EscritArtes
Fevereiro 23, 2019, 11:18:05 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: 8.ª Colectânea - 8.º Aniversário Escritartes
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,36064.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: 1 ... 8 9 [10]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: O Esfaqueador da Régua  (Lida 25723 vezes)
0 Membros e 3 Visitantes estão a ver este tópico.
Maria Gabriela de Sá
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 812
Convidados: 0



« Responder #135 em: Setembro 02, 2016, 22:34:47 »

          Não, ainda não....


          - Querido, o que achas de darmos finalmente, a cara? – perguntou Gaby a M., agora protegidos  do Ministro da Justiça Angolano, que pessoalmente  tomara a guarda dos dois  a seu  cargo.  Tráfico de influências, quer se queira quer não, há-o em larga escala e a cor dos ministros influenciara muito as coisas. Um telefonema pessoal de Lavínia Duna para o seu homólogo angolano a recomendar os pombinhos, dois jovens apaixonados cuja história, ilustrada a sangue, traições e vinho tinto a comovera. Fora-lhe dada a conhecer pelo padrinho de M., seu colega na faculdade de Direito de Lisboa. E, sendo a vida dos dois, depois de tanto enredo, digna de passar à tela num filme à Fassbinder, nunca mais os deixara a correr riscos. Nem ao corte de uma navalha, nem ao corte na casaca, quando a M. isto tudo lhe passara a ser dolorosamente indolor.
          - Não me apetece muito, amor. Sofri demasiado na vida que decorreu entre o Tua e Luanda. Houve excessivas complicações desde que nos conhecemos. Tenho ainda o cheiro daquele hospital entranhado no nariz, o fígado de um cigano no fundo da barriga e as memórias atravancadas com as mancomunações de um batalhão de mal-intencionados e gananciosos.
          Gaby passou a mão pelo rosto de M., agora moreno pelo sol dos trópicos e sorridente. Deu-lhe um beijo na cara, entre o sensual e o carinhoso, nem demasiado atrevido nem muito inocente. Em todo o caso, com um intuito demolidor. Queria arredar de M. a sua falta de vontade em retomar o comboio que o Esfaqueador da Régua tinha feito parar naquele dia, e onde depois entrara um pai biológico para tomar o lugar de um falso pai. E agora, dois trapinhos velhos juntos de fresco viviam uma Lua-de-Mel na versão terceira idade, seguindo o trilho de África que a força das circunstâncias a ele, Matias, o tinha impulsionado para lá.
          - Mas, M., a minha mãe deve estar muito preocupada sem saber de mim. Afinal sou a única filha. De algum modo, uma filha enganada quanto ao pai e à família que lhe calhou. Mas filha e uma filha que a ama. Deve querer falar comigo sobre muitas coisas. E eu também tenho saudades dela.
          - Está bem querida – anuiu por fim Matias, depois de mais uns mimos que Gaby, numa doçura que os trópicos tinham moldado ao jeito do calor africano, e que  não lhe regateava agora, após a renitência dos primeiros tempos, em que comportara como um verdadeiro limão dos limoeiros do Douro. A rapariga não parecia a mesma. – Desculpa, Gaby, não te ter dito ainda nada, pelas razões que tu já sabes. Ela está cá, em Angola. Ela e o Francisco Silveira.
          - Então vou ligar-lhe.
          - Não sei se será muito boa ideia. Tu não sabes, mas o Navalhas, o teu tio mau, refinou… cometeu mais uma proeza….
          - Refinou? Não estou a perceber… Que proeza, Matias?
          - Na verdade, contínuo a correr perigo porque ele evadiu-se da cadeia. E não é de excluir que, mancomunado como sempre esteve com o Zé Ferreira, o teu ex-pai, fique de novo no meu encalço…, no nosso encalço.
          -Mas querido, com que intenção agora? – perguntou  Gaby, incrédula  e enfadada com uma perseverança tão encarniçada.
          - O laboratório, dinheiro. Sempre a mesma coisa – acrescentou Matias, olhando o pomar de mangais do alpendre onde o pôr-do-sol fazia descer sobre ambos a magia de um amor finalmente no bom caminho. – A seguir beijou a rapariga, entre afagos e ternura, continuando:  â€“ Não, querida, esqueçamos tudo para já. Não vamos meter-nos na boca do lobo. Confiemos no nosso protector, o ministro. Quando for a hora certa ele dir-nos-á.  
          - E se a policia portuguesa precisar de falar connosco?
          - Sabes o que dizem os inspectores  muitas vezes quando têm a secretária atravancada de processos?
          - Não, querido. Nem imagino.
          - Dizem que os processos não azedam. E deve ser verdade.  Vê como certos condenados andam rejuvenescidos e felizes enquanto decorrem os mil e um recursos – riu Matias, para dizer a seguir: -  Amo-te Gaby.
          E selou a conversa com um beijo, um beijo quente e arrebatador, que os levou para dentro até ao remanso da intimidade.
  
