EscritArtes
Novembro 26, 2022, 13:08:41 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: No Fojo das Pombas  (Lida 257 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18588
Convidados: 997



WWW
« em: Outubro 15, 2022, 19:50:49 »

NO FOJO DAS POMBAS

Em anos que já lá vão, o vento uivava num inverno, verde e negro, rumo à serra de Santa Justa. Já os matos se acotovelavam nos alpendres das casas pobres, numa espera mais do que paciente. Era essencial regrar o aconchego para a cama dos bichos, que o inverno fazia-se frio por aqueles lados e os longos meses de chuva aguardavam oportunidade de se lançarem por aquelas terras. Os ramos caídos pelo chão, arrancados às árvores durante a canícula e o outono, tinham sido armazenados bem rente aos pequenos casebres e resguardados da chuva com a tradicional cobertura de caruma dos pinheiros encimada por um “capuz” de palha de centeio. Uma modesta família vivia como as demais, em nada se distinguindo das outras. O seu sustento era resultado do gado que criava e de uma ou outra cultura nos terrenos junto ao rio. Sobretudo couves e nabos que partilhava com os animais domésticos. José e António eram os dois filhos do casal. O mais velho, José, tinha, pela data a que se reportam os acontecimentos, 43 anos. Casado com uma mulher de poucos encantos, não parecia ser muito feliz. A matrona, que mais matrona ficou depois de ter tido um único filho, não ajudava coisa que se visse nas lides da lavoura. Passava os dias a meter conversa com as outras mulheres que se lhe juntavam no rio Ferreira a lavar a roupa. A sua desculpa para a conversa era sempre a de que esperava que terminasse de corar uma roupa ali estendida em sesta demorada. Muito suja deveria ir, ou muito branca deveria ficar. Oxalá as línguas se pudessem também corar ao sol. Por muito tempo, se possível. Por ela se sabiam, ou se ficavam por verdades, todos os acontecimentos inventados ou acontecidos. Muitas virgens passaram por abortos clandestinos e muitos cornudos foram descobertos nas margens daquele rio! António, mais jovem e solteiro, vivia ainda com os pais. Não via com bons olhos aquela cunhada. As brigas entre o casal eram frequentes e as tareias que o marido dava à mulher também. António era um bom rapaz, mas de ideias fixas. Para ele, José estava casado, tinha que aguentar aquela mulher horrorosa e guardar-lhe respeito, coisa a que o irmão não parecia disposto.
À data, o comum era as famílias decidirem em que palhas se deitariam os filhos maiores e quem lhes teceria os lençóis. Com resultados mais os menos dúbios! As famílias, com bens materiais semelhantes, entendiam que não se riria o pobre de outro tão pobre quanto ele. E se cobririam com manta de igual quilate. Seria… José tinha-se encantado com uma solteirona que diziam fazer pela vida, e pelos montes se encontravam. António tinha-os apanhado já e não ficara bem com o que viu. De irmãos bem dados a irmãos de costas voltadas, foi questão de meses. António contou aos pais, mas foi mal recebido. A mãe, extremosa com um José de comportamento condenável, fez duras críticas ao filho mais novo. Dia após dia, a revolta do jovem ia crescendo. As tabernas passaram a ser o refúgio que só tarde abandonava para ir dormir um sono sobressaltado na sua enxerga fria. Aproximava-se velozmente a época natalícia. A mãe ameaçou: - Se no Natal não te sentares ao lado do teu irmão… - Não me sentarei! O tom da ameaça e o da resposta não faziam prever umas Festas felizes. As geadas cobriam os matos e as pastagens, a chuva fazia algumas visitas e assim se cumpriam os dias num inverno espreitando do alto da sua importância de Senhor do