EscritArtes
Outubro 31, 2020, 15:33:07 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Trazendo Penélope... (Guacira Maciel)  (Lida 1974 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Guacira
Membro da Casa
****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 481
Convidados: 0


« em: Julho 12, 2008, 19:48:17 »

Na verdade, essa história já foi alvo de bastante discussão e análise, talvez quase que no mundo todo e por vários autores. Porém, mesmo assim, gostaria de analisá-la sob o ponto de vista do amor – que é a minha proposta – e fiz essa escolha exatamente porque creio que existiu entre eles um amor muito intenso e recíproco, para começar, pelo fato inusitado à época, de um homem que seria considerado rude, ter tido a sensibilidade de dizer à mulher que lhe fora entregue por esposa, que poderia optar por não se casar com ele se não o quisesse.
Segundo alguns autores, Penélope teria sido a primeira mulher na história que pode decidir seu destino. Entretanto, faço outra leitura acerca do assunto: naquelas sociedades as mulheres não tinham autonomia para decidir o próprio destino e, geralmente, as uniões eram decididas entre os pais (elemento masculino) ou famílias do futuro casal, como ocorreu neste caso. Seu marido, no entanto, sensibilizado ao perceber que sofria por se ver obrigada àquele casamento, disse-lhe que estaria livre para voltar para casa, se assim o decidisse. Observo nessa atitude um ato amplo de amor ou generosidade, mas que partiu dele; ele lhe “permitiu” retornar à casa do pai. Ela não teve liberdade para decidir não casar; apenas pode optar entre duas alternativas que o marido lhe oferecera e mais, viveria sob a guarda e proteção de um homem ou de outro. Sem dúvida, ainda assim, existe um pioneirismo nessa história feminina, ainda que não tenha partido dela a ousadia de posicionar-se contra uma decisão masculina; mas quem surpreende,  verdadeiramente, é ele; àquela época, talvez nem ocorresse a um homem ocupar o pensamento e seu precioso tempo, que precisaria ser gasto em batalhas e conquistas, com coisas tão sutis como os sentimentos de sua mulher; alguns sequer demonstravam sensibilidade para isso. Em relação à mulher, geralmente, nem a chance de fazer opção lhe era concedido; por essa razão, sempre achei que poderia te-lo amado.
Quanto à segunda oportunidade de opção, restringe-se ao uso que fazia dos momentos de retiro compulsório de que dispunha, em função de ter que se recolher, por imposição de um filho adolescente grosseiro. Aí, sim, criou; escreveu seu texto, sua história, tecendo e desmanchando tanto a mortalha, quanto o pensamento, porque tinha um objetivo: não se casar com outro homem; a mortalha era apenas a desculpa enquanto encontrava uma saída para si. Talvez – vá se saber! – ela estivesse pensando em, além de se preservar com o estado de espírito em que o marido a deixara antes de partir (supondo-se que acreditasse na sua morte, coisas que o coração às vezes sabe mais que a razão), na medida em que  lhe  dera  chance  de  fazer uma opção em outro momento, ainda que entre duas alternativas suas – dele - ou então, ser fiel a si mesma, o que seria bastante significativo e inusitado. Penélope criou, elaborou o pensamento – teceu - fazendo  relações e utilizando   uma  estratégia  para  se  livrar  de  um  segundo casamento; mas  não pode simplesmente dizer em nenhuma das vezes: não, eu não quero me casar!
Sem poder decidir, ela fabricou uma oportunidade, utilizando uma desculpa: criar um texto na composição de uma mortalha que, na verdade, se constituiu a urdidura do seu texto: a decisão de não se casar; Penélope aprendeu a fazer opção (e gostou), a elaborar o pensamento, a lutar, com as armas de que dispunha contra o que não concordava e, sem dúvida, isso foi pioneirismo.  Decidir implica em liberdade para analisar, refletir e seguir um caminho usando o livre arbítrio a partir de referenciais pessoais; bem diferente de optar entre duas alternativas que nos são apresentadas, porque estas significam limites que não são os nossos, que são delineados por outrem, como um roteiro.
Para mim ela só foi livre quando engendrou, quando criou, quando teceu o pensamento, fez relações – como a urdidura - sua independência foi puramente criativa.
A idéia do tecer e tecer, que nossa Penélope usa como forma para ganhar tempo ou pensar em uma saída para não se casar, mesmo, como já disse, que o seu marido estivesse morto, nos remete à idéia de construção de uma teia feita por uma aranha feminina (o que não sei se é verdadeiro). E o que era ela, senão uma aranha solitária tecendo sua proteção contra os ataques, do filho, dos pretendentes, dos criados, da vida?...
Há uma outra questão importante a ser discutida voltando ao vanguardismo feminino; intimamente Penélope não se comportou dentro dos padrões da sua época, em relação à submissão feminina, especialmente das mulheres casadas. Vejamos o que diz Chico Buarque de Hollanda, em sua Mulheres de Atenas:

“elas não tem gosto ou vontade
nem defeito nem qualidade
têm medo apenas...”

