EscritArtes
Novembro 12, 2019, 07:50:13 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: 8.¬™ Colect√Ęnea - 8.¬ļ Anivers√°rio Escritartes
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,36064.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Surdez, parte I  (Lida 2063 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Tim_booth
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 698
Convidados: 1


Queria escrever à velocidade com que penso.


WWW
« em: Outubro 09, 2008, 20:58:53 »

Ainda se lembra perfeitamente da √ļltima palavra que ouviu. N√£o tanto uma palavra, mais um grunhido. Afinal aquela mulher sempre lhe parecera uma porca, tanto em tamanho, como em maneiras e especialmente no cheiro. Conhecia-a √† dist√Ęncia s√≥ pelo cheiro, ainda antes de espetar a cabe√ßa no cub√≠culo que lhe tinha sido entregue h√° tr√™s anos para fazer a contabilidade das empresas que lhe cabiam na sorte determinada pela mulher com cheiro a porca. A porca era a chefe da sec√ß√£o. Adorava espetar a cabe√ßa nos cub√≠culos dos seus empregados, sempre quando estes menos a queriam ver. Tinha herdado do animal semelhante uma esp√©cie de faro para entrar em momentos pouco oportunos, quando dormitavam depois de almo√ßo, quando aproveitavam para ligar para casa, quando enfim, por qualquer raz√£o, n√£o estavam a trabalhar maquinalmente, como era da sua obriga√ß√£o, tal como a empresa mandava.
Mas, dizia eu, que ainda se lembrava da √ļltima palavra que ouviu. Mais uma vez aquela mulher horr√≠vel tinha enfiado a cabe√ßa no seu cub√≠culo na pior das alturas, quando, em baixa voz, se queixava √† mulher do terr√≠vel pesadelo que era viver sob a tirania de um animal de quinta. Mas que merda vem a ser esta, gritava a porca, E que raio de maneira √© essa de se falar do seu superior, grunhia a porca, E exijo saber imediatamente com que filho-da-puta estava voc√™ a falar, rosnava a porca, Ele e voc√™ est√£o com um p√© bem metido no olho da rua, ignorava a porca a dificuldade f√≠sica de conseguir enfiar um p√©, especialmente bem enfiado, num olho de uma rua cega, que mesmo que n√£o o fosse, seria certamente bem menor do que um p√© comum.
Voc√™ √© um palha√ßo, sendo pa o √ļltimo som que foi capaz de ouvir, n√£o se apercebendo, felizmente para ele, do insulto que ficou por ouvir. No momento em que o som o deixou, fechou os olhos e o tempo pareceu parar e por breves instantes sentiu-se no homem mais feliz do mundo, agradecido por n√£o ter de suportar a voz grunhida da chefe. √Č claro que este sentimento instant√Ęneo desapareceu quase imediatamente, j√° que ver aquela boca horr√≠vel em trajeitos horripilantes assusta qualquer um, especialmente se tudo o que se consegue ouvir √© o som do sil√™ncio, como se o sil√™ncio fosse pass√≠vel de ter som. Na sua face, claro que ele n√£o se apercebeu a n√£o ser pela reac√ß√£o da chefe, desenhou-se uma express√£o