« Última modificação: Setembro 03, 2016, 10:02:28 por Maria Gabriela de Sá » Registado

Dizem de mim que talvez valha a pena conhecer-me.
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18339
Convidados: 994



WWW
« Responder #136 em: Setembro 03, 2016, 10:09:38 »

De vento em popa, outra vez! Muito bem!
Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o número: 358/2009 e 4659/2010
Nação Valente
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 985
Convidados: 0


outono


« Responder #137 em: Outubro 01, 2016, 20:23:29 »


O regresso do Joker

O meu nome é Tó Zé Salafuma. Aqui nas angolas ganho a vida como detective privado. E sou bastante credenciado. Formei-me na polícia de onde sai para trabalhar por conta própria. Mas para além do faro congénito aprendi muito nas séries policiais. Poiroit, Maigret e outros ensinaram-me muito. Mas a qualidade veio do berço. E trabalho não falta, graças à tendência da raça humana para pôr pé em ramo verde. Madamas casadas que desconfiam da fidelidade do consorte. Maridos ciumentos que não têm confiança nas dondocas que sustentam. Pequenos delitos que a polícia menospreza. Enfim e tudo o que me aparece, que a vida não está para desperdícios.
Não fiquei surpreso quando recebi um telefonema do senhor dr. José Silveira, um empresário lá do” puto”, para me encarregar da tarefa de procurar a filha desaparecida aqui na cidade de Luanda. Gente de muita boa estirpe, que perdeu o rasto à sua Gaby, desde que veio atrás de um tal de M. que foi quadro da sua empresa. Nada que não tenha histórico na literatura ao longo do tempo, isto é a herdeira rica que se apaixona pelo pé-rapado e que depois vivem felizes para sempre. E assim entrei também na saga conhecida como Esfaqueador da Régua, devido à malvadez de um meliante que tentou limpar o sebo ao dito M.
Com toda a informação recolhida, porque o Tó Zé, não deixa os seus créditos por mãos alheias, nem quer pôr em risco a sua reputação de investigador, parti para a acção. E comecei a encontrar extremas dificuldades na pesquisa. Sempre que apanhava uma ponta logo esta se apresentava como falsa. A sensação era estar a procurar agulha em palheiro. Mas para um detective credenciado, as dificuldades aguçam o engenho e a persistência acabará por apanhar o fio à meada. E tive, várias vezes, os dois pombitos debaixo de olho. Só que quando tentava segui-los escapuliam-se como fantasmas. Aí percebi que ali havia mão de profissional. E não levei muito tempo a chegar à conclusão, Salafuma tem boa intuição, que os desaparecidos tinham a protecção do Governo. Está tudo explicado. Aí tive que informar o senhor doutor que com essa gente não me meto. Não pretendo armar em herói para acabar no fundo de uma enxovia. Contudo, mantenho o compromisso que assumi com o doutor Silveira, mas agora com a máxima descrição.
Um verdadeiro detective tem de estar bem informado. A leitura de jornais faz parte desse cardápio informativo. Um dos que sigo religiosamente pela sua própria natureza, é o Carteiro da Manhã. Foi aí que tive conhecimento da história do Esfaqueador da Régua. Ainda há pouco tempo foi publicada a fuga do Tó Zé Silva Eira da prisão. E na sequência dessa notícia saiu hoje mais um capítulo com o título: Esfaqueador fala ao CM. Depois, numa longa entrevista, onde o visado faz uma descrição da sua vida, da família desestruturada, onde nasceu e cresceu, das dificuldades que passou, do que teve que roubar para enganar a fome, da sua condição de patinho feio, e de infeliz esquecido pelo irmão rico, faz uma declaração que traz dados novos em relação ao crime da Régua. Transcrevo:

