EscritArtes
Setembro 26, 2023, 09:21:46 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Regulamento do site
http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,9145.0.html
 
  Início   Fórum   Ajuda Entrar Registe-se   *
Páginas: [1] 2  Todas   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Conto medieval  (Lida 10302 vezes)
0 Membros e 2 Visitantes estão a ver este tópico.
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18616
Convidados: 999



WWW
« em: Fevereiro 06, 2013, 17:22:09 »


.
Há muitos, muitos anos, o dia a dia das pessoas era difícil. Difícil como não somos capazes de supor nos nossos dias.
Em tempo de seca prolongada, os homens ficavam de semblante triste, dor à flor do olhar. As peles do rosto encarquilhavam-se mais e as rugas ficavam mais fundas.
Quando permanecia a falta de chuva, e os campos se tornavam cinzentos ou castanhos da terra nua, os homens bebiam mais e batiam –se com raiva desusada. E se continuava a não chover, organizavam-se procissões, faziam-se rezas e promessas. Tudo esperando que chovesse.
E se a chuva persistia na ausência, começava-se a morrer. Morriam os bois, os cavalos, os cães... E as gentes. Muito tempo sem chuva  e morriam muitas pessoas.
Quando a chuva regressava, havia sempre alguma coisa que se tinha alterado. Alguém tinha, em pleno desespero, vendido os terrenos ao desbarato e agora com chuva não tinha terra. Famílias inteiras tinham morrido à fome e os vizinhos tentavam apoderar-se do pouco que tinha sobrado. Era sempre muito pouco, porque só quem era pobre é que morria.
Era assim, nunca tinha sido de outro jeito. Ninguém considerava anormal. Não estranhavam os ganhadores nem se revoltavam os perdedores. Não que gostassem, não que deixassem de alimentar ódios e jurar vingança,  mas estranhar, não estranhavam.
Custódio era um dos ganhadores. A idade já era avançada, mas continuava a ostentar uma postura altaneira. Robusto de lidar com gado bravo, ancinhos e enxadas, terrenos a desbravar, intempéries e… homens.
Diante dos senhores da Igreja e do palácio, mostrava-se rude, pouco dado a vénias.
Tinha terrenos até ao rio e para lá do rio, comprados um a um, sem pressa. Alguns nas desventuras das secas, outros nem por isso. Nunca roubara nenhum, o que não significa que tudo tivesse sido comprado de forma pacífica. Mas, pacificamente,  jamais se conseguem terras para lá do rio.
Os seus inimigos contavam sempre algumas histórias trágicas, como a do Joaquim e outros que tais. Contavam-nas sempre nas tabernas, noite dentro, em voz sumida e raivosa, deitando olhares enviesados de ódio e rancor ao Custódio.
O Joaquim era um bêbado. Disso ninguém duvidava. Também sabiam ao certo que tinha umas leiras férteis perto do rio. Bem cultivadas, poderiam abastecer a família de quanto bastasse para viverem bem. Mas não. Dificilmente colhia umas couves ásperas e umas batatas mirradas. O seu gado teimava em sair das suas terras e tentar a sorte na dos vizinhos.
Mas veio um dia em que bebeu muito, muito mesmo. Quer dizer, bebeu mais do que todos os outros. Mas ele bebia quase sempre assim.

No dia seguinte, o filho descobriu-lhe os bolsos cheios de moedas de ouro. A custo, arrancou-lhe a confissão de que tinha vendido as terras. Ao Custódio.

