EscritArtes
Fevereiro 27, 2021, 17:48:05 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Os Cus de Judas  (Lida 2663 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Tim_booth
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 698
Convidados: 1


Queria escrever à velocidade com que penso.


WWW
« em: Outubro 01, 2008, 23:02:21 »

Citar
Eu estava farto da guerra, Sofia, farto da obstinada maldade da guerra e de escutar, na cama, os protestos dos camaradas assassinados que me perseguiam no meu sono, pedindo-me que os não deixasse apodrecer emparedados nos seus caixões de chumbo, inquietantes e frios como os perfis das oliveiras, farto de ser larva entre larvas na câmara ardente da messe que o motor da electricidade aclarava nas vacilações hesitantes de desmaio, farto do jogo das damas dos capitães idosos e das melancólicas piadas dos alferes, farto de trabalhar, noite após noite, na enfermaria, molhado até aos cotovelos do sangue viscoso e quente dos feridos.
- António Lobo Antunes, Os Cus de Judas



Mais uma obra de Lobo Antunes, mais um grito de desespero, de dor, violenta dor, que o autor lança ferozmente nas páginas de uma das suas mais famosas criações,Os Cus de Judas. O génio do eterno candidato ao Nobel português faz-se sentir aqui de uma forma bem mais óbvia do que na sua estreia. Em Memória de Elefante encontrávamos isso mesmo, um Lobo Antunes que escrevia memórias da memória, que procurava apagar bocados grandes daquilo que, a princípio, não queria revelar aos leitores mas que acabaram por explodir, tal como as granadas que decepavam os seus camaradas em Angola, nas páginas deste livro, tido por muitos como um dos mais significativos da carreira do mestre lusitano.

Mas antes de mais, vamos à história. Há um narrador, desta vez e ao contrário do que acontecia em Memória de Elefante a voz narrativa é clara, presente, no Portugal do pós 25 de Abril que num bar encontra uma mulher com quem decide partilhar a solidão de uma noite. Mais do que isso, decide partilhar os mais intímos destroços daquilo que são agora as suas memórias, agarradas pelo mesmo arame farpado que cercava o campo português nos vários lugarejos angolanos, nos vários Os Cus de Judas onde o médico esteve destacado. Ao longo do livro, invariavelmente, no início de cada capítulo o narrador interpela a sua companheira de noite com comentários mundanos, pode por exemplo falar acerca das pedras de whiskey no copo, comentar como ambos envelhecem, mas acaba sempre por voltar a sua atenção para os tempos de África que o estilhaçaram interiormente. Temos, portanto, por um lado o relato de duas pessoas sozinhas que passam a noite juntas desde o momento em que se conhecem no bar até à manhã em que uma delas se veste envergonhada para trabalhar, e, também, o relato que nunca se sabe muito bem até que ponto é exteriorizado pelo narrador sobre os locais por onde passou os seus vinte e sete meses de serviço militar.

E brutal não é suficiente para descrever o relato. Cada palavra com que Lobo Antunes se refere a África é como um punho bem cheio de areia do solo africano que nos é lançado aos olhos. Pior do que isso, é um punho cheio de areia da década de 60, lançada por um braço tatuado a caneta bic "Angola 67", um braço de raiva, de dor, de negro. Talvez por isso toda a narrativa se passe ao longo da noite e termine ao amanhecer. Para o narrador, aquilo que para si ou para a sua companheira vai contando é o período mais negro da sua vida. Quando amanhece na cidade, amanhece também nele uma resignação, um esquecimento daquilo que foi e nunca mais será antes de ter embarcado naquele navio para o continente africano.