Chegou a hora de dizer toda a verdade. Assim como assim, já estou lixado. Quem de facto me contratou para executar o serviço que executei na Régua, foi o José Ferreira, mas o autor e desencadeador do acto foi outro: um personagem menor e que tem estado na sombra, chamado Duarte Rosa. O que estou a dizer é que houve dois mandantes. Tudo começou quando o Matias se começou a enrabichar pela Gaby. Acontece que Duarte e Matias, na altura, eram amigos. Conheceram-se nas viagens de comboio entre a Régua e o Porto. O Duarte que sempre teve inclinações para gente do mesmo sexo, tinha um fraquinho pelo Matias. Não posso dizer se era recíproco, o que sei é que há quem dê para os dois lados. O certo é que o rapaz de São João da Pesqueira quando soube da relação de M. com Gaby enciumou, sentiu-se traído, e perdeu as estribeiras. Foi ele que propôs ao José Ferreira limpar o sebo a M. Este concordou pois tinha pensado casar a filha com Duarte, ideia que alimentou desde quando eles ainda eram crianças e não via com bons olhos a sua relação com M. O que Duarte escondeu foi a sua paixão pelo galã da história. O mano Zé concordou em pregar um susto ao intruso, mas sem o liquidar. Foi assim que nasceu a ideia de o capar e eu fui encarregado de executar a tarefa. Embora não fosse assunto que me dissesse respeito fi-lo pelo Ferreira, o único irmão que não me desprezou.

Não me cabe a mim investigar este caso, mas pelo que conheço do processo, a declaração do Tó Zé Silva Eira parece ter algum sentido. A minha missão é trazer os” fujões” para a luz do dia. E nisso vou continuar a trabalhar com as devidas precauções. Quando Matias sair da clandestinidade talvez possa esclarecer esta situação. O que eu não entendo é a protecção que têm do Governo, pois ali não se dá ponto sem nó.


Registado
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18339
Convidados: 994



WWW
« Responder #138 em: Outubro 04, 2016, 14:54:22 »

Bem visto... bem visto...

Força na história!
Registado
Maria Gabriela de Sá
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 812
Convidados: 0



« Responder #139 em: Janeiro 30, 2019, 23:08:25 »

O romance é bem mais fácil de ler....
Registado
Nação Valente
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 985
Convidados: 0


outono


« Responder #140 em: Fevereiro 04, 2019, 00:00:43 »

Cara amiga,
Pois se é mais fácil de ler (e acredito que sim) que se leia o livro. Um pouco oportunisticamente (quem não peca?) aproveito a boleia para dizer que o leitor deve estar em pulgas é para ler a parte 2. Quê dela?

Beijinho
Registado
Maria Gabriela de Sá
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 812
Convidados: 0



« Responder #141 em: Fevereiro 04, 2019, 19:50:55 »

Quem me dera ter tempo para isso.  Não posso jogar em tantos tabuleiros, quando tenho mais do que um jogo de xadrez a que dar xeque-mate pondo-lhes fim. E há aqui tanta gente a escrever tão bem, que bem podiam pegar no assunto....

Vá lá, andem daí!!!!

Beijinho :fixe:
Registado
Nação Valente
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 985
Convidados: 0


outono


« Responder #142 em: Fevereiro 08, 2019, 19:25:49 »

Que pena! Eu também sou peão num tabuleiro de xadrez e não sei como sair, mas para o "esfaqueador" arranjo um tempinho. O feedback que tenho de leitores é que a haver continuação, faz sentido ser pelos mesmos autores. Se não é possível, paz à sua alma.
Registado
Páginas: 1 ... 8 9 [10]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Parcerias
Buffering...Buffering...