de ingenuidade quase infantil, uma esp√©cie de calma que a porca estranhou. Ningu√©m tem o direito de estar calmo perante ela, mais, ningu√©m tem o direito de ficar indiferente ao seu desprezo. E gritou mais e mais alto, grunhiu mais um pouco, rosnou ainda com mais raiva, coisas que o seu funcion√°rio n√£o foi capaz de ouvir, mas ela n√£o sabia, e continuou a gritar, a grunhir e a rosnar, enfurecendo-se pela express√£o vazia dele, enfurecendo-se por n√£o estar a conseguir espezinhar aquela pobre alma ca√ßa a dizer mal dela, enfurecendo-se por aquele homem min√ļsculo n√£o se encolher a cada insulto e amea√ßa de despedimento que ela gritava. Voc√™ est√° a  gozar comigo, gritava, Voc√™ acha-se inteligente, grunhia, Voc√™ n√£o passa de um z√©-ningu√©m, rosnava e o funcion√°rio mantinha-se imp√°vido. N√£o sabia o que se estava a passar, n√£o percebia porque motivo tinha deixado repentinamente de ouvir, mas durante aquele tempo foi capaz de perceber que a melhor atitude era n√£o tomar atitude nenhuma e permanecer ali de corpo presente a ouvir n√£o ouvindo o raspanete in√ļtil da chefe. Eventualmente a porca cansou-se de n√£o surtir efeito e desapareceu bufando e arrastando os cascos corredor fora, batendo com as patas em todos os cub√≠culos por onde passava at√© chegar ao gabinete m√≠sero que estava no fundo da sala de trabalho. Alguns dos colegas levantaram-se um pouco para ver que coisa era aquela e que se estaria a passar entre a porca da chefe e o Z√© Miguel, o calado do cub√≠culo do fundo, mas assim que viram o animal a mexer-se de volta ao celeiro sentaram-se todos de rompante como accionados por um mecanismo simult√Ęneo.
Que mulher horr√≠vel, foi a primeira coisa que o Z√© pensou a partir do momento em que ensurdeceu e foi tamb√©m a primeira vez que conseguiu formular um pensamento sem ouvir o eco da sua voz a ressoar no vazio da sua mente. Era um acontecimento deveras estranho e uma sensa√ß√£o ainda mais estranha, mas n√£o ouvir a sua voz era relaxante. Apenas saber que tinha pensado aquela frase como se a tivesse visto gravada algures mas n√£o a l√™-se para si. Imposs√≠vel para n√≥s saber qual a sensa√ß√£o de pensar sem formular com a voz algum som pensado, foi como um desaprendimento da linguagem e um pensamento primitivo. √Č um exerc√≠cio in√ļtil para mim tentar descrever o que √© pensar sem linguagem e para o leitor tentar imaginar o que √© deixar de ouvir todas as palavras, mesmo as internas, por isso pomos uma pedra sobre o assunto, eu e quem l√™, e ficamos simplesmente pelo facto de que foi isto que aconteceu e foi isto que o Jos√© sentiu. E inexplicavelmente f√™-lo sentir-se bem. Sorriu durante o resto do dia at√© √† hora de sair, e quando saiu o sorriso era ainda maior ao ver a express√£o da porca da chefe a v√™-lo passar. E no fim do dia de trabalho foi para casa, surdo de tudo o que se assemelhasse a som, mas feliz.