O filho do Joaquim era diferente do pai, trabalhador e corajoso. Decidiu pedir  explicações ao Custódio.
Foi recebido de fraca vontade:
- Que vens cá fazer?
- Sabe bem que venho reclamar o que me pertence. Você é um ladrão. Roubou o que era nosso, enganou o meu pai.
- Comprei-as, são minhas e paguei bem por elas. O teu pai não vendia melhor.
- Oportunista é o que você é. O meu pai vai estourar todo o dinheiro na taberna.
- Se o teu pai se porta como um néscio, problema dele.
- E eu? Vou viver de quê?
- Eu até tenho bom coração. Podes trabalhar para mim, pago-te o mesmo que pago aos outros trabalhadores. Comprei uma mata, está cheia de carqueja velha e silvado. Podes começar amanhã.
O rapaz ainda puxou da faca de mato, mas seguraram-no.
Na época medieval, nas terras mais escuras, rondavam as bruxas. Não eram todas más, mas iam fazendo as suas partidas e magias. Havia lugares onde ninguém ia de noite. Dizia-se que elas faziam danças com os espíritos que vagueavam por ali. E que os faziam gritar coisas…mas só em certas alturas. Quando havia seca e o ódio crescia.
Ouviam-se sempre nas secas. Começavam a atormentar os homens fortes e trabalhadores, à volta das mulheres bonitas e gritavam insultos.
Mas era  no Custódio que terminavam:
- “Ladrão, velho, nojento ”. E faziam sentir a sua presença através de uma corrente de ar à sua roda. E continuavam  “Ladrão, velho, nojento ”.
As pessoas pouco ligavam. Não eram ladrões, aquilo não lhes dizia respeito. Mas percebiam a quem se destinavam os insultos.

O filho do Joaquim sentava-se debaixo de uma árvore a ouvi-los.
- “Ladrão, velho, nojento ”.
Por fim, voltou a seca. Não chovia há meses. Tinham-se feito muitas procissões e promessas, nada feito.
Não chovia.
As terras ficaram áridas, o gado começou a morrer. A fome plantou-se na terra. Eis que apareceram mais uma vez os espíritos. Os espíritos gritavam : - “Ladrão, velho, nojento ”. As pessoas juntavam-se em grupos e começavam a repetir as mesmas palavras. Primeiro em voz baixa, depois em gritos sonantes até à casa de Custódio e daí até ao mercado da aldeia onde apenas ele tinha alimentos para vender já que era dono do rio que passava por entre as suas terras. Apenas ele tinha água para regar as plantas e dar de beber aos seus animais.
 - “Ladrão, velho, nojento ”.
Custódio correu em direção ao mercado, sempre rodeado pelo vento invisível da presença dos espíritos e acossado pelos gritos deles e do povo.
Lá chegado, esbaforido, parou, olhou à sua volta, para a multidão que o seguia…hesitou…
De repente, virou-se para os seus empregados e gritou
- PONHAM TUDO A METADE DO PREÇO!
Olharam confusos…
- Estão à espera de quê? PONHAM TUDO A METADE DO PREÇO.
A  multidão gritava:
- “Ladrão, velho, nojento ”.
Os espíritos faziam o pó levantar do chão no seu rodopio.
E .as pessoas começaram a comprar…
Os espíritos calaram-se, os grupos desfizeram-se…
Custódio, em casa:
- Queriam matar-me, mulher. Perseguiram-me até ao mercado. Mandei meter tudo a metade do preço, só assim pararam. Foram as bruxas que mandaram os espíritos. Não sei se da próxima saio disto vivo.
A mulher responde:
- Tens que tomar mais cautela
- Aquilo é uma cambada, mulher.
- Há quem não seja. O filho do Joaquim, só teve azar na vida. Até era capaz de tratar bem das terras e ganhar o seu sustento . A seca e a fome chegaram. Os homens sabem que vão morrer.
- E depois? Eu não sei fazer chover.
- Ajuda-os. Sem fome, não são violentos.
- Sim, alguns. E os outros?
- Os outros não valem nada. A seca e a bebedeira se encarregam deles.

Nada disto aconteceu. Se calhar, foram coisas que eu inventei para vir aqui contar. Coisas antigas que podem vir a ser novas.
Hoje em dia é tudo diferente. É?!

Registado

Goretidias

 Todos os textos registados no IGAC sob o número: 358/2009 e 4659/2010
Dionísio Dinis
Moderador Global
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 9796
Convidados: 0



WWW
« Responder #1 em: Fevereiro 06, 2013, 21:02:12 »

Um conto com plena actualidade.Uma prosa urdida com talento.
Registado

Pensar amar-te, é ter o acto na palavra e o coração no corpo inteiro.
http://www.escritartes.com/forum/index.php
Nação Valente
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 1244
Convidados: 0


outono


« Responder #2 em: Fevereiro 07, 2013, 15:57:05 »

De facto a história está sempre a repetir-se. Um conto saboroso, com domínio perfeito da arte narrativa.
Registado