O seu destaque aqui...
Recentemente
[Fevereiro 22, 2019, 14:59:07 ]

[Fevereiro 21, 2019, 19:02:09 ]

[Fevereiro 21, 2019, 11:18:08 ]

[Fevereiro 20, 2019, 22:07:28 ]

[Fevereiro 19, 2019, 20:15:24 ]

[Fevereiro 08, 2019, 19:25:49 ]

[Fevereiro 07, 2019, 11:15:06 ]

[Fevereiro 05, 2019, 00:15:25 ]

[Fevereiro 05, 2019, 00:13:52 ]

[Fevereiro 05, 2019, 00:09:42 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 127711
Total de Tópicos: 26089
Online hoje: 361
Máximo Online: 565
(Dezembro 04, 2018, 10:15:24 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 212
Total: 212
Últimas 30 mensagens:
Janeiro 27, 2019, 19:36:43
Boa noite feliz para todos.
Janeiro 11, 2019, 09:21:27
Olá para todos!
Dezembro 24, 2018, 21:55:27
Boas Festas.
Novembro 03, 2018, 14:19:38
Claro que sim, Mateus. Vamos lá puxar pelos neurónios?
Novembro 01, 2018, 18:36:27
Olá para todos!
Novembro 01, 2018, 15:51:21
A ideia com que fiquei em conversas, era a de que se pretendia fazer, uma sequela do "esfaqueador". Agora estou baralhado.
Outubro 31, 2018, 18:31:48
Temos um tópico em aberto "sem título". Podem entrar. A ideia é fazer algo ao jeito do Esfaqueador da Régua. Estão convidados!
Setembro 12, 2018, 14:34:00
Esfaqueador da Régua, aqui nascido, terá o seu lançamento na Feira do livro do Porto, dia 21 de Setembro.
Julho 04, 2018, 13:54:05
Bom dia.
Março 01, 2018, 20:26:58
Boa noite!
Dezembro 30, 2017, 21:19:00
Olá, amigos do Escritartes!
Dezembro 27, 2017, 09:04:13
Boas Festas!
Dezembro 21, 2017, 10:51:56
Olá para todos! Desde já, um feliz natal e um 2018 de novas escritas!
Novembro 11, 2017, 17:23:12
Boa tarde a todos! Votos de muita inspiração na nobre arte da escrita.
Outubro 25, 2017, 10:20:24
Meu bom dia a todos!
Julho 18, 2017, 20:17:24
Olá para todos! Boas escritas!
Abril 11, 2017, 14:47:44
Boa tarde a todos
Abril 01, 2017, 20:52:08
Boa noite e um bom fim de semana para todos vocês.
Abril 01, 2017, 20:52:05
Boa noite e um bom fim de semana para todos vocês.
Fevereiro 22, 2017, 07:23:30
Bom dia!
Dezembro 24, 2016, 22:23:10
Boas Festas para todos os que por aqui navegam.
Dezembro 24, 2016, 11:32:23
Desejos de Bom Natal, PAZ, Amor e uns trocados. FigasAbraço a todos
Setembro 08, 2016, 19:38:09
Já está publicada a lista final de autores para a coletânea - 129
Setembro 07, 2016, 20:57:46
Boa noite a todos.
Setembro 06, 2016, 18:31:36
Boa tarde a todos
Setembro 01, 2016, 15:26:02
OLÁ!!!
Agosto 24, 2016, 05:49:47
Bom dia a todos
Agosto 04, 2016, 08:39:17
bom dia a todos
Julho 08, 2016, 18:22:38
Olá, Alice e Nação Valente!
Logos
Buffering...

Firefox 2 xspf player AJAX powered Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 Powered by HoneyPot project Hacker Trap
CSS Valid CSS 2.0 Valid RSS 1.0 Valid RSS 2.0 Valid XHTML Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.147 segundos com 28 procedimentos.