EscritArtes
Abril 13, 2021, 02:00:44 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Fechando a câmera  (Lida 384 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Oswaldo Eurico Rodrigues
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 6125
Convidados: 0


Amo a Literatura e as artes.


« em: Dezembro 22, 2020, 13:54:42 »



   Era um menino de olhos quase negros olhando atentamente para a professora enérgica e que causava calafrios! Uma folha arrancada do caderno debaixo de gritos! Não era do seu caderno. Os colegas tremiam e ele, apesar das folhas não arrancadas de seu material, também se arrepiava como um gato diante da água fria. O menino aprendeu tudo em tempo recorde. Lia fluentemente em língua materna e já deduzira por conta própria o sistema decimal. O que o medo não faz a uma criança? Felizmente, ele conseguia não se bloquear ao estudar. Sofreu várias doenças infantis apesar dos cuidados da sua família. Talvez as tempestades pedagógicas fossem menores e menos incômodas do que a sua hepatite... Ele buscou outros caminhos para driblar a morte mesmo sem saber jogar futebol. Se reinventou no papel.
   Foi durante a aula de Ciências. Dessa vez, ele mesmo arrancara folhas velhas dum caderno velho e as cortara em pedaços pequenos. Unira os pedaços com barbante de ráfia e fizera o seu primeiro livro. O livro de Botânica ou Biologia: como queiram. Ele nem sabia o que era Biologia ao certo, mas ouvira os garotos mais velhos estudarem isso. Devia ser importante. De Botânica ele entendia. Já criava jardins em casa aproveitando os desníveis do terreno e criando pequenos charcos onde viviam os papiros. Outros cantos úmidos era a terra dos musgos. A lateral da casa era a mata dos galhos secos. E os fundos era o grande bosque, onde um dia, ele jurou: “Vou ver a neve cair!” E o livro cabia na palma de sua mão grande, mas ainda assim infantil. Havia uma rosa que ele comparou a um reino: a flor, a rainha; os espinhos os soldados. Mal sabia ele. Já sofria desse doença boa chamada poesia só descoberta décadas mais tarde.
   Os anos do fundamental se foram. Veio então o segundo grau. Curso técnico. Precisava trabalhar e ajudar a família a não precisar ajudá-lo. As disciplinas técnicas eram vistas com outro olhar. Seus colegas já notavam. Para ele era naturalíssimo participar do laboratório de teatro como ensaio para uma entrevista de emprego ou a futura encenação de convencimento do cliente perante um projeto mirabolante de arquitetura. Ensaiou saltos triplos e foi cair no meio da Fazenda Africana, de Isaac Dinesen, entre dois amores: a literatura e o cinema. Conheceu Meryl Streep! Depois Glenn Close, John Malkovich, Jeremy Irons, Robert De Niro... Descobriu que o Brasil também tinha seus astros: Zezé Mota, Walmor Chagas e Elke Maravilha em Xica da Silva, Gianfrancesco Guarnieri e Bete Mendes em Eles não usam Black-tie. Os problemas e as cores do Brasil eram diferentes do pintado por Hollywood e demais cinematografias estrangeiras.
   Ele saiu do cinema e foi para a vida real protagonizar o papel de auxiliar administrativo mil e uma utilidades numa empresa de engenharia. Era a via-crúcis! A Odisseia! Caifás e Posseidon em fúria contra o magrelinho da pasta de couro vivendo peripécias na sua Via Dolorosa. As reformas nas empresas contratantes ficavam excelentes. Existe até hoje um convento e sua capela reformados pelas mãos dos seus colegas de trabalho e mestres de obras e vida. O rapaz aprendera a utilizar champanhe no arroz com um pintor responsável pelas sancas do santuário, lugar parecido com o Céu no meio de vários edifícios. O rapaz continuava a ver palavras e sons e imagens nos canteiros de obra e diante das mesas dos diretores.
   Escondido ele se inscreveu no vestibular e foi para a Universidade. Adivinhem o curso? Letras! O inferno de manhã, o purgatório de tarde, o céu de noite no campus. Outro dia, outra sequência inferno, purgatório e céu. Cinco dias por semana. Onze meses por mais seis anos.
   Novamente às escondidas, o concurso para professor. Aprovado! Jornada tripla: escritório de manhã, sala de aula à tarde, pós-graduação à noite. Essa situação não durou muito. Em junho do primeiro ano como professor, ele se libertou dos grilhões do escritório. Mal sabia ele as memórias desse tempo o perseguiriam para sempre. Mas agora só duravam alguns minutos durante o sono. A redenção vinha pela manhã.
   O tempo foi passando e ele vivendo o seu magistério. Queria fugir dele, mas não conseguia (e não queria conseguir). Sujou as mãos no giz por pouco tempo. Logo vieram os pincéis atômicos e os quadros brancos decretando a aposentadoria dos negros, que eram verdes. Do mimeógrafo para a fotocópia (vulgo xerox); da caneta para o teclado. O show continuava no palco de cada sala. A plateia lotada ora aplaudia, ora vaiava. Agora o virtual. O distanciamento, o isolamento social e o menino se vê novamente com medo não só de uma professora enérgica que o ensinou a ler e escrever, mas de inúmeros professores invisíveis como águia olhando do alto sua presa no campo.
   A coragem tomou conta dele e o levou até a câmera. Do outro lado, seus aliados e jovens professores. A interação venceu o medo e as descobertas se fizeram. Sinto de novo o frio na espinha. Qual o resultado deste ano de intensos recados nas redes sociais e bombardeio de notícias repetitivas e contraditórias de uma situação ímpar na História da Humanidade?
   Fechando a câmera!