E mais adiante:
“as jovens viúvas marcadas
e as gestantes abandonadas
não fazem cenas
vestem-se de negro se encolhem
se confortam e se recolhem...”
   
Penélope não fez isso! O equívoco que aponto, em se tratando dessa mulher, é que ela não se comportou exatamente como as mulheres daquela época, ainda que socialmente tivesse mantido a postura que dela era esperada. Tanto que o rei Agamenon sobre isso teria dito: “A alma do filho de Atreu exclamou: ditoso filho de Laertes, industrioso Ulisses, grande era o mérito da que tomaste por esposa. Nobre os sentimentos da irrepreensível Penélope, filha de Icário, que soube manter-se sempre fiel a seu esposo Ulisses! Por isso, jamais perecerá a fama de sua virtude, e os Imortais inspirarão aos homens belos cantos em louvor da prudência de Penélope...”
Bem, creio que a fidelidade teria sido muito mais a si mesma do que ao marido, mas prudente, ela foi, sim; e sábia! A mortalha a ser tecida, a meu ver, teria sido um ardil usado, porque sabia que esse costume seria respeitado por seu filho e pretendentes. Àquela época era usual as mulheres tecerem uma mortalha para familiares que estariam prestes a morrer. E o que fez ela em sua prudência? Anunciou que após tecer a mortalha para o sogro que, achou, morreria ao vê-la se casar outra vez, escolheria um dos pretendentes para marido. Aliado a isso, sabiamente finge uma subserviência que estava longe de sentir, acredito, usando inteligentemente um costume socialmente respeitado, enquanto tecia outra e consistente teia, como nossa velha conhecida aranha tece sua proteção.
Nessa urdidura ela lança mão dos mais variados fios: o costume da época e lugar, sua revolta por ver-se outra vez submetida às vontades alheias, quando já experimentara antes o gosto de poder optar , aliado ao fato de, simplesmente, decidir continuar com o estado de espírito que conquistara com a cumplicidade do marido. E mais, já experimentara no casamento, o comportamento dos homens, quando se tratava de preservar seus direitos naquela sociedade; de forma geral eram beberrões, agressivos, glutões, insensíveis, infiéis...Quereria correr esse risco?
Observemos que há estreita relação entre o ato de tecer e de pensar, porque quando pensamos construímos relações; criamos elos (como uma teia; como a urdidura que sustenta o tecido ou a trama que sustenta o texto) que  servirão  de  base  para o argumento que dará origem ao texto final.
 Neste momento, na elaboração da minha teia argumentativa, poderia me referir a Platão, que encontrara afinidade entre o tecer e formas de estar no mundo e na sociedade, quando diz que a atividade de um político se assemelha à da tecelagem, em que deverá saber cardar (separar os fios) e fiar, porque teria a missão de unir o tecido maior e o menor para adequar a vestimenta, ou seja, o resultado ( o texto) que nada mais seria, que a elaboração da trama que sustentaria sua argumentação quanto a ser esta missão uma arte; a de conduzir homens. 
E o que Penélope fez? Ela construiu uma trama – tramou – como base para sua argumentação/intençao de não se casar. Ela construiu duas tramas muito semelhantes e que se completam; pensou (uma trama) e teceu (outra trama), construindo dois textos que se entrelaçam, como um único, o texto final: não se casar. Fosse porque quisesse esperar um marido que não acreditara morto ou, simplesmente, estivesse bem ou ainda visse naquela mortalha o encerramento da sua possibilidade de amar; o fim de tudo – a satisfação interior.
À medida que tecia Penélope construía uma base fortalecida por nós que ia dando, para que o tecido final – texto – não se desfizesse, mas oferecesse a necessária consistência, com todo o rigor técnico. Assim, nada podia escapar à sua previsão ao desmanchar aquela malha que se constituíra a base da sua argumentação, consistente, para a recusa. Esses nós, como o pensamento, firmaram a urdidura que segurou a composição daquele texto.
Interessante, percebo que quanto mais penso, quanto mais teço o pensamento, quanto mais o elaboro, mais fios e os mais diversos, encontro para fundamentar o que preciso dizer; e mais relações encontro entre o ato de tecer, de tramar - e de viver - uma urdidura que sustentará a trama deste texto aqui.
No caso Penélope, extraordinariamente claro, encontro fios que pertencem a outros textos.  Mas o fio condutor foi o amor: por si mesma; pelo marido; pela liberdade. Essa foi uma construção, um texto escrito sobre firme urdidura. Aqui, me lembro  de certo pensador ter dito que o amor é uma construção e não um quarto pronto de hotel cinco estrelas. Percebem a sutileza? O amor é um texto, um resultado ou o fio condutor – complexo isso -. Agora, há outros sentimentos, outras paixões que transvertem o amor  como  ventos  fortes; chegam de repente; não têm uma existência urdida, tramada... são fugazes como fios soltos, embora não deixem de afetá-lo. Aí estaria, na minha opinião, uma verdadeira história de amor, um amor puro entre dois seres humanos simples, em que se detecta a firmeza em não se  deixar  contaminar  por  paixões  passageiras ou  submeter  o outro. Porque sabemos que Ulisses também tramou para se defender da Deusa Calipso, tapando com cera os ouvidos dos seus tripulantes para que não ouvissem o canto mortal que, equivocadamente, se pensava ser das sereias e se amarrando ao mastro do navio para não sucumbir, já que decidira ouvir esse canto... Embora não tenha sido criativo como a aranha encarnada por Penélope ao urdir toda uma teia argumentativa.
Perceberam que a minha própria argumentação se constituiu a urdidura do meu texto final: falar de amor, trazendo novos fios a uma trama já bastante elaborada? Que teci o pensamento como uma aranha a teia, e fui dando os nós que seguraram a trama firme da argumentação?  E o melhor, levei vocês a urdirem também, a elaborarem o pensamento fazendo as necessárias relações para a construção de outros textos sobre sua própria urdidura; outros tecidos.
Bom...

