EscritArtes
Dezembro 02, 2021, 05:10:44 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: A 4ª visita  (Lida 319 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
gdec2001
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 2220
Convidados: 0



« em: Abril 13, 2021, 19:57:38 »


Ai de vós! Esta visita não me deixou ainda satisfeito. É certo que, tal como prometera, foi uma visita pura e simples, despida dos ornamentos que sobrecarregaram as outras e lhes emprestaram por assim dizer -e não me ocorre palavra mais absurda- um significado. Mas acreditando que devia mais, à complacência com que tendes escutado o meu discurso, imaginei servir-vos a descrição da visita das visitas. aquela que fosse como que o resumo de todas as que fiz, das que descrevi e principalmente das que não pude fazer e também daquelas que a decência não me permite relatar.
   O acaso -chamemos-lhe assim à falta de melhor- serviu-me, creio que da melhor maneira, as intenções.
   A 4ª  visita_ Revestido pelo uniforme oficial e ostentando todas as condecorações e faixas e ainda a máscara adequada à dignidade do meu cargo, achei-me numa rua larga, longa e fresca como não há muitas para percorrer. No entanto, não avançava melhor que um nadador através de um mar de pegajosos sargaços. E tudo porque tinha de fazer os costumados trejeitos à esquerda e à direita, para corresponder aos respeitosos cumprimentos dos que, desta maneira, se propunham, disfarçadamente, dificultar o meu avanço. O que me valeu foi que à medida que aumentava o número dos transeuntes , rareava o dos que me reconheciam..
   Quando deixei de ter de saudá-los, pude, enfim, distrair-me. Primeiramente distrai-me dos membros inferiores e o meu caminhar tornou-se logo mais fácil. A multidão ia também tomando posse do resto do meu corpo à medida que engrossava à minha volta e em breve, nem mesmo me era possível apurar se a cabeça me pertenceria. De facto os nossos pensamentos vibravam em uníssono e foi assim que, antes de o ver, já vira o lugar para onde nos dirigíamos. Era um enorme recinto que a costumada e anfiteátrica bancada circundava. A multidão, reparei, apontava para mim e ria mas era um riso alegre , empurrando-me para a arena. Quando ali cheguei experimentei as minha habilidades  -que outra coisa poderia fazer?- executando na perfeição três mortais a seguir, que terminaram -e aí é que estava a novidade- na posição horizontal.
   Dificilmente pude suportar a ofensiva dos aplausos de uma qualidade que eu -tão habituado a eles- desconhecia. Em vez da costumada ondulação sonora, o que chegou até mim foi uma vaga de verdadeira luz; vede se não me espantaria!
   Nela banhado, continuei com o segundo número que consistia simplesmente em passar da posição horizontal à vertical -e sabeis como tinha disso experiência- mas de modo tal que parecesse puxado por um fio que me ligasse a cabeça a algum espectador que ocupasse exatamente a bancada superior do lado para onde olhavam os meus pés; ou seja , explicando melhor e com menos palavras: como os teimosos de feira.
   O êxito desta simples operação não é para ser contado com palavras.
   Apareceu então um patusco vestido como um palhaço que me ofereceu um violino. Agradeci-lhe com o costumado pontapé e pus-me a tocar com todo o sentimento de que sou capaz -creio já ter mostrado que sou capaz de muito sentimento- e a cantar.
   Cantava:
   
   Se eu me deixasse mostrar
   aos saltos no meio da rua
   em vez de impor-me amarrado
   no fundo não sei de quê
   mas tão no fundo do fundo
   que ninguém me ouve e vê
   quem me olhasse e quem me visse
   -o quem que amarra o que via-
   talvez se risse.

   Mas se o que eu tenho amarrado
   no fundo não sei de quê
   deixasse que eu me mostrasse
   em vez de ter-me amarrado
   no fundo fundo do fundo
   não sei de quê
   mas tão fundo e tão profundo
   que ninguém me ouve e vê
   quem me visse e quem me olhasse
   -o quem que amarra o que amarra
   o que veria-
   talvez chorasse
   etc., etc.,etc.
   
