EscritArtes
Março 25, 2023, 17:08:51 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Sortilégio19  (Lida 2388 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
gdec2001
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 2236
Convidados: 0



« em: Dezembro 18, 2013, 22:54:13 »


Ora; até me faz bem .
E contou:
Que o pai tinha morrido quando era ainda muito nova. Parece que era meio maluco, bebia muito e falava em verso. Era empregado na Câmara, da limpeza parece-me, mas ainda há muito pouco tempo, quando morreu de uma doença de que a minha mãe nem sabe dizer o nome, que é muito arrevesado.
A minha mãe, que também já gostava da bebida, passou a beber mais depois que o meu pai morreu e trabalhava de vez em quando a dias. Às vezes não tínhamos de comer.
A minha mãe conheceu então, um homem com quem passou a viver e que a meteu na linha. É também empregado na Câmara, encarregado de obras, ou coisa assim.
Vivi, então, razoavelmente bem, durante alguns anos .
Cheguei à altura da escola e andei nela, ali, na R. Maria Pia. Ainda frequentei a que, então, se chamava, 6ª classe.
O pior foi quando me começaram a crescer as mamas. O meu...pai -pois era assim que eu o tratava - começou então a reparar em mim. E mexia nelas, como que por brincadeira. Aquilo chateava-me muito, não sei se por causa da idade dele, se por que lhe chamava pai, se por que dormia com a minha mãe.
Na verdade eu não era, já então, muito pudica -ela, realmente, disse púdica, como toda a gente, mas descobri que era uma pronúncia “errónea" . Já brincava com os rapazes da minha idade, ou um pouquinho mais velhos e também com algumas raparigas. Mas era ingénua. E tanto que me queixei à minha mãe do que o homem dela me fazia sem ter nenhum facto, verdadeiramente grave, para contar.
E, com grande admiração minha, ela, em vez de se zangar com ele, zangou-se comigo e bateu-me mesmo o que não costumava fazer; muitas vezes, pelo menos.
Acusava-me de o provocar, o que não era verdade. A não ser que a provocação fosse o crescimento das mamas...
Percebo agora porque o fez: Teve medo de perder a estabilidade que lhe custara tanto a conquistar. Mas, nessa altura não percebi e fiquei muito zangada.
Saí de casa. Era então uma garota de treze anos, mais ou menos.
Vivi então na casa de uma amiga cujos pais eram boas pessoas, suponho, mas que eu quase nunca via. Tinha dois irmãos, cada um deles mais tarado do que o outro, e foi então que dei em puta com eles e com outros .
Por fim não aguentei mais porque um dos irmãos dela dizia que estava apaixonado por mim e batia-me quando sabia que eu ia com outros. Drogava-se muito e eu também... um pouco.
Passei então a dormir aqui e ali e passados alguns anos, ou meses sei lá, a Dulce encontrou-me.
E a sua mãe?
Agora dou-me bem com ela mas, enquanto estive mal, fugi-lhe sempre, embora soubesse que me procurava.
Bom, já conheces toda essa tragédia e, até, melhor do que eu, disse a Dulce. Vai-te lá embora ou anda para a cama.
E ele foi, e a Dulce e a Antónia foram, e o prazer repetiu-se e só não maior, porque não parecia possível.
Com a sua mulher, tudo se passava e se passa, de certa maneira, ao contrário.
Embora ela fosse, e seja, igualmente fogosa, eles nunca ultrapassavam os limites que lhes eram, são, impostos por um estrito mútuo desejar-se nem tácito nem, claramente, declarado.
E nele, a delicadeza redobrava e redobra. O prazer físico é sempre acompanhado de uma ternura de tal maneira intensa que ele não sabe, muitas vezes, se efectivamente o sente ou se não será apenas o extravasar de um seu amor puramente espiritual. Ainda que não acredite nisso, em amores puramente espirituais...
E a acrescentar a tudo isto, a todas estas contradições, havia, há, sempre aquela dor que o não deixa nem deixava, muito embora ele soubesse, e saiba, que não tinha qualquer sentido, e muito menos agora, em que ele vivia duas vidas e vive.
_Que raio de mania, esta de viver sempre e ao mesmo tempo, no passado e no presente _.