As descrições dos camaradas que chegam feridos às tendas de campanha não precisam de ser detalhadas para nos contorcermos com dor; Lobo Antunes confia na força das palavras simples para fazer esse trabalho. Talvez porque mais do que palavras estão escritas neste livro, memórias, memórias verdadeiras, cicatrizes que nunca vão sarar, que nunca vão parar de doer nos dias mais frios dos Invernos mais frios e nos dias mais quentes, quando a serena tarde portuguesa faz lembrar o entardecer africano. Assim acaba por deixar o trabalho pesado para as palavras simples que iam sendo repetidas à sua volta, os "caralho, caralho, caralho" do enfermeiro ao ver o soldado que se suicidou, como já tinha sido referido em Memória de Elefante, numa das incursões pela guerra do narrador.

Parece existir uma certa curva descritiva do estado de sanidade mental do narrador em função dos meses que passou em Angola - enquanto que nos primeiros o clima mais perceptível era o da ansiedade natural de quem sabe que está a lutar por coisas que não acredita, ao longo do relato vai-se confundindo com uma loucura ensurdecedora com o ponto mais alto dessa mesma loucura algures no capítulo N (isso mesmo, os capítulos estão numerados com letras) e que depois se vai dissipando numa acomodação destroçada no final do serviço cumprido. No final ficou a sombra do homem que saiu de Portugal.

"Estás mais magro" dizem-lhe as tias. A guerra não fez dele um homem, não faz de ninguém nada a não ser munição. E tal como munição, sobram as carcaças da pólvora no chão sujo. Este é o autor de Os Cus de Judas, munição gasta que vagueia por Lisboa, de bar em bar, à procura de voltar a sentir-se preenchido.

Escrito originalmente aqui.
Registado

Laura
Visitante
« Responder #1 em: Outubro 01, 2008, 23:43:41 »

“A guerra não fez dele um homem, não faz de ninguém nada a não ser munição.”

Mas os livros que escreveu fizeram dele um homem, e mais do que um homem, Tim. Mais uma vez, obrigada, pela maravilhosa leitura que nos deixas. Assim sentida por ti…

Registado
Tim_booth
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 698
Convidados: 1


Queria escrever à velocidade com que penso.


WWW
« Responder #2 em: Outubro 02, 2008, 10:26:28 »

Laura, é realmente uma leitura maravilhosa, sentida por mim ou não. E Lobo Antunes, se na guerra não se fez homem pelos padrões das suas tias, fez-se um homem dos maiores que nesta terra andam.

Conceição, aviso de amigo, este livro não é para leitores impressionáveis! Mas é um livro a não perder, quando tiveres tempo faz-te a ele!

Cheers
Registado
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18571
Convidados: 994



WWW
« Responder #3 em: Outubro 02, 2008, 18:51:00 »

Vale a pena ler Lobo Antunes. Duro e cru, apetece ler! Obrigada por este belo texto de opinião!
Abraço
Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o número: 358/2009 e 4659/2010
Tim_booth
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 698
Convidados: 1


Queria escrever à velocidade com que penso.


WWW
« Responder #4 em: Outubro 02, 2008, 19:43:39 »

Goreti, Lobo Antunes é assim mesmo, cru. E genial.

Conceição, força nele, ainda para mais agora há uma edição de bolso bem bonita e barata da LEYA, vale a pena!

Cheers
Registado
anamarques
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 757
Convidados: 0



« Responder #5 em: Outubro 07, 2008, 15:10:29 »

Bela crónica sobre um dos mais importantes livros que já li. Parabéns Tim. Foi através deste livro, desta escrita, da voz do António Lobo Antunes, que sem nunca ter lá estado, pude perceber o que é a guerra ( muito melhor do que vendo todos os filmes de guerra feitos até hoje). Qualquer guerra. E o pós-guerra. as feridas que não saram. É bom de ler e reler.
Registado
Tim_booth
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 698
Convidados: 1


Queria escrever à velocidade com que penso.


WWW
« Responder #6 em: Outubro 07, 2008, 18:12:05 »

É mesmo isso Ana, com este livro não ficamos a perceber o que é a guerra, ficamos a perceber o que é sobreviver depois da guerra... Obrigado pelo comentário.

