EscritArtes
Agosto 14, 2020, 08:43:29 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: 1 [2]  Todas   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: O ano da morte de Ricardo Reis  (Lida 4712 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
elvira
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 814
Convidados: 0



« Responder #15 em: Setembro 26, 2008, 14:44:51 »

Olá Tim, como gosta de ler mando-lhe este texto, comente

Há uma cidade a rebentar na humidade vertiginosa da noite e um homem com olhar de açucar encostado ao néon melancólico das esquinas espera o próximo shoot de herína... há uma cidade por baixo da pele e umacasa de sangue cagulado na memória atravessada por canos rotos e um corpo pingando mágoas... há uma cidade de alarmes e um tilt lancinante de flipper dentro de um pulmão adolescente e uma dor de chuva fustigando o sexo adormecido no soalho do quarto da pensão...há uma cidade de visco e de esperma ressequido e uma pastilha elástica presa ao fundo dum copo...há um sorriso e um engate e um camone e um arrebenta e uma boca de lodo aberta sobre o rio... há uma cidade defome e lixoe enquanto o ciúme escorrega das mãos dos amantes... há um dedo de láminas usadas e um beco sem saida onde se enroscou um puto e um cão de febre...há uma cidade crescendo no grito e na gasolina no fogo nocturno da minha vertigem presa nas alturas de cimento armado onde coabitam sexos mergulhados em naftalina... há uma navalha cortando o betão  das avenidas eum pássaro de enxofre nas feridas duras dos cabelos...há uma cidade de estátuas desmanteladas contra o espelho  dum bordel  e a luz do teu olhar dentro duma janela antiga...há uma cidadeque se escapa para fora da noite espia avança e mata...há uma cidade de trapos queimados e de vozes ardendo e uma toalha para limpar o sono dos poucos brinquedos...há uma alucinação furiosa que me incendeia a veia e revela teu rosto lívido que se suicida... há uma cidade de papel engordurado que eu amachuco com o pânico nos dentes e todo o meu corpo  sangra... treme... e tem medo... e morre
Al Berto

Registado
Tim_booth
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 698
Convidados: 1


Queria escrever à velocidade com que penso.


WWW
« Responder #16 em: Setembro 26, 2008, 22:03:34 »

Há uma cidade a rebentar na humidade vertiginosa da noite e um homem com olhar de açúcar encostado ao néon melancólico das esquinas espera o próximo shoot de heroína... há uma cidade por baixo da pele e uma casa de sangue coagulado na memória atravessada por canos rotos e um corpo pingando mágoas... há uma cidade de alarmes e um tilt lancinante de flipper dentro de um pulmão adolescente e uma dor de chuva fustigando o sexo adormecido no soalho do quarto da pensão...há uma cidade de visco e de esperma ressequido e uma pastilha elástica presa ao fundo dum copo...há um sorriso e um engate e um camone e um arrebenta e uma boca de lodo aberta sobre o rio... há uma cidade de fome e lixo e enquanto o ciúme escorrega das mãos dos amantes... há um dedo de laminas usadas e um beco sem saída onde se enroscou um puto e um cão de febre...há uma cidade crescendo no grito e na gasolina no fogo nocturno da minha vertigem presa nas alturas de cimento armado onde coabitam sexos mergulhados em naftalina... há uma navalha cortando o betão  das avenidas eum pássaro de enxofre nas feridas duras dos cabelos...há uma cidade de estátuas desmanteladas contra o espelho  dum bordel  e a luz do teu olhar dentro duma janela antiga...há uma cidade que se escapa para fora da noite espia avança e mata...há uma cidade de trapos queimados e de vozes ardendo e uma toalha para limpar o sono dos poucos brinquedos...há uma alucinação furiosa que me incendeia a veia e revela teu rosto lívido que se suicida... há uma cidade de papel engordurado que eu amachuco com o pânico nos dentes e todo o meu corpo  sangra... treme... e tem medo... e morre
Al Berto

Desafio aceite, Elvira.

Antes de mais, comentar algo de Al Berto é terrivelmente difícil. Um poeta genial, embora de obra relativamente curta, não consegue evitar deixar a sua prosa despida de poesia e poesia não é de todo a área em que mais me sinto à vontade. Dito isto, vejo neste texto um exemplo claro da prosa poética, a constante repetição de "Há uma cidade" que ritma a leitura e nos remete para a cidade que, aos olhos de Al Berto, não é mais que a própria humanidade, cada vez mais decadente. O que de diferente traz o texto é precisamente a falta de moral com que se fala desta cidade, apenas se relata, não se julga. O que eu anteriormente qualifiquei como 'decadente', para o autor simplesmente é. Ao longo da visão que nos vai descrevendo, o texto vai-se envermelhecendo de sangue, o leitor vai emergindo numa cidade escura, violenta, leviana e real, tão real como a morte, até não suportar mais, nem leitor nem autor, a visão que tem. Clímax desta morte, a visão de o único rosto que parece escapar ao ambiente da restante cidade, o 'teu' que desaparece e, com ele, também a visão do autor, em raiva e tristeza, não com a tal decadência subentendida, mas com o fim do que de bom tem a humanidade. Perdão, a cidade.

