EscritArtes
Dezembro 08, 2019, 19:18:44 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Viva o morto-vivo  (Lida 2978 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Nação Valente
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 1005
Convidados: 0


outono


« em: Setembro 03, 2016, 18:04:52 »

A carta chegou no correio da manh√£. Alzira recebeu-a da m√£o de Pedro Zarolho, de alcunha cara de pau  e como iletrada guardou-a no bolso do avental. Ant√≥nio, o seu irm√£o ca√ßula, estava sentado na soleira da porta da sua loja. Abriu a carta que ela lhe entregou e come√ßou a ler em sil√™ncio. O seu rosto magro perdeu a cor e ficou branco de cera. Respirou fundo e procurou refazer-se. A carta era breve e dram√°tica;
M√£e muito estimada
Que estejam todos bem √© o meu desejo.  Eu estou muito mal. Chegou o dia de ir √†s sortes e n√£o o posso fazer. Mandei fazer um casaco no alfaiate da vila, para me apresentar de forma digna, mas encontro-me sem dinheiro para o pagar e assim n√£o posso levant√°-lo. N√£o vou a esse acto feito maltrapilho. N√£o tenho outa alternativa a n√£o ser p√īr fim √† vida. √Ä hora que esta receber j√° devo estar morto. Pe√ßo perd√£o por qualquer coisinha‚Ķ

-√Č uma carta do teu filho Sebasti√£o, disse Ant√≥nio. (√Č preciso esclarecer que o jovem tinha migrado para a vila, com o intuito de melhorar a vida.)
-Senta-te Alzira e mantem-te calma.
Ant√≥nio procurava ganhar tempo para encontrar uma forma suave de dar a not√≠cia. Alzira inquietava-se. 
-Então António, o que se passa?
Ant√≥nio foi descrevendo o conte√ļdo e acabou com a frase ‚Äú o Sebasti√£o amea√ßa matar-se‚ÄĚ.
Mano, n√£o me enganes, diz-me o que a√≠ est√° escrito. Ant√≥nio voltou a ler a carta em voz alta. No corpo de Alzira nem um m√ļsculo mexia. Na face l√≠vida e fria correu uma l√°grima teimosa.
-Aquieta-te mana. Vou partir de imediato para esclarecer o assunto. Se bem conheço o meu afilhado, isto não passa de um truque para lhe pagarmos o casaco.
A Maria Carrapata especialista em "quadrilhice" e que passava pela loja, foi a primeira a saber do triste evento e em menos tempo que o diabo esfrega um olho, todo o povoado sabia da novidade: o Sebasti√£o est√° morto.
Ant√≥nio partiu na sua motorizada e desapareceu na primeira curva da estrada envolto numa nuvem de fumo diesel. Uma hora depois fez um telefonema para o telefone p√ļblico ‚Äú o Sebasti√£o est√° bem. Tudo resolvido".
Às dezanove horas daquele dia estival, a velha camioneta parou no largo da aldeia. Começaram a sair os rapazes das sortes nos seus fatos de ver a Deus. No fim do grupo apareceu Sebastião, algo envergonhado e um pouco escondido na neblina da tarde, e no seu casaco de linho novo.
Os moços da aldeia formados em duas filas pelo professor primário, gritaram a uma voz,
viva o morto-vivo
Os pássaros poisados nos beirais das casas do largo da paragem, mortos de riso, bateram as asas e saíram em voo picado saudando o,
morto-vivo
Alberto Coiras, o taberneiro da loja da paragem, regedor e apoiante da Uni√£o Nacional, morto de b√™bado, bebeu mais um copo e com a voz  arrastada disse:
O vinho (e o Salazar) d√£o de comer a um milh√£o de portugueses,
viva o vinho e viva o morto-vivo
Pedro Zarolho, cara de pau, que nunca mostrava os dentes estragados, deu uma sonora gargalhada,
viva o morto-vivo
Perp√©tua, conhecida como ministra, pela facilidade no uso do verbo, deu a sua senten√ßa: ningu√©m morre de v√©spera, a n√£o ser o per√ļ do Natal. E s√≥ quem vive fora deste mundo n√£o percebeu a impossibilidade dessa morte anunciada.
Santos, o sacrist√£o, esqueceu-se dos bicos de papagaio, subiu a escada da torre da igreja, e fez tocar os sinos em honra do,
morto-vivo
Toino, o parvo da terra,( todas t√™m o seu, sem esquecer todos os outros) num arroubo de lucidez afirmou: ‚Äúe eu √© que sou o parvo!‚ÄĚ
Os jovens aptos nas sortes e vivos para morrerem pela nação, ribombaram foguetes.
Bartolomeu, barbeiro, versejador e filósofo popular, fez ali um improviso:
Viva o Sebasti√£o das sortes
Com o seu fato de linho
N√£o foi em tretas de mortes
E chegou vivo e limpinho,
Mandou a morte às urtigas
Que ele quer é viver
E est√°-lhe fazendo figas
Que ainda n√£o quer morrer
De qualquer morte morrida
pois tem muito pra fazer
na encruzilhada da vida
termino e mais n√£o digo,
e que viva o morto-vivo.
E eu, pirralho com um metro mal medido, vi tudo, claramente visto, e tal e qual transmito, com muito gosto, para a posteridade, a aventura de Sebastião que ficou vivo para poder morrer pela nação. E para que todos, os que souberem e quiserem, possam dizer,
viva o morto-vivo
Registado
margarida
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 814
Convidados: 0



« Responder #1 em: Maio 10, 2017, 07:39:26 »

