EscritArtes
Abril 23, 2024, 14:50:21 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Memórias de Júlio César  (Lida 192 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Nação Valente
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 1268
Convidados: 0


outono


« em: Março 05, 2024, 18:49:49 »

I - As minhas gatas
Quando senti o bafo de uma mina a acariciar-me a pele, numa picada da guerra  contra os turras, lembrei-me do meu avô Baltazar, no dia em me levou ,à feira anual  para ver a magia no circo. Quando nasceu em 1897, a monarquia agonizava, metida em escândalos e debaixo da pressão dos republicanos. No país pobre e atrasado, onde a pobreza era uma marca consentida, as elites citadinas com algum apoio no meio rural aburguesado, viam na República a solução para todos os males da nação. 
Cerca de cem anos depois, o mundo tinha mudado para melhor. Do meu avô resta a sua memória, por mais algum tempo, na lembrança dos seus descendentes e que se irá diluindo até se reduzir a um absoluto nada. Fui o primeiro neto que ele viu crescer. Hoje sou um sexagenário, a caminhar para o destino que nos é traçado no momento em que nascemos.
Desde os tempos longínquos da infância, fiz um percurso desconhecido, comum a qualquer vulgar cidadão, terminando a vida ativa como subinspetor da Polícia Judiciária, que fui forçado a abandonar por limite de idade. Com origens numa aldeia raiana, vivo hoje na capital. Quando me tiraram o crachá, não me vi, ocioso, a deambular pelas ruas e praças, quiçá a jogar às cartas em associações populares ou jardins públicos. Reinventei-me como detetive privado.
Na minha casa, situada na encosta de Alfama, abri o meu gabinete de investigação. Criei a personagem Jotacorreia, que se promoveu nas páginas de anúncios de jornais como prestador de serviços de investigação. Chamo-me Júlio César Correia e vivo sozinho. O nome pomposo de um político romano foi sugerido pelo meu avô, artesão rural, mas homem de muitas leituras.
O histórico Júlio César, um desconstrutor de nações e construtor dum império, para além da sua glória passada, tem as mãos vermelhas de sangue. Foi-lhe atribuída a frase, “nos confins da Ibéria existe um povo que não se governa, nem se deixa governar”. Depois de César vieram  “bárbaros”, muçulmanos, castelhanos, franceses. Vieram e foram e esse povo continua presente. Em comum com esse César, só tenho mesmo o nome. E talvez a solidão que acompanha a vivência do poder. As minhas memórias são apenas atos banais, de amores passageiros, de guerras pela sobrevivência pessoal.
A minha solidão foi assumida. Não casei nem me amancebei. Ainda tive dois relacionamentos que me marcaram durante a juventude, mas que se esfumaram tão depressa quanto nasceram no calor da paixão. Aida e Irene, foram as mulheres com quem me envolvi sentimentalmente e que deixaram marcas que nunca consegui apagar. Depois, casei com a polícia a tempo inteiro, de tal modo que a minha fidelidade continuou mesmo após ter sido descartado como uma peça usada.
Durante anos, meses, dias, horas, após o trabalho, num ritual repetitivo, calçava as pantufas, lia os jornais vespertinos, fazia uma refeição frugal, bebia os uísques que me desse na real gana e fumava um charuto aromático para reduzir a ansiedade. Nunca me imaginei, nem em pesadelos, na companhia de uma mulher a chatear-me a “cachimónia” “Ó Júlio chega aqui, arruma-me essa louça, descasca-me essas batatas…”
Mas essa vida, de boémia e simplicidade, é apenas recordação. O tabaco, foi o primeiro vício que tive que abandonar, por causa de uma maldita bronquite, resquício da passagem pelo clima húmido da Guiné, na guerra colonial. Do álcool tive de me divorciar depois de aposentado, por causa de uma cirrose. E as relações ocasionais com as mulheres esfriaram após problemas de quem foi premiado com próstata. São as chagas acumuladas pelas peripécias da vida e pelo irreversível envelhecimento. Para ter algum consolo moral, têm lugar reservado na minha secretária de trabalho, uma garrafa de uísque e uma caixa de charutos, dos quais não usufruo o sabor, mas não dispenso o cheiro.
Neste momento, a minha companhia sempre fiel, é uma gata chamada Judite. Judite porque era o nome da minha avó e a designação popular da PJ, que faz parte do meu ADN. O nosso primeiro encontro foi ocasional, mas chego a pensar que estava traçado nas palmas das mãos. Aconteceu no tempo em que ainda chegava a casa com a mente toldada por uma excessiva elitização, que me libertava das canseiras da puta da vida.
Enquanto arrastava os pés pela calçada gasta por pés perdidos na poeira dos séculos, tinha o hábito de falar com um candeeiro que parecia atravessar-se no meu caminho. O monólogo com esse farol orientador do trajecto para casa, foi interrompido, certo dia, por um objeto fofo a esfregar-se nas minhas pernas. Com a visão algo turvada vi a gata. Sacudi-a mas ela não fez caso e seguiu-me até ao meu apartamento. Ficou a viver comigo. Faz-me companhia a troco de comida e de algumas carícias. Falo com ela de assuntos banais e até partilho inconfidências. Sei que não me contraria, não me responde nem me atazana a paciência, passe o plebeísmo, como uma gata de duas pernas. Depois de me formatar como detetive, contratei uma colaboradora para me ajudar na elaboração dos relatórios. Vem de manhã e sai à tarde. Chama-se Rosalinda. Ela e Judite são as gatas do meu presente.
Rosalinda exerce as suas funções de forma discreta. É muito reservada. Falamos apenas de assuntos de trabalho. Contratei-a depois de se candidatar ao lugar de secretária, em resposta a um anúncio. Quando entrou para a entrevista, impressionou-me pela simplicidade e pela beleza. Demonstrou ter conhecimentos para a função que queria que realizasse. Num primeiro momento pareceu-me que já a tinha visto. Procurei-a nos recantos da memória.
Recuei no tempo e vi-me no Rossio a ser interrompido no meu percurso por uma menina, a desabrochar para a juventude, que me queria vender flores. Recusei. Num impulso que me surpreendeu colocou-mas na mão. “Ofereço-tas gatão”. Era então um jovem, neófito na cidade, para construir o futuro. Devolvi as flores, algo atrapalhado, e segui o meu caminho. Anos mais tarde, quando já era agente da PJ, entrou no meu gabinete, a menina das flores com perfume de mulher, como acompanhante do namorado, soldado da nação e preso militar, por ter vestido um casaco numa loja da baixa da cidade, com o qual ia sair, distraído, sem pagar. Com um choro estridente, a moça, suplicou misericórdia.
Durante a entrevista para minha colaboradora lembrei-lhe esses encontros: Disse-me que tinha casado com esse namorado, que agora era estivador. Tal como a Judite, foi outra gata que me pareceu ter sido fadada para fazer parte da minha vida.

