EscritArtes
Março 05, 2021, 16:01:46 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: O circo da vida  (Lida 315 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Nação Valente
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 1132
Convidados: 0


outono


« em: Janeiro 21, 2021, 19:54:48 »

A aldeia era pobre como a maioria das aldeias. Mas o sítio onde nascemos tem um encanto especial. A sua beleza amenizava a pobreza de quem ali vivia e labutava. Aquela pobreza remediada, num país pobre, aceitava-se como um destino natural. Os ritmos do quotidiano mantinham-se fiéis a uma estabilidade secular.
O enclausuramento assumido interrompia-se na ida à vila mais próxima, pontualmente. A feira anual que se realizava na vila, era um momento em que os aldeãos saiam da sua rotina diária. Magotes de serrenhos juntavam-se na paragem da camioneta, que passava impreterivelmente às dez horas. Tão pouco autocarro para tantos passageiros. Faziam-se desdobramentos, que a empresa Rodoviária não queria deixar ninguém para trás. Mas primeiro transportavam os que estavam mais longe. E nós a vê-los passar vazios e a voltar cheios. Quando a paciência se perdia a si própria, os serrenhos iam ao limite e faziam um muro humano na estrada. Por ironia do destino, sempre tarde. O autocarro que queriam barrar era o que os vinha buscar..
 Era a minha primeira ida à feira. Devia ter cerca de cinco anos. Mergulhei num mundo estranho. Ao longo da margem do rio, instalavam-se barracas de venda dos mais exóticos produtos, para um serrenho de horizontes limitados. Uma multidão acotovelava-se ao longo daquela grande rua. Marujos e serrenhos, velhos e novos. Havia carrosséis prenhes de música e movimento. E no fim os circos, sempre cheios nas duas sessões nocturnas.
Entrei, pela primeira vez, na grande tenda circular. No interior, numa pista circular.  actuavam os artistas iluminados por luzes de muitas cores, que só via no arco iris, e por música tocada por uma orquestra, vestida a preceito.
Trapezistas, ciclistas, contorcionistas, equilibristas, ilusionistas. O mestre de cerimónias marcava o ritmo. Mas o que me encantou foram os palhaços, e uns tipos vestidos com roupas larga, chamados “faz tudo”. Mais tarde percebi porquê. Tiravam os adereços da pista, entre dois números, e divertiam os espectadores com as suas pantominas.
Comemos uns carapaus de escabeche na taberna do senhor Gomes, e fomos descansar o corpo para casa de uma senhora conhecida. Éramos nós três e mais sete, deitados em cima de mantas num chão de ladrilhos. Fiquei entre os meus avós e uma moça casadoira, a quem me arrimei para ficar mais quentinho. E fiquei. Quem a levasse não ia mal servido.Dormi que nem um anjo. Era Outono.
No dia seguinte, depois do avô, vestir vaidoso a sua samarra nova, fomos até à estação das camionetas procurar transporte para o regresso. A mesma dificuldade da vinda. Os autocarros não davam “mãos a medir”. Anoitecia. Desesperávamos e ela não aparecia, a camioneta. Faziam-se esconjuros. Rezava-se aos santos preferidos. Transporte, nem vê-lo. Um iluminado disse: simples, vamos à empresa Pilar, e alugamos um autocarro. Palavras não eram ditas, alguém deu corda aos sapatos. Ainda a comissão não tinha aquecido as solas quando aparece das brumas o autocarro da rodoviária. Milagre de tanta fé?.
(parte 2)
Esta história voltou a repetir-se. Fui crescendo, e  passei de criança, a moço grande. Saí da aldeia para procurar ganhar a vida noutras latitudes, e frequentar outras feiras. Mas não cortei o cordão umbilical com as origens. Numa desses regressos para matar saudades, aconteceu aparecer na aldeia, um circo, muito diferente do que me deliciava na feira da vila. Era um circo pequeno, com meia dúzia de artistas e sem tenda. Montaram o seu espectáculo no salão de baile do senhor Amândio, que também costumava receber o cinema ambulante.