Tempo. Falava-se que alguns lobos rondavam as últimas ovelhas na serra e a vigilância crescia. António subiu à serra com os seus animais. Aquela manhã de fim de dezembro tinha o brilho falso de um sol doente. Não chovia há dias, mas uma cortina cinzenta surgia no horizonte para se esfumar a seguir. O silêncio era sepulcral. As ovelhas tasquinhavam a erva sem um balido e o cão de guarda tinha-se estirado junto a uma pedra cinzenta. As orelhas sempre afitadas pareciam ouvir o que os humanos não ouviam. De repente, o animal levantou-se e correu ladeira abaixo até aos rochedos mais próximos. António seguiu-o, cauteloso, de cajado na mão.
Atrás dos penedos, José e a amásia enrolavam-se num coito destemperado e apressado. Cego de raiva, António só ouvia dentro da sua cabeça a ameaça da mãe. Que injustiça! Que mãe sem alma, agarrada a convenções idiotas, preferindo o seu primogénito apenas porque sim. Só queria deixar de ouvir aquela voz e esquecer a visão do irmão, as zangas… - Eu tenho razão! Eu tenho razão! E a minha mãe não me ouve, não me ama se desculpa todos os erros do meu irmão. Ao perceber que tinha sido mais uma vez apanhado, correu atrás dele serra fora. O vento parecia empurrar o irmão cada vez mais para longe de si. Desvairado. Desorientados, ambos. E apenas teve tempo de o ver despenhar-se no fojo das Pombas! Desamparado. Absolutamente desamparado, a caminho do abismo desenhado na sua frente. Já se não explorava ouro, mas o reflexo nas paredes continuava belo… António embateu no fundo desfazendo-se numa pasta de carne ensanguentada. Os gritos de José ecoaram pela serra. Foram precisos dois jovens corajosos, presos a cordas, para retirarem os restos daquele corpo, envoltos num lençol de linho, o melhor que a mãe tinha. Durante dias, a mãe gritou a sua imensa dor (e remorso, dizia de si para consigo alguém que nas sombras do silêncio guardaria o seu segredo). O filho maltratado e incompreendido tinha-lhe resolvido a questão do Natal. Não se sentariam lado a lado, era certo. E a mãe não precisaria de exercer a sua vingança sobre o filho. O perdão do seu anjo morto ficaria registado a sangue no lençol de linho que as mãos maternas tinham tecido. Mas ela jamais seria capaz de o ler. Não que desconhecesse os sinais ali pintados. Mas não conhecia a bondade da alma que tem olhos capazes de decifrar tudo. Aquela mãe arrastou a sua loucura tempo fora, que Deus não lhe permitiu expiar o seu erro de forma rápida. O pai sofreu calado. Culpa maior não lhe poderia ser assacada. O irmão continuou como sempre, sem remorso, que neste mundo o bem e o mal andam de braço dado. O Fojo das Pombas guardou a alma do jovem, bem guardada, em cofre de ouro. Ainda por lá luzem restos da alma pura tornando aquelas pedras ainda mais belas. Há quem diga que o segredo é ouvido em eco quando a alma da sua guardiã volteia pela terra, em desespero de saudades e o grita de encontro à vertente da serra. E há quem diga que os fetos raros ali nascidos e não encontrados em mais pontos das serras de Santa Justa e Pias são pedaços da alma chorosa daquele irmão roubado cruelmente à vida. E cada baloiço que o vento imprime às suas hastes são afagos da guardiã que embala a alma revoltada. Um dia, o tempo apagará as lembranças de choros impossíveis e afagos improváveis. Um dia, as serras de Valongo serão guardiãs de bem aventurança e justiça. Um dia, as margens do rio trarão lavadeiras de almas brancas.
                        Goreti Dias
Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o número: 358/2009 e 4659/2010
Maria Gabriela de Sá
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 1113
Convidados: 0