-----------------

Continua...
« Última modificação: Outubro 09, 2008, 21:04:32 por Tim_booth » Registado

Dionísio Dinis
Moderador Global
Contribuinte Activo
*****
Online Online

Sexo: Masculino
Mensagens: 9498
Convidados: 0



WWW
« Responder #1 em: Janeiro 30, 2010, 12:54:46 »

Uma ideia de escrita, concretizada com muita imaginação, talento e criatividade. Bravo!
Registado

Pensar amar-te, é ter o acto na palavra e o coração no corpo inteiro.
http://www.escritartes.com/forum/index.php
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Parcerias
Buffering...Buffering...

O seu destaque aqui...
Recentemente
[Novembro 11, 2019, 11:36:25 ]

[Novembro 11, 2019, 11:34:42 ]

[Novembro 11, 2019, 11:34:19 ]

[Novembro 11, 2019, 11:33:39 ]

[Novembro 07, 2019, 20:15:24 ]

[Novembro 07, 2019, 20:13:24 ]

[Novembro 07, 2019, 16:47:55 ]

[Novembro 01, 2019, 19:06:32 ]

[Novembro 01, 2019, 14:05:06 ]

[Outubro 31, 2019, 22:15:42 ]
Membros
Total de Membros: 791
Ultimo: Bruna Brunelleshi
Estatísticas
Total de Mensagens: 127990
Total de Tópicos: 26247
Online hoje: 35
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 1
Convidados: 39
Total: 40
Últimas 30 mensagens:
Novembro 11, 2019, 11:31:31
Bom dia. Se todos fizerem igual, n√£o h√° coment√°rios.
Novembro 09, 2019, 14:53:10
Oi Dion√≠sio. Obrigado pelo teu coment√°rio. Desculpa eu ser relapso a fazer muitos coment√°rios. Evito-os, para n√£o  louvar uns ou criticar outros. Prefiro ficar na minha, ficar no que me parece. O meu principio geral: escrever, quem l√™ l√™, quem n√£o l√™ n√£o l√™. Ponto. Leio poesia d'outros, m
Novembro 01, 2019, 14:41:40
Boa tarde  todos. Os que est√£o e os que vir√£o.
Outubro 31, 2019, 14:58:38
Parabéns, Figas. Parabéns a todos os que lêem e que escrevem, parabéns a todos os que partilham escritas e comentários.
 
Outubro 10, 2019, 12:24:06
Bom dia. Hoje, andaei a pastar pelas 351 páginas da poesia e encontrei 32 poemas meus, milionários de leituras. com média de 1209 leituras cada. Obrigado a todos os meus contribuintes de lucros poéticos. FigasAbração, a todos. Nota: O Campeão é o Linguagem Decente, com 3692 leituras.Viva a D
Julho 29, 2019, 22:55:56
Olá para todos! Boas histórias e boas escritas!
Julho 02, 2019, 07:05:22
Bom dia!
Junho 28, 2019, 14:37:28
Boa tarde. Hoje, apeteceu-me saudar todos os que aqui tentam p√īr arte na pena. Figasabra√ßo
Maio 18, 2019, 19:22:13
Ol√°! Boa leitura e boa escrita para todos!
Maio 01, 2019, 17:26:47
Boa escrita e boa leitura para todos!
Março 30, 2019, 10:37:35
Boas leituras e boas escritas para todos!
Janeiro 27, 2019, 19:36:43
Boa noite feliz para todos.
Janeiro 11, 2019, 09:21:27
Ol√° para todos!
Dezembro 24, 2018, 21:55:27
Boas Festas.
Novembro 03, 2018, 14:19:38
Claro que sim, Mateus. Vamos lá puxar pelos neurónios?
Novembro 01, 2018, 18:36:27
Ol√° para todos!
Novembro 01, 2018, 15:51:21
A ideia com que fiquei em conversas, era a de que se pretendia fazer, uma sequela do "esfaqueador". Agora estou baralhado.
Outubro 31, 2018, 18:31:48
Temos um tópico em aberto "sem título". Podem entrar. A ideia é fazer algo ao jeito do Esfaqueador da Régua. Estão convidados!
Setembro 12, 2018, 14:34:00
Esfaqueador da Régua, aqui nascido, terá o seu lançamento na Feira do livro do Porto, dia 21 de Setembro.
Julho 04, 2018, 13:54:05
Bom dia.
Março 01, 2018, 20:26:58
Boa noite!
Dezembro 30, 2017, 21:19:00
Ol√°, amigos do Escritartes!
Dezembro 27, 2017, 09:04:13
Boas Festas!
Dezembro 21, 2017, 10:51:56
Ol√° para todos! Desde j√°, um feliz natal e um 2018 de novas escritas!
Novembro 11, 2017, 17:23:12
Boa tarde a todos! Votos de muita inspiração na nobre arte da escrita.
Outubro 25, 2017, 10:20:24
Meu bom dia a todos!
Julho 18, 2017, 20:17:24
Ol√° para todos! Boas escritas!
Abril 11, 2017, 14:47:44
Boa tarde a todos
Abril 01, 2017, 20:52:08
Boa noite e um bom fim de semana para todos vocês.
Logos
Buffering...

Firefox 2 xspf player AJAX powered Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 Powered by HoneyPot project Hacker Trap
CSS Valid CSS 2.0 Valid RSS 1.0 Valid RSS 2.0 Valid XHTML Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.411 segundos com 29 procedimentos.