Cheers
Registado
camila75
Novo por cá
*
Offline Offline

Mensagens: 10
Convidados: 0



WWW
« Responder #7 em: Outubro 10, 2008, 23:01:31 »

Este foi um dos meus livros de cabeceira durante muito tempo. Impressiona pela profundidade psicológica e intensidade com que o narrador nos transporta ao seu mundo de pesadelo interior, no qual se sente irremediavelmente só. Nós, tal como a sua companheira, somos ouvintes exteriores e distantes, incapazes de compreender a enormidade do que nos é transmitido. Como ele escreve a determinado momento, as nossas solidões nunca se tocam.   
A consciencialização é de facto um processo irreversível e há experiências que nos separam irremediavelmente dos outros e que não conseguimos partilhar.
Um outro livro excelente sobre este tema é o Coração das Trevas, de Joseph Conrad, que inspirou o filme Apocalipse Now.
Registado

Camila75
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Fevereiro 26, 2021, 21:31:03 ]

[Fevereiro 26, 2021, 21:29:02 ]

[Fevereiro 26, 2021, 19:06:02 ]

[Fevereiro 25, 2021, 21:23:33 ]

[Fevereiro 25, 2021, 21:05:56 ]

[Fevereiro 25, 2021, 20:57:24 ]

[Fevereiro 25, 2021, 20:56:01 ]

[Fevereiro 25, 2021, 20:54:45 ]

[Fevereiro 25, 2021, 20:51:22 ]

[Fevereiro 25, 2021, 16:54:29 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 129198
Total de Tópicos: 26472
Online hoje: 271
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 284
Total: 284
Últimas 30 mensagens:
Fevereiro 26, 2021, 21:31:48
Bom fim de semana para tod@s.
Fevereiro 25, 2021, 20:52:03
Boa noite a todos.
Fevereiro 24, 2021, 20:43:45
Boa noite a todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:46:56
Uma boa semana para todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:43:41
Sejam muito bem vind@s
Fevereiro 22, 2021, 16:41:57
Boa tarde a todos.
Fevereiro 18, 2021, 20:52:07
Boa noite a todos.
Fevereiro 17, 2021, 19:09:25
Boa quarta para todos.
Fevereiro 16, 2021, 19:10:20
Boa noite a todos os presentes.
Fevereiro 15, 2021, 14:54:45
Boa semana para todos.
Fevereiro 14, 2021, 15:29:30
Bom domingo para todos.
Fevereiro 13, 2021, 18:43:03
Boa noite  e boas escritas.
Fevereiro 13, 2021, 16:07:55
Bom sábado para todos.
Fevereiro 12, 2021, 15:10:54
Boa sexta para todos.
Fevereiro 11, 2021, 18:15:43
Boa noite a todos os presentes e aos outros também.
Fevereiro 10, 2021, 17:37:17
Boa tarde a todos.
Fevereiro 09, 2021, 20:11:23
Boa noite para todos.
Fevereiro 08, 2021, 17:06:00
Boa tarde para todos.
Fevereiro 06, 2021, 16:34:50
Boa tarde feliz para todos
Fevereiro 01, 2021, 15:26:42
Bom Fevereiro de boas memórias.
Janeiro 31, 2021, 17:07:34
Boa tarde feliz para todos.
Janeiro 30, 2021, 16:48:55
Boa tarde feliz para todos
Janeiro 23, 2021, 14:51:16
Boa tarde para todos.
Janeiro 21, 2021, 11:44:25
Bom dia feliz para todos
Abril 04, 2020, 09:57:10
Bom dia para todos!
Março 20, 2020, 15:06:31
Olá para todos!
Março 19, 2020, 22:59:05
Olá para todos! Espero que estejam bem, na medida do possível!
Fevereiro 18, 2020, 18:50:53
Olá Margarida. Seja bem aparecida.
Fevereiro 18, 2020, 18:41:32
Boas!
Fevereiro 10, 2020, 19:37:51
Boa noite!
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.729 segundos com 29 procedimentos.