« Responder #1 em: Outubro 15, 2022, 20:29:29 »

Almas brancas, são as mais bonitas
Registado

Dizem de mim que talvez valha a pena conhecer-me.
Valdevinoxis
Membro da Casa
****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 258
Convidados: 0



« Responder #2 em: Outubro 18, 2022, 13:19:20 »

Toda a imagética do texto é deliciosa e resulta de uma forma descritiva de eleição. Dito isto nem precisava de dizer que gostei muito mas tenho que dizer.

Gostei muito deste texto!

Tenho tendência em ver o que leio e fazer "o filme". É muito bom quando a escrita de alguém nos dá esta possibilidade de fazer parte da história (seja ela feliz, triste ou "assim assim").

A forma da escrita é muito honesta, cuidada, provocadora dos sentidos (até de sentimentos) e deixa a sensação de ter sido vivida, pelo menos em parte.
 
Obrigado
Registado

Se me derem uma caneta e um papel, digam ao mundo que ando por aí. Vão-me encontrar a sorrir com cara de feliz. M Saiote
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18588
Convidados: 997



WWW
« Responder #3 em: Outubro 30, 2022, 08:12:50 »

Obrigada. Escrevi este texto porque a temática obrigatória para participar da publicação onde isto "saiu" era Valongo. Fala-se muito dos fojos de Valongo, nomeadamente deste. Quando escrevi, não conhecia o local, apenas tinha lido sobre ele. Hoje que já passei por lá e espreitei, teria que escrever muito acerca da forma como de lá sairia um corpo. Se saísse. Os fojos são simplesmente assustadores e mal protegidos. Um perigo para quem passeia pelas serras e sai dos trilhos. Acredito que quem lá cair, fica para sempre. A verosimilhança num conta determina a qualidade dele pelo que considero o teu comentário muito elogioso!
Registado
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Novembro 25, 2022, 23:24:45 ]

[Novembro 25, 2022, 13:23:52 ]

[Novembro 25, 2022, 13:20:28 ]

[Novembro 24, 2022, 11:50:12 ]

[Novembro 21, 2022, 01:05:39 ]

[Novembro 21, 2022, 01:02:13 ]

[Novembro 20, 2022, 13:18:07 ]

[Novembro 18, 2022, 19:31:04 ]

[Novembro 18, 2022, 19:07:01 ]

[Novembro 18, 2022, 18:59:55 ]
Membros
Total de Membros: 792
Ultimo: Leonardrox
Estatísticas
Total de Mensagens: 129776
Total de Tópicos: 26580
Online hoje: 134
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 105
Total: 105
Últimas 30 mensagens:
Novembro 10, 2022, 20:31:07
Partilhar é bom! Partilhem leituras, comentários e amizades. Faz bem à alma.
Novembro 10, 2022, 20:30:23
E, se não for pedir muito, deixem um incentivo aos autores!
Novembro 10, 2022, 20:29:22
Boas leituras!
Novembro 10, 2022, 20:29:08
Boa noite!
Setembro 05, 2022, 13:39:27
Brevemente, novidades por aqui!
Setembro 05, 2022, 13:38:48
Boa tarde
Outubro 14, 2021, 00:43:39
Obrigado, Administração, por avisar!
Setembro 14, 2021, 10:50:24
Bom dia. O site vai migrar para outra plataforma no dia 23 deste mês de setembro. Aconselha-se as pessoas a fazerem cópias de algum material que não tenham guardado em meios pessoais. Não está previsto perder-se nada, mas poderá acontecer. Obrigada.

Maio 10, 2021, 20:44:46
Boa noite feliz para todos
Maio 07, 2021, 15:30:47
Olá! Boas leituras e boas escritas!
Abril 12, 2021, 19:05:45
Boa noite a todos.
Abril 04, 2021, 17:43:19
Bom domingo para todos.
Março 29, 2021, 18:06:30
Boa semana para todos.
Março 27, 2021, 16:58:55
Boa tarde a todos.
Março 25, 2021, 20:24:17
Boia noite para todos.
Março 22, 2021, 20:50:10
Boa noite feliz para todos.
Março 17, 2021, 15:04:15
Boa tarde a todos.
Março 16, 2021, 12:35:25
Olá para todos!
Março 13, 2021, 17:52:36
Olá para todos!
Março 10, 2021, 20:33:13
Boa feliz noite para todos.
Março 05, 2021, 20:17:07
Bom fim de semana para todos
Março 04, 2021, 20:58:41
Boa quinta para todos.
Março 03, 2021, 19:28:19
Boa noite para todos.
Março 02, 2021, 20:10:50
Boa noite feliz para todos.
Fevereiro 28, 2021, 17:12:44
Bom domingo para todos.
Fevereiro 26, 2021, 21:31:48
Bom fim de semana para tod@s.
Fevereiro 25, 2021, 20:52:03
Boa noite a todos.
Fevereiro 24, 2021, 20:43:45
Boa noite a todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:46:56
Uma boa semana para todos.
Fevereiro 22, 2021, 16:43:41
Sejam muito bem vind@s
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.105 segundos com 28 procedimentos.