EscritArtes
Março 05, 2021, 15:50:04 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: A Cláudia  (Lida 162 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Maria Gabriela de Sá
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 1023
Convidados: 0



« em: Janeiro 26, 2021, 21:14:54 »

          â€œEntão como estás, minha querida?”
          â€œNa mesma, tia”, na mesma”
          Desde que a Covid lhe bateu à porta, nunca mais falámos ao telefone sem este assunto ser aflorado logo de início, antes mesmo de lhe perguntar pelo marido e pelo filho, bem como dos sucessos deste na escola. Sobretudo das teimosias que tanto a aborrecem. A primeira é o Tiago, um miúdo com doze anos, não gostar da língua portuguesa e muito menos de ler. Diz que os livros que lhe são impingidos são todos demasiado infantis. Harry Potter incluído. Ele que, antes dos quatro anos, já lia os preços dos bens no supermercado e aos seis, ou por volta disso, falava dos cogumelos tratando-os pela designação latina.
          A mãe, a Cláudia, foi logo infectada na primeira vaga, Março, antes do uso obrigatório da máscara. Ela bem lavava as mãos e desinfectava sobretudo o volante do carro em que ensina os candidatos a conduzir, os puxadores das portas e o tablier, mas não lhe valeu de nada. Um dia, a uma hora em que não era suposto dar-se aquela aula, apareceu-lhe lá uma jovem que nem sequer era sua aluna. Pretendia aproveitar a estadia no Porto para aprender mais um bocado da condução, a fim de  um dia poder vir em transporte próprio e sem precisar de esperar pelos  horários da camioneta. A Cláudia, tendo disponibilidade horária, foi indigitada pela escola para fazer o gancho. A rapariga vinha de Castro Daire, trazia uma tosse esquisita e disse que, lá pela terra, a Gripe A andava desenfreada a fazer vítimas.
          Passados uns dias, foi a Cláudia a sentir-se esquisita, quase desmaiou, e, embora sem tosse nem febre, tinha perdido o olfacto e o paladar.
          A seguir, ficou duplamente em casa: por via do confinamento e da doença. Não lhe fizeram o teste atempadamente, e quando, por fim, se lembraram de lho fazer, o resultado foi negativo. Duas vezes.
          Depois, o surto no lar de idosos em Castro Daire fê-la pensar:
          â€œDeus me perdoe, tia se com isto peco, mas eu tenho quase a certeza de que foi a rapariga que mo transmitiu”.
          â€œÃ‰ bem provável”.
          â€œEu não sei se foi o destino ou o raio que o parta, mas tinha de sobrar para mim. Os meus colegas bem me disseram depois, “devias ter recusado”. Mas a rapariga também não teve culpa”.
          Hoje, mais de dez meses passados, a Cláudia continua sem paladar e sem olfacto. Já foi ao médico, pelo menos uma vez, e este diz que tanto um como outro podem nunca voltar.
          A Cláudia tem vindo a habituar-se à nova condição. Mas, diz que tem saudades de cheiros como a maresia, terra molhada e até dos da cozinha, que tantas vezes invadem a casa antecipando uma refeição apetitosa à mesa com todos. Come broa com azeitonas de memória, e lembra-se de quanto aquilo lhe sabia bem. Com resignação, faz o mesmo com todas as coisas, umas tripas à moda do Porto, ou um arroz de favas tenrinhas com uma costeleta de porco, mas, diz ela, está viva graças a Deus e pode continuar a tratar do filho, sentir o amor da família e o afecto dos amigos.
          Conseguiu, entretanto, a proeza de distinguir o doce do salgado. E, como pode, lá vai cozinhando para os três quando não tem de ser o marido a fazê-lo por ela estar a trabalhar.
           Agora, na maioria das vezes, é ele a rectificar, ou ratificar, o sal que ela coloca na comida como colocava antes por ter a mão mais ou menos calhada para a função. Mas corre o risco de um dia, sem querer, fazer uma salmoura intragável, se por acaso a panela tiver de aumentar ou diminuir conforme o número de pessoas que tenha sentado à mesa.
          Um dia destes fez um tachão de Feijoada à Transmontana. Distribui-a depois por uns amigos e pelos pais. Toda a gente elogiou a feijoada, mas a Cláudia só a pode comer como, de resto, come todas as coisas, com a memória. Não sabe se algum dia voltará a comer com o prazer de outrora, quando azeitonas com broa eram azeitonas com broa e não uma coisa que, para a sua língua e papilas gustativas, é igual a todas as outras, apenas diferente na textura, no toque e sobretudo ao olhar.  
          Ã€s vezes o Tiago brinca com a mãe por causa do cheiro, quando este é desagradável. Há tempos, era ainda verão, ela foi buscar o filho à escola e tiveram o azar de seguir atrás de um camião do lixo que destilava um cheiro nauseabundo.
          â€œUi mãe, que fedor! Não sentes?”
          â€œNão filho, nem uma pontinha”.
          â€œNão sabes a sorte que tens!”
          â€œAchas, filho?
          â€œEstou a brincar, mãe”.
          â€œQuem me dera poder sentir todos os cheiros, Até este, que sei que não é nada agradável”.
          Na escola de condução em que a Cláudia é instrutora, o seu contágio por uma doença tão terrível é quase tabu. Não que ela seja olhada como uma tuberculosa e segregada, como, sessenta anos atrás, eram tratados os tuberculosos. Mas para os colegas e até alunos, como para muita gente, é quase um castigo alguém ser apanhado nas garras de um vírus tão terrível. E se, por acaso, quando ela está a tomar um café ou a beber um sumo, alguém aborda o assunto, fá-lo em segredo como se a doença pertencesse ao domínio do paranormal em que é sempre tão difícil acreditar.  
          A Cláudia lá vai vivendo a sua realidade. De novo confinada, de cinco sentidos antes da maldita pandemia, ficou apenas com três. E talvez ela passe agora a ver e a ouvir o mundo com outros olhos e outros ouvidos, porque o tacto para abraçar e beijar os que lhe são queridos tê-los-á certamente intactos quando todos e cada um de nós deixarmos de ser a ilha em que que a maldita Covid 19 nos transformou.
« Última modificação: Janeiro 31, 2021, 19:23:46 por Maria Gabriela de Sá » Registado