(Obs. peço compreensão quanto à forma como está escrito este texto (um certo ar professoral...risos...); isso deve-se ao fato de ser um fragmento de um trabalho de Arte Literária, para fins pedagógicos/cognitivos).
« Última modificação: Julho 13, 2008, 13:16:37 por Guacira » Registado
Homo Troglodytes
Visitante
« Responder #1 em: Julho 12, 2008, 20:14:31 »

Brilhante!
Registado
Mel de Carvalho
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 1660
Convidados: 0


"abraça o conteúdo e não a forma" Saint-Exupery


WWW
« Responder #2 em: Julho 12, 2008, 20:54:23 »

Querida Guacira,
depois do seu comentário em meu texto "Penélope", aqui no EA, http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,4928.0.html, vejo este seu magnifico trabalho. Resta-me agradecer-lhe, por ambos os momentos.

Pénelope é tudo isso: a capacidade de uma mulher de dizer não ao destino pré-determinado, ao determinismo da vida. A capacidade de ser livre ...

Deixo-lhe aqui um outro poema meu (não está no EA) http://noitedemel.blogs.sapo.pt/44294.html : "Mulheres de Atenas", como prova de carinho

Um enorme abraço
Mel
Registado

Mel de Carvalho
www.noitedemel.blogs.sapo.pt
www.noitedemel.blogspot.com (apenas prosa)

Mais sobre mim: http://www.escritartes.com/forum/index.php?page=20
____
MT.ATENÇÃO: CÓPIAS TOTAIS OU PARCIAIS EM BLOGS OU AFINS SÓ C/AUTORIZAÇÃO EXPRESSA
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18524
Convidados: 994



WWW
« Responder #3 em: Julho 12, 2008, 20:55:16 »

Uma excelente análise que me fez ganhar vontade de reler o livro...
Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o número: 358/2009 e 4659/2010
Guacira
Membro da Casa
****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 481
Convidados: 0


« Responder #4 em: Julho 12, 2008, 21:05:45 »

Obrigada a vocês, que muito me honram com seus comentários...
Mel, vou ler seu poema, sim; e sei que vou amar, como a tudo o que você escreve.
Beijos,
Guacira.
Registado
Laura
Visitante
« Responder #5 em: Julho 16, 2008, 20:41:01 »

Olha, Guacira, como disse o Homo Troglodytes, este teu texto, esta análise que fazes, é brilhante, mesmo! Tens uma mente que brilha. Mas também, se gostas de física...
Abraço,
Laura
Registado
Guacira
Membro da Casa
****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 481
Convidados: 0


« Responder #6 em: Julho 17, 2008, 00:15:21 »

Oi, Laura.

