
Boa tarde!
Dezembro 06, 2019, 20:13:01
Boa noite feliz para todos
Dezembro 02, 2019, 21:57:04
Boa noite feliz para todos.
Dezembro 01, 2019, 19:51:29
Boa noite feliz para todos
Dezembro 01, 2019, 18:52:15
Boa noite!
Novembro 29, 2019, 20:32:37
Boa noite feliz para todos.
Novembro 29, 2019, 17:37:17
Boa tarde!
Novembro 29, 2019, 17:35:53
Boa tarde a todos!
Novembro 12, 2019, 18:18:18
um abraço para a administração, para quem dinamiza este espaço, seja como escritor, como leitor, como comentador.
Novembro 12, 2019, 18:15:54
margarida, plenamente de acordo.
Novembro 11, 2019, 11:31:31
Bom dia. Se todos fizerem igual, não há comentários.
Novembro 09, 2019, 14:53:10
Oi Dionísio. Obrigado pelo teu comentário. Desculpa eu ser relapso a fazer muitos comentários. Evito-os, para não  louvar uns ou criticar outros. Prefiro ficar na minha, ficar no que me parece. O meu principio geral: escrever, quem lê lê, quem não lê não lê. Ponto. Leio poesia d'outros, m
Novembro 01, 2019, 14:41:40
Boa tarde  todos. Os que estão e os que virão.
Outubro 31, 2019, 14:58:38
Parabéns, Figas. Parabéns a todos os que lêem e que escrevem, parabéns a todos os que partilham escritas e comentários.
 
Outubro 10, 2019, 12:24:06
Bom dia. Hoje, andaei a pastar pelas 351 páginas da poesia e encontrei 32 poemas meus, milionários de leituras. com média de 1209 leituras cada. Obrigado a todos os meus contribuintes de lucros poéticos. FigasAbração, a todos. Nota: O Campeão é o Linguagem Decente, com 3692 leituras.Viva a D
Julho 29, 2019, 22:55:56
Olá para todos! Boas histórias e boas escritas!
Julho 02, 2019, 07:05:22
Bom dia!
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.122 segundos com 29 procedimentos.