Dizem de mim que talvez valha a pena conhecer-me.
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Março 04, 2021, 21:10:40 ]

[Março 04, 2021, 20:59:45 ]

[Março 04, 2021, 20:57:58 ]

[Março 04, 2021, 20:37:35 ]

[Março 04, 2021, 11:03:39 ]

[Março 04, 2021, 02:51:45 ]

[Março 04, 2021, 02:48:51 ]

[Março 03, 2021, 19:28:01 ]

[Março 03, 2021, 19:25:47 ]

[Março 03, 2021, 19:24:48 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 129225
Total de Tópicos: 26473
Online hoje: 134
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 2
Convidados: 76
Total: 78
Últimas 30 mensagens:
Março 04, 2021, 20:58:41
Boa quinta para todos.
Março 03, 2021, 19:28:19
Boa noite para todos.
Março 02, 2021, 20:10:50
Boa noite feliz para todos.
Fevereiro 28, 2021, 17:12:44
Bom domingo para todos.
Fevereiro 26, 2021, 21:31:48
Bom fim de semana para tod@s.
Fevereiro 25, 2021, 20:52:03
Boa noite a todos.
Fevereiro 24, 2021, 20:43:45
Boa noite a todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:46:56
Uma boa semana para todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:43:41
Sejam muito bem vind@s
Fevereiro 22, 2021, 16:41:57
Boa tarde a todos.
Fevereiro 18, 2021, 20:52:07
Boa noite a todos.
Fevereiro 17, 2021, 19:09:25
Boa quarta para todos.
Fevereiro 16, 2021, 19:10:20
Boa noite a todos os presentes.
Fevereiro 15, 2021, 14:54:45
Boa semana para todos.
Fevereiro 14, 2021, 15:29:30
Bom domingo para todos.
Fevereiro 13, 2021, 18:43:03
Boa noite  e boas escritas.
Fevereiro 13, 2021, 16:07:55
Bom sábado para todos.
Fevereiro 12, 2021, 15:10:54
Boa sexta para todos.
Fevereiro 11, 2021, 18:15:43
Boa noite a todos os presentes e aos outros também.
Fevereiro 10, 2021, 17:37:17
Boa tarde a todos.
Fevereiro 09, 2021, 20:11:23
Boa noite para todos.
Fevereiro 08, 2021, 17:06:00
Boa tarde para todos.
Fevereiro 06, 2021, 16:34:50
Boa tarde feliz para todos
Fevereiro 01, 2021, 15:26:42
Bom Fevereiro de boas memórias.
Janeiro 31, 2021, 17:07:34
Boa tarde feliz para todos.
Janeiro 30, 2021, 16:48:55
Boa tarde feliz para todos
Janeiro 23, 2021, 14:51:16
Boa tarde para todos.
Janeiro 21, 2021, 11:44:25
Bom dia feliz para todos
Abril 04, 2020, 09:57:10
Bom dia para todos!
Março 20, 2020, 15:06:31
Olá para todos!
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.144 segundos com 28 procedimentos.