Registado
Páginas: [1]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Abril 03, 2024, 19:27:07 ]

[Março 30, 2024, 19:58:02 ]

[Março 30, 2024, 19:40:23 ]

[Março 20, 2024, 16:42:39 ]

[Março 19, 2024, 20:20:16 ]

[Março 17, 2024, 22:17:37 ]

[Março 17, 2024, 22:16:43 ]

[Março 12, 2024, 00:13:37 ]

[Março 11, 2024, 23:55:47 ]

[Março 05, 2024, 18:49:49 ]
Membros
Total de Membros: 792
Ultimo: Leonardrox
Estatísticas
Total de Mensagens: 130132
Total de Tópicos: 26760
Online hoje: 418
Máximo Online: 964
(Março 18, 2024, 08:06:43 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 343
Total: 343
Últimas 30 mensagens:
Novembro 30, 2023, 09:31:54
Bom dia. Para todos um FigasAbraço
Agosto 14, 2023, 16:53:06
Sejam bem vindos às escritas!
Agosto 14, 2023, 16:52:48
Boa tarde!
Janeiro 01, 2023, 20:15:54
Bom Ano! Obrigada pela companhia!
Dezembro 30, 2022, 19:42:00
Entrei para desejar um novo ano carregado de inflação de coisas boas para todos
Novembro 10, 2022, 20:31:07
Partilhar é bom! Partilhem leituras, comentários e amizades. Faz bem à alma.
Novembro 10, 2022, 20:30:23
E, se não for pedir muito, deixem um incentivo aos autores!
Novembro 10, 2022, 20:29:22
Boas leituras!
Novembro 10, 2022, 20:29:08
Boa noite!
Setembro 05, 2022, 13:39:27
Brevemente, novidades por aqui!
Setembro 05, 2022, 13:38:48
Boa tarde
Outubro 14, 2021, 00:43:39
Obrigado, Administração, por avisar!
Setembro 14, 2021, 10:50:24
Bom dia. O site vai migrar para outra plataforma no dia 23 deste mês de setembro. Aconselha-se as pessoas a fazerem cópias de algum material que não tenham guardado em meios pessoais. Não está previsto perder-se nada, mas poderá acontecer. Obrigada.

Maio 10, 2021, 20:44:46
Boa noite feliz para todos
Maio 07, 2021, 15:30:47
Olá! Boas leituras e boas escritas!
Abril 12, 2021, 19:05:45
Boa noite a todos.
Abril 04, 2021, 17:43:19
Bom domingo para todos.
Março 29, 2021, 18:06:30
Boa semana para todos.
Março 27, 2021, 16:58:55
Boa tarde a todos.
Março 25, 2021, 20:24:17
Boia noite para todos.
Março 22, 2021, 20:50:10
Boa noite feliz para todos.
Março 17, 2021, 15:04:15
Boa tarde a todos.
Março 16, 2021, 12:35:25
Olá para todos!
Março 13, 2021, 17:52:36
Olá para todos!
Março 10, 2021, 20:33:13
Boa feliz noite para todos.
Março 05, 2021, 20:17:07
Bom fim de semana para todos
Março 04, 2021, 20:58:41
Boa quinta para todos.
Março 03, 2021, 19:28:19
Boa noite para todos.
Março 02, 2021, 20:10:50
Boa noite feliz para todos.
Fevereiro 28, 2021, 17:12:44
Bom domingo para todos.
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.135 segundos com 28 procedimentos.