Lembro-me como se fosse hoje. A entrada custava três escudos, e a sala estava bem composta. Ainda assim, houve pessoas que não compareceram. Recordo-me do senhor Martins ter estado presente, e na hora de entrar se começar a afastar-se. Alguém lhe perguntou: “então não entra?” Não, o bilhete é muito caro”. “Venha cá, voltou a dizer alguém, nós pagamos-lhe o bilhete.”. O senhor Martins abanou a cabeça e continuou a afastar-se. Preferiu contentar-se com o circo da vida.
A pista improvisada foi marcada por círculo de giz no chão de ladrilhos. Os espectadores sentaram-se nas suas próprias cadeiras, em redor da improvisada pista, como se fizessem também parte do espectáculo. Curiosos e entusiasmados por ir assistir a um acontecimento raro. Preso num barrote de madeira, que segurava o telhado de canas, estava  um trapézio onde o artista do circo pobre, para pobres, iria actuar. Seria o número rei do espectáculo plebeu. Mas houve outros números. E como não havia circo digno desse nome, sem palhaços, lá apareceram eles, dignamente vestidos, para sacar gargalhadas aos espectadores, esquecidos por algum tempo de um quotidiano com muitas tristezas.
A certa altura, interromperam-se os números artísticos, em que um artista fazia mais que um número, para dar “palco” a uma espécie de “faz-tudo” que acompanhava a trupe. Deitou-se no chão e colocaram-lhe uma grande laje sobre o peito. A seguir, pediram a um espectador que a partisse com uma marreta. Fez-se silêncio. Eu que tinha um fraco pelo circo, e que me imaginava a actuar numa pista, não tive coragem de entrar naquele número. Finalmente, apareceu alguém para o fazer. Levantou a marreta e bateu com cuidado na laje que comprimia o peito do homem. A laje resistiu. O apresentador, disse numa voz firme: bata com força. O “marreteiro” ganhou coragem e voltou a bater com mais energia. A laje partiu-se em duas metades simétricas. Bom trabalho .O homem levantou-se ileso, debaixo de aplausos.
O apresentador disse: este homem corajoso não faz parte do elenco. Viaja connosco e ajuda. Hoje ainda não comeu. Ajudem-no com algumas moedas. Dos bolsos rotos da assistência saiu uma chuva de metal  O homem apanhou as moedas, agradeceu e foi comer a primeira e última refeição do dia, “um pão e uma lata de conserva de peixe”, disse o apresentador. Voltou ao circo da vida. O espectáculo prosseguiu.
No dia seguinte a trupe partiu para outra aldeia. Nunca mais voltou. Se percorresse todo o país levaria anos. Veio a televisão e o circo foi perdendo importância. Sobreviveu, sobretudo, como um espectáculo para crianças.
Quando já era homem de meia-idade fui convidado, por um amigo, para ir assistir a uma sessão de circo, na extinta feira popular, Em Lisboa, na época do Natal. Tinha recebido bilhetes da sua empresa para a família, e ofereceu-me os excedentes. Fui para acompanhar um filho meu. A meio do actuação, num número de palhaços, vieram à assistência procurar um espectador para participar no seu número. O palhaço de circo subiu as escadas do sector onde eu estava, olhou à direita, olhou à esquerda, e olhou para mim. Procurei tornar-me invisível. Aproximou-se e puxou-me sem dizer água vai. Porra. Já me bastava ser palhaço no circo da vida.
Destino: pista de circo. Fiz direitinho o que me pediram. Aplausos. Noutra altura, noutras circunstâncias, teria sido um prazer, e teria cumprido um desejo de infância. Ali foi mais uma obrigação. Já não dava para esse peditório. Mas não posso queixar-me. Entrei numa pista circo como os saudosos “faz tudo”. E não foi preciso bater em quem precisava de comer.
Que se lixe. No circo da vida, todos somos, equilibristas, trapezistas, e palhaços pobres. E quem não for que atire a primeira pedra.
« Última modificação: Janeiro 30, 2021, 16:05:29 por Nação Valente » Registado
Maria Gabriela de Sá
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 1023
Convidados: 0