Aceitam-se outras interpretações, go on...

Cheers
Registado

elvira
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 814
Convidados: 0



« Responder #17 em: Setembro 29, 2008, 11:48:31 »

Olá Tim,começo por lhê dizer que não conheço a obra de AL Berto, este texto veio-me parar ás mãos por acaso, o meu marido andou a fazer o mestrado de Literatura comparada, na faculdade de letras do Porto, onde tiveram que estudar vários autores, entre  essa  papelada toda  vi esse texto, e logo me identifiquei com essa escrita. Tabem este autor, nos põe a reflectir sobre nós, enquanto inseridos nesta conturbada sociedade.Bjs ELvira
Registado
Laura
Visitante
« Responder #18 em: Outubro 09, 2008, 22:24:42 »

Espantoso o texto do Al Berto. Espantosa a análise do Tim. Espantoso, para mim também, como vivo na cidade e não vivo na cidade.
Registado
Páginas: 1 [2]  Todas   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Agosto 13, 2020, 21:55:26 ]

[Agosto 13, 2020, 12:29:27 ]

[Agosto 12, 2020, 22:44:27 ]

[Agosto 12, 2020, 21:13:11 ]

[Agosto 11, 2020, 18:01:42 ]

[Agosto 10, 2020, 09:27:00 ]

[Agosto 10, 2020, 09:21:19 ]

[Agosto 04, 2020, 16:00:16 ]

[Agosto 02, 2020, 19:29:11 ]

[Agosto 02, 2020, 19:24:53 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 128576
Total de Tópicos: 26404
Online hoje: 202
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 326
Total: 326
Últimas 30 mensagens:
Abril 04, 2020, 09:57:10
Bom dia para todos!
Março 20, 2020, 15:06:31
Olá para todos!
Março 19, 2020, 22:59:05
Olá para todos! Espero que estejam bem, na medida do possível!
Fevereiro 18, 2020, 18:50:53
Olá Margarida. Seja bem aparecida.
Fevereiro 18, 2020, 18:41:32
Boas!
Fevereiro 10, 2020, 19:37:51
Boa noite!
Janeiro 29, 2020, 20:06:36
Oi pessoal. FigasAbraço
Janeiro 27, 2020, 20:16:38
Boa noite a todos
Janeiro 15, 2020, 17:52:14
Boa tarde a todos
Janeiro 10, 2020, 14:03:15
Boa tarde a todos
Janeiro 06, 2020, 14:46:26
Boa tarde a todos
Janeiro 01, 2020, 20:02:37
Bom ano feliz para todos.
Janeiro 01, 2020, 10:32:02
Bom Ano!
Dezembro 18, 2019, 16:48:08
Boa tarde!
Dezembro 06, 2019, 20:13:01
Boa noite feliz para todos
Dezembro 02, 2019, 21:57:04
Boa noite feliz para todos.
Dezembro 01, 2019, 19:51:29
Boa noite feliz para todos
Dezembro 01, 2019, 18:52:15
Boa noite!
Novembro 29, 2019, 20:32:37
Boa noite feliz para todos.
Novembro 29, 2019, 17:37:17
Boa tarde!
Novembro 29, 2019, 17:35:53
Boa tarde a todos!
Novembro 12, 2019, 18:18:18
um abraço para a administração, para quem dinamiza este espaço, seja como escritor, como leitor, como comentador.
Novembro 12, 2019, 18:15:54
margarida, plenamente de acordo.
Novembro 11, 2019, 11:31:31
Bom dia. Se todos fizerem igual, não há comentários.
Novembro 09, 2019, 14:53:10
Oi Dionísio. Obrigado pelo teu comentário. Desculpa eu ser relapso a fazer muitos comentários. Evito-os, para não  louvar uns ou criticar outros. Prefiro ficar na minha, ficar no que me parece. O meu principio geral: escrever, quem lê lê, quem não lê não lê. Ponto. Leio poesia d'outros, m
Novembro 01, 2019, 14:41:40
Boa tarde  todos. Os que estão e os que virão.
Outubro 31, 2019, 14:58:38
Parabéns, Figas. Parabéns a todos os que lêem e que escrevem, parabéns a todos os que partilham escritas e comentários.
 
Outubro 10, 2019, 12:24:06
Bom dia. Hoje, andaei a pastar pelas 351 páginas da poesia e encontrei 32 poemas meus, milionários de leituras. com média de 1209 leituras cada. Obrigado a todos os meus contribuintes de lucros poéticos. FigasAbração, a todos. Nota: O Campeão é o Linguagem Decente, com 3692 leituras.Viva a D
Julho 29, 2019, 22:55:56
Olá para todos! Boas histórias e boas escritas!
Julho 02, 2019, 07:05:22
Bom dia!
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.377 segundos com 28 procedimentos.