   Mas não consegui levar até ao fim, de uma só vez, a cantiguinha porque apesar da suavidade da música e da não menor suavidade com que manejava o instrumento não tardou que a corda mais grossa rebentasse com um estrondo que assustando-me, me fez repetir num abrir e fechar de olhos os dois números anteriores. O entusiasmo que tal cena despertou na assistência deve ter começado a preocupar seriamente as autoridades daquela terra, se é que tinham alguma noção dos seus deveres; eu cá continuei a tocar sem qualquer perturbação pois as três cordas restantes eram mais do que suficientes. Foi talvez por isso que a segunda corda não tardou a seguir o exemplo da primeira, do que não deixei de apresentar desculpas ao público com gestos adequados; e o público retribuiu a minha delicadeza com aquelas rebrilhantes gargalhadas que caiam feitas luz na arena em que eu, livre, evoluía.
   Procurei então acabar a minha área servindo-me das outras cordas e não me estava a sair mal -viam-se lágrimas em muitos olhos- quando a penúltima corda faleceu. Desatei a chorar como um menino e todos choraram e riram comigo durante algum tempo. Restava-me precisamente a corda mais miudinha. Acreditar-me-eis se vos disser que era agora que a música saía mais pura ? Mais…mais…isso.
   Esperava de um momento para o outro ficar também sem aquela frágil companheira mas o certo é que cheguei sem novo acidente ao fim da sinfonia.
   O público não levou isso a bem e para o satisfazer ataquei uma marcha bem militar. Aguentei-me nela durante um andamento completo sob os assobios da assistência que, como é sabido, gosta de assobiar as marchas ; comecei a enraivecer-me e achando ali uma vassoura deitei fora o arco e continuei a marcha com ela; embora não se notasse diferença na música, o público aplaudia agora gostosamente mas a minha raiva não parava de crescer; arrumei a vassoura e passei a tocar brandindo o violino  de encontro às cordas do trapézio, às cadeiras desocupadas da primeira fila e às grades da jaula dos leões. Acabada a marcha exibi desesperadamente o que restava do instrumento -uma tábua miúda sobre a qual, bem esticada, se distinguia a intrépida cordazinha.
   Infelizmente mal me cheguei a aquecer à luz dos derradeiros aplausos porque logo caiu sobre mim, como um espesso nevoeiro, o mais terrível dos silêncios. Deixei então de distinguir as coisas à minha volta e pude enfim olhar-me; reparei que com os movimentos desordenados que fizera, me esfarrapara todo, perdera as minhas faixas e condecorações, deixara cair a máscara.
   Todos puderam, desta arte, ver o logro em que haviam caído  e não tardou que com quatro pontapés no lugar adequado, me  encontrasse novamente na rua. Empreendi então o difícil caminho do regresso e chegado à minha cidade com facilidade me refiz dos efeitos desta forçada, curta e desastrosa mas total. digamos assim, visita.
   Não vos enganeis porém com o seu significado, nem vos esqueçais que foi inteiramente a obra do embuste.
   
   Geraldes de Carvalho
de “O CAMINHO” Lourenço Marques 1974
Registado

Geraldes de Carvalho
http://gdecseeufossfosse-gdec.blogspot.pt
          -este é meu blog-
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Novembro 28, 2021, 00:28:59 ]

[Novembro 27, 2021, 23:09:39 ]

[Novembro 24, 2021, 19:23:18 ]

[Novembro 24, 2021, 14:54:25 ]

[Novembro 24, 2021, 14:50:11 ]

[Novembro 24, 2021, 14:47:03 ]

[Novembro 24, 2021, 14:43:33 ]

[Novembro 24, 2021, 14:39:08 ]

[Novembro 24, 2021, 14:35:56 ]

[Novembro 24, 2021, 14:31:22 ]
Membros
Total de Membros: 792
Ultimo: Leonardrox
Estatísticas
Total de Mensagens: 129529
Total de Tópicos: 26531
Online hoje: 261
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 290
Total: 290
Últimas 30 mensagens:
Outubro 14, 2021, 00:43:39
Obrigado, Administração, por avisar!
Setembro 14, 2021, 10:50:24
Bom dia. O site vai migrar para outra plataforma no dia 23 deste mês de setembro. Aconselha-se as pessoas a fazerem cópias de algum material que não tenham guardado em meios pessoais. Não está previsto perder-se nada, mas poderá acontecer. Obrigada.

Maio 10, 2021, 20:44:46
Boa noite feliz para todos
Maio 07, 2021, 15:30:47
Olá! Boas leituras e boas escritas!
Abril 12, 2021, 19:05:45
Boa noite a todos.
Abril 04, 2021, 17:43:19
Bom domingo para todos.
Março 29, 2021, 18:06:30
Boa semana para todos.
Março 27, 2021, 16:58:55
Boa tarde a todos.
Março 25, 2021, 20:24:17
Boia noite para todos.
Março 22, 2021, 20:50:10
Boa noite feliz para todos.
Março 17, 2021, 15:04:15
Boa tarde a todos.
Março 16, 2021, 12:35:25
Olá para todos!
Março 13, 2021, 17:52:36
Olá para todos!
Março 10, 2021, 20:33:13
Boa feliz noite para todos.
Março 05, 2021, 20:17:07
Bom fim de semana para todos
Março 04, 2021, 20:58:41
Boa quinta para todos.
Março 03, 2021, 19:28:19
Boa noite para todos.
Março 02, 2021, 20:10:50
Boa noite feliz para todos.
Fevereiro 28, 2021, 17:12:44
Bom domingo para todos.
Fevereiro 26, 2021, 21:31:48
Bom fim de semana para tod@s.
Fevereiro 25, 2021, 20:52:03
Boa noite a todos.
Fevereiro 24, 2021, 20:43:45
Boa noite a todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:46:56
Uma boa semana para todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:43:41
Sejam muito bem vind@s
Fevereiro 22, 2021, 16:41:57
Boa tarde a todos.
Fevereiro 18, 2021, 20:52:07
Boa noite a todos.
Fevereiro 17, 2021, 19:09:25
Boa quarta para todos.
Fevereiro 16, 2021, 19:10:20
Boa noite a todos os presentes.
Fevereiro 15, 2021, 14:54:45
Boa semana para todos.
Fevereiro 14, 2021, 15:29:30
Bom domingo para todos.
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.106 segundos com 28 procedimentos.