Mas que aventura! Com um traço irónico muito interessante! Smiley
Registado
Nação Valente
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 1005
Convidados: 0


outono


« Responder #2 em: Maio 18, 2017, 20:26:25 »

Obrigado Margarida por dar realce a um morto, ironicamente, vivo.
Registado
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18363
Convidados: 994



WWW
« Responder #3 em: Maio 19, 2017, 14:39:41 »

Claramente visto, andava distraída! Mas, como quem é vivo sempre aparece, cá estou para convidar a continuar! Muito bom!
Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o n√ļmero: 358/2009 e 4659/2010
Maria Gabriela de S√°
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 827
Convidados: 0



« Responder #4 em: Maio 25, 2017, 18:33:54 »

E viva o morto-vivo e quem lhe sabe dar vida através das letras! Abraço
Registado

Dizem de mim que talvez valha a pena conhecer-me.
Nação Valente
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 1005
Convidados: 0


outono


« Responder #5 em: Junho 02, 2017, 20:21:30 »

Hesito em p√īr este texto de prosa b√°rbara entre t√£o bela poesia, mas tenho de agradecer os generosos coment√°rios  da Goreti e da Gabriela. Bem hajam.
Registado
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Dezembro 07, 2019, 22:03:53 ]

[Dezembro 06, 2019, 23:34:17 ]

[Dezembro 06, 2019, 13:19:49 ]

[Dezembro 05, 2019, 20:56:58 ]

[Dezembro 05, 2019, 20:52:18 ]

[Dezembro 05, 2019, 19:40:27 ]

[Dezembro 05, 2019, 19:39:51 ]

[Dezembro 05, 2019, 19:38:48 ]

[Dezembro 05, 2019, 19:37:57 ]

[Dezembro 05, 2019, 19:36:15 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 128044
Total de Tópicos: 26259
Online hoje: 221
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 194
Total: 194
Últimas 30 mensagens:
Dezembro 06, 2019, 20:13:01
Boa noite feliz para todos
Dezembro 02, 2019, 21:57:04
Boa noite feliz para todos.
Dezembro 01, 2019, 19:51:29
Boa noite feliz para todos
Dezembro 01, 2019, 18:52:15
Boa noite!
Novembro 29, 2019, 20:32:37
Boa noite feliz para todos.
Novembro 29, 2019, 17:37:17
Boa tarde!
Novembro 29, 2019, 17:35:53
Boa tarde a todos!
Novembro 12, 2019, 18:18:18
um abraço para a administração, para quem dinamiza este espaço, seja como escritor, como leitor, como comentador.
Novembro 12, 2019, 18:15:54
margarida, plenamente de acordo.
Novembro 11, 2019, 11:31:31
Bom dia. Se todos fizerem igual, n√£o h√° coment√°rios.
Novembro 09, 2019, 14:53:10
Oi Dion√≠sio. Obrigado pelo teu coment√°rio. Desculpa eu ser relapso a fazer muitos coment√°rios. Evito-os, para n√£o  louvar uns ou criticar outros. Prefiro ficar na minha, ficar no que me parece. O meu principio geral: escrever, quem l√™ l√™, quem n√£o l√™ n√£o l√™. Ponto. Leio poesia d'outros, m
Novembro 01, 2019, 14:41:40
Boa tarde  todos. Os que est√£o e os que vir√£o.
Outubro 31, 2019, 14:58:38
Parabéns, Figas. Parabéns a todos os que lêem e que escrevem, parabéns a todos os que partilham escritas e comentários.
 
Outubro 10, 2019, 12:24:06
Bom dia. Hoje, andaei a pastar pelas 351 páginas da poesia e encontrei 32 poemas meus, milionários de leituras. com média de 1209 leituras cada. Obrigado a todos os meus contribuintes de lucros poéticos. FigasAbração, a todos. Nota: O Campeão é o Linguagem Decente, com 3692 leituras.Viva a D
Julho 29, 2019, 22:55:56
Olá para todos! Boas histórias e boas escritas!
Julho 02, 2019, 07:05:22
Bom dia!
Junho 28, 2019, 14:37:28
Boa tarde. Hoje, apeteceu-me saudar todos os que aqui tentam p√īr arte na pena. Figasabra√ßo
Maio 18, 2019, 19:22:13
Ol√°! Boa leitura e boa escrita para todos!
Maio 01, 2019, 17:26:47
Boa escrita e boa leitura para todos!
Março 30, 2019, 10:37:35
Boas leituras e boas escritas para todos!
Janeiro 27, 2019, 19:36:43
Boa noite feliz para todos.
Janeiro 11, 2019, 09:21:27
Ol√° para todos!
Dezembro 24, 2018, 21:55:27
Boas Festas.
Novembro 03, 2018, 14:19:38
Claro que sim, Mateus. Vamos lá puxar pelos neurónios?
Novembro 01, 2018, 18:36:27
Ol√° para todos!
Novembro 01, 2018, 15:51:21
A ideia com que fiquei em conversas, era a de que se pretendia fazer, uma sequela do "esfaqueador". Agora estou baralhado.
Outubro 31, 2018, 18:31:48
Temos um tópico em aberto "sem título". Podem entrar. A ideia é fazer algo ao jeito do Esfaqueador da Régua. Estão convidados!
Setembro 12, 2018, 14:34:00
Esfaqueador da Régua, aqui nascido, terá o seu lançamento na Feira do livro do Porto, dia 21 de Setembro.
Julho 04, 2018, 13:54:05
Bom dia.
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.128 segundos com 28 procedimentos.