« Responder #1 em: Janeiro 29, 2021, 18:18:28 »

É cá andamos todos nós no circo da vida a fazer as habilidades possíveis.

Grandes memórias.

Abraço
Registado

Dizem de mim que talvez valha a pena conhecer-me.
Nação Valente
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 1132
Convidados: 0


outono


« Responder #2 em: Fevereiro 02, 2021, 17:54:23 »

... e às vezes impossíveis.

Abraço
Registado
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18571
Convidados: 994



WWW
« Responder #3 em: Fevereiro 05, 2021, 08:13:27 »

Não atiro pedra...
Agora, a sério: os tempos mudam, é assim, não pode ser de outra forma. Ganham-se coisas, perdem-se coisas. Mas também tenho saudades desses tempos de magia, do circo ambulante, dos artistas que cruzavam as terras.
Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o número: 358/2009 e 4659/2010
gdec2001
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 2181
Convidados: 0



« Responder #4 em: Fevereiro 07, 2021, 18:47:38 »

Caraças, amigo !
V. descreve tudo com tanta naturalidade que a gente vive os acontecimentos como V. mesmo os viveu .
Abraço
Geraldes
Registado

Geraldes de Carvalho
http://gdecseeufossfosse-gdec.blogspot.pt
          -este é meu blog-
Nação Valente
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 1132
Convidados: 0


outono


« Responder #5 em: Fevereiro 10, 2021, 20:08:49 »

Goreti, somos filhos da saudade.
Geraldes,
Grato pelo comentário. Não sei se viveu esses tempos, mas de deve ter vivido tempos idênticos.
Abraço
Registado
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Março 04, 2021, 21:10:40 ]

[Março 04, 2021, 20:59:45 ]

[Março 04, 2021, 20:57:58 ]

[Março 04, 2021, 20:37:35 ]

[Março 04, 2021, 11:03:39 ]

[Março 04, 2021, 02:51:45 ]

[Março 04, 2021, 02:48:51 ]

[Março 03, 2021, 19:28:01 ]

[Março 03, 2021, 19:25:47 ]

[Março 03, 2021, 19:24:48 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 129225
Total de Tópicos: 26473
Online hoje: 134
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 2
Convidados: 81
Total: 83
Últimas 30 mensagens:
Março 04, 2021, 20:58:41
Boa quinta para todos.
Março 03, 2021, 19:28:19
Boa noite para todos.
Março 02, 2021, 20:10:50
Boa noite feliz para todos.
Fevereiro 28, 2021, 17:12:44
Bom domingo para todos.
Fevereiro 26, 2021, 21:31:48
Bom fim de semana para tod@s.
Fevereiro 25, 2021, 20:52:03
Boa noite a todos.
Fevereiro 24, 2021, 20:43:45
Boa noite a todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:46:56
Uma boa semana para todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:43:41
Sejam muito bem vind@s
Fevereiro 22, 2021, 16:41:57
Boa tarde a todos.
Fevereiro 18, 2021, 20:52:07
Boa noite a todos.
Fevereiro 17, 2021, 19:09:25
Boa quarta para todos.
Fevereiro 16, 2021, 19:10:20
Boa noite a todos os presentes.
Fevereiro 15, 2021, 14:54:45
Boa semana para todos.
Fevereiro 14, 2021, 15:29:30
Bom domingo para todos.
Fevereiro 13, 2021, 18:43:03
Boa noite  e boas escritas.
Fevereiro 13, 2021, 16:07:55
Bom sábado para todos.
Fevereiro 12, 2021, 15:10:54
Boa sexta para todos.
Fevereiro 11, 2021, 18:15:43
Boa noite a todos os presentes e aos outros também.
Fevereiro 10, 2021, 17:37:17
Boa tarde a todos.
Fevereiro 09, 2021, 20:11:23
Boa noite para todos.
Fevereiro 08, 2021, 17:06:00
Boa tarde para todos.
Fevereiro 06, 2021, 16:34:50
Boa tarde feliz para todos
Fevereiro 01, 2021, 15:26:42
Bom Fevereiro de boas memórias.
Janeiro 31, 2021, 17:07:34
Boa tarde feliz para todos.
Janeiro 30, 2021, 16:48:55
Boa tarde feliz para todos
Janeiro 23, 2021, 14:51:16
Boa tarde para todos.
Janeiro 21, 2021, 11:44:25
Bom dia feliz para todos
Abril 04, 2020, 09:57:10
Bom dia para todos!
Março 20, 2020, 15:06:31
Olá para todos!
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.178 segundos com 28 procedimentos.