Registado

Oswaldo Eurico Rodrigues


Escrevo também nos sites Recanto das Letras (www.recantodasletras.com.br)
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Abril 12, 2021, 19:06:32 ]

[Abril 12, 2021, 19:05:27 ]

[Abril 11, 2021, 20:55:34 ]

[Abril 11, 2021, 20:21:04 ]

[Abril 11, 2021, 19:19:12 ]

[Abril 07, 2021, 20:39:30 ]

[Abril 05, 2021, 16:13:33 ]

[Abril 05, 2021, 11:40:58 ]

[Abril 04, 2021, 17:37:02 ]

[Abril 04, 2021, 14:36:10 ]
Membros
Total de Membros: 792
Ultimo: Leonardrox
Estatísticas
Total de Mensagens: 129341
Total de Tópicos: 26487
Online hoje: 288
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 278
Total: 278
Últimas 30 mensagens:
Abril 12, 2021, 19:05:45
Boa noite a todos.
Abril 04, 2021, 17:43:19
Bom domingo para todos.
Março 29, 2021, 18:06:30
Boa semana para todos.
Março 27, 2021, 16:58:55
Boa tarde a todos.
Março 25, 2021, 20:24:17
Boia noite para todos.
Março 22, 2021, 20:50:10
Boa noite feliz para todos.
Março 17, 2021, 15:04:15
Boa tarde a todos.
Março 16, 2021, 12:35:25
Olá para todos!
Março 13, 2021, 17:52:36
Olá para todos!
Março 10, 2021, 20:33:13
Boa feliz noite para todos.
Março 05, 2021, 20:17:07
Bom fim de semana para todos
Março 04, 2021, 20:58:41
Boa quinta para todos.
Março 03, 2021, 19:28:19
Boa noite para todos.
Março 02, 2021, 20:10:50
Boa noite feliz para todos.
Fevereiro 28, 2021, 17:12:44
Bom domingo para todos.
Fevereiro 26, 2021, 21:31:48
Bom fim de semana para tod@s.
Fevereiro 25, 2021, 20:52:03
Boa noite a todos.
Fevereiro 24, 2021, 20:43:45
Boa noite a todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:46:56
Uma boa semana para todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:43:41
Sejam muito bem vind@s
Fevereiro 22, 2021, 16:41:57
Boa tarde a todos.
Fevereiro 18, 2021, 20:52:07
Boa noite a todos.
Fevereiro 17, 2021, 19:09:25
Boa quarta para todos.
Fevereiro 16, 2021, 19:10:20
Boa noite a todos os presentes.
Fevereiro 15, 2021, 14:54:45
Boa semana para todos.
Fevereiro 14, 2021, 15:29:30
Bom domingo para todos.
Fevereiro 13, 2021, 18:43:03
Boa noite  e boas escritas.
Fevereiro 13, 2021, 16:07:55
Bom sábado para todos.
Fevereiro 12, 2021, 15:10:54
Boa sexta para todos.
Fevereiro 11, 2021, 18:15:43
Boa noite a todos os presentes e aos outros também.
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.632 segundos com 28 procedimentos.