A transformação de uma criança num adulto é um mistério lento

Entretanto o José crescia e crescia nele a beleza e a inteligência.
Aos oito meses já dizia muitas palavras e parecia entendê-las a todas .
Ainda não tinha nove meses quando começou a andar.
Quando tinha já quase um ano a Adélia resolveu apresentá-lo ao seu amigo, o rio Tejo.
Passeava nas suas margens levando-o umas vezes pela mão, outras vezes ao colo. E falava, fala, com ele como para um adulto.
Diz :
Vou falar-te agora deste belo rio , o Tejo.
Já reparaste como são bonitos os barcos que nele navegam? São sempre assim, vistos de longe, por causa do seu aspecto elegante e mesmo, por vezes, delicado, porque, vistos mais de perto, uns são bonitos outros são feios. Depende do que transportam e de quem neles navega.
Dos que eu gosto mais, são dos barcos...trabalhadores; que transportam carga útil e marinheiros para a cuidar deles e da sua carga.
Dos navios grandes, que, actualmente, apenas servem para passear, não gosto muito. É preciso confessar que são bonitos. Brancos e com muitas janelinhas e até uma, ou mesmo duas, piscinas, mas, se reparares bem, parece que tudo aquilo é artificial pois mesmo os marinheiros, que deviam trabalhar, estão vestidos como para uma festa . Mas  eu digo-te que lá em baixo, nos porões, nos sítios em que ninguém vê, há marujos que trabalham quase nus e escorrendo suor porque está lá um calor danado.
Bonitos, bonitos, são os barcos de desporto porque neles tudo se vê e, também os pequenos barcos de pesca de que há agora muito poucos, aqui  .
E o cheiro? Não sentes como é bom e forte este odor a mar? É o cheiro das algas, é o cheiro dos peixes,  é o cheiro do sal, é o cheiro dos homens, é o cheiro do mar.
Mas sabes (?), isto agora, não é nada.
Antigamente, há quatro, cinco e muitos mais séculos, é que era, é que foi.
Aqui, ao lugar que hoje chamamos Lisboa, chegaram, pelo Tejo, os gregos e os cartagineses e até, quem sabe?, os egípcios e os cretenses que vinham para vender as suas bonitas coisas a este confim do mundo mas que por vezes tinham de lutar com os selvagens que aqui viviam. Muito antes de Cristo.
E vieram os romanos que nos civilizaram; pelo menos se considerarmos civilização esta maneira de viver, como hoje vivemos.
E muito mais tarde, aí pelos séculos 15 e 16 vieram os genoveses, os florentinos e os venezianos vender e comprar aqui, aos homens de Bruges, de Londres e de Antuérpia.
E que magníficos e lindos navios que tinham os italianos.
E do Tejo partiram, neste e nos dois séculos seguintes, os navegadores que foram buscar os temperos à Índia, os problemas à China e ao Japão, o ouro e os escravos à África e as madeiras, o açúcar e também o ouro ao Brasil. E sempre, sempre os problemas...

Geraldes de Carvalho
Registado

Geraldes de Carvalho
http://gdecseeufossfosse-gdec.blogspot.pt
          -este é meu blog-
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18614
Convidados: 999



WWW
« Responder #1 em: Janeiro 15, 2014, 16:42:28 »

Uma lição de História para meninos e graúdos ouvirem e aprenderem...
Uma boa linha de narração, interessante a história. Excelente escrita.
Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o número: 358/2009 e 4659/2010
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Março 23, 2023, 15:40:21 ]

[Março 14, 2023, 19:45:45 ]

[Março 14, 2023, 17:45:17 ]

[Março 12, 2023, 22:54:29 ]

[Março 07, 2023, 19:04:59 ]

[Março 07, 2023, 16:47:04 ]

[Março 06, 2023, 22:55:29 ]

[Março 05, 2023, 21:49:50 ]

[Março 05, 2023, 21:48:11 ]

[Março 05, 2023, 20:01:30 ]
Membros
Total de Membros: 792
Ultimo: Leonardrox
Estatísticas
Total de Mensagens: 129905
Total de Tópicos: 26611
Online hoje: 484
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 307
Total: 307
Últimas 30 mensagens:
Janeiro 01, 2023, 20:15:54
Bom Ano! Obrigada pela companhia!
Dezembro 30, 2022, 19:42:00
Entrei para desejar um novo ano carregado de inflação de coisas boas para todos
Novembro 10, 2022, 20:31:07
Partilhar é bom! Partilhem leituras, comentários e amizades. Faz bem à alma.
Novembro 10, 2022, 20:30:23
E, se não for pedir muito, deixem um incentivo aos autores!
Novembro 10, 2022, 20:29:22
Boas leituras!
Novembro 10, 2022, 20:29:08
Boa noite!
Setembro 05, 2022, 13:39:27
Brevemente, novidades por aqui!
Setembro 05, 2022, 13:38:48
Boa tarde
Outubro 14, 2021, 00:43:39
Obrigado, Administração, por avisar!
Setembro 14, 2021, 10:50:24
Bom dia. O site vai migrar para outra plataforma no dia 23 deste mês de setembro. Aconselha-se as pessoas a fazerem cópias de algum material que não tenham guardado em meios pessoais. Não está previsto perder-se nada, mas poderá acontecer. Obrigada.

Maio 10, 2021, 20:44:46
Boa noite feliz para todos
Maio 07, 2021, 15:30:47
Olá! Boas leituras e boas escritas!
Abril 12, 2021, 19:05:45
Boa noite a todos.
Abril 04, 2021, 17:43:19
Bom domingo para todos.
Março 29, 2021, 18:06:30
Boa semana para todos.
Março 27, 2021, 16:58:55
Boa tarde a todos.
Março 25, 2021, 20:24:17
Boia noite para todos.
Março 22, 2021, 20:50:10
Boa noite feliz para todos.
Março 17, 2021, 15:04:15
Boa tarde a todos.
Março 16, 2021, 12:35:25
Olá para todos!
Março 13, 2021, 17:52:36
Olá para todos!
Março 10, 2021, 20:33:13
Boa feliz noite para todos.
Março 05, 2021, 20:17:07
Bom fim de semana para todos
Março 04, 2021, 20:58:41
Boa quinta para todos.
Março 03, 2021, 19:28:19
Boa noite para todos.
Março 02, 2021, 20:10:50
Boa noite feliz para todos.
Fevereiro 28, 2021, 17:12:44
Bom domingo para todos.
Fevereiro 26, 2021, 21:31:48
Bom fim de semana para tod@s.
Fevereiro 25, 2021, 20:52:03
Boa noite a todos.
Fevereiro 24, 2021, 20:43:45
Boa noite a todos.
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.132 segundos com 28 procedimentos.