Obrigada, querida!... vindo de alguém como você, este comentário me deixa feliz ... mas que a física ajuda trazendo lucidez e compreensão acerca da vida, lá isso ajuda!...risos...
Obrigada e um beijo.
Guacira.
Registado
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Outubro 29, 2020, 21:55:10 ]

[Outubro 27, 2020, 19:37:34 ]

[Outubro 27, 2020, 12:19:27 ]

[Outubro 25, 2020, 16:29:53 ]

[Outubro 25, 2020, 03:17:31 ]

[Outubro 24, 2020, 18:15:24 ]

[Outubro 23, 2020, 13:20:55 ]

[Outubro 22, 2020, 16:30:27 ]

[Outubro 18, 2020, 12:14:37 ]

[Outubro 16, 2020, 01:10:35 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 128718
Total de Tópicos: 26426
Online hoje: 261
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 2
Convidados: 226
Total: 228
Últimas 30 mensagens:
Abril 04, 2020, 09:57:10
Bom dia para todos!
Março 20, 2020, 15:06:31
Olá para todos!
Março 19, 2020, 22:59:05
Olá para todos! Espero que estejam bem, na medida do possível!
Fevereiro 18, 2020, 18:50:53
Olá Margarida. Seja bem aparecida.
Fevereiro 18, 2020, 18:41:32
Boas!
Fevereiro 10, 2020, 19:37:51
Boa noite!
Janeiro 29, 2020, 20:06:36
Oi pessoal. FigasAbraço
Janeiro 27, 2020, 20:16:38
Boa noite a todos
Janeiro 15, 2020, 17:52:14
Boa tarde a todos
Janeiro 10, 2020, 14:03:15
Boa tarde a todos
Janeiro 06, 2020, 14:46:26
Boa tarde a todos
Janeiro 01, 2020, 20:02:37
Bom ano feliz para todos.
Janeiro 01, 2020, 10:32:02
Bom Ano!
Dezembro 18, 2019, 16:48:08
Boa tarde!
Dezembro 06, 2019, 20:13:01
Boa noite feliz para todos
Dezembro 02, 2019, 21:57:04
Boa noite feliz para todos.
Dezembro 01, 2019, 19:51:29
Boa noite feliz para todos
Dezembro 01, 2019, 18:52:15
Boa noite!
Novembro 29, 2019, 20:32:37
Boa noite feliz para todos.
Novembro 29, 2019, 17:37:17
Boa tarde!
Novembro 29, 2019, 17:35:53
Boa tarde a todos!
Novembro 12, 2019, 18:18:18
um abraço para a administração, para quem dinamiza este espaço, seja como escritor, como leitor, como comentador.
Novembro 12, 2019, 18:15:54
margarida, plenamente de acordo.
Novembro 11, 2019, 11:31:31
Bom dia. Se todos fizerem igual, não há comentários.
Novembro 09, 2019, 14:53:10
Oi Dionísio. Obrigado pelo teu comentário. Desculpa eu ser relapso a fazer muitos comentários. Evito-os, para não  louvar uns ou criticar outros. Prefiro ficar na minha, ficar no que me parece. O meu principio geral: escrever, quem lê lê, quem não lê não lê. Ponto. Leio poesia d'outros, m
Novembro 01, 2019, 14:41:40
Boa tarde  todos. Os que estão e os que virão.
Outubro 31, 2019, 14:58:38
Parabéns, Figas. Parabéns a todos os que lêem e que escrevem, parabéns a todos os que partilham escritas e comentários.
 
Outubro 10, 2019, 12:24:06
Bom dia. Hoje, andaei a pastar pelas 351 páginas da poesia e encontrei 32 poemas meus, milionários de leituras. com média de 1209 leituras cada. Obrigado a todos os meus contribuintes de lucros poéticos. FigasAbração, a todos. Nota: O Campeão é o Linguagem Decente, com 3692 leituras.Viva a D
Julho 29, 2019, 22:55:56
Olá para todos! Boas histórias e boas escritas!
Julho 02, 2019, 07:05:22
Bom dia!
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.238 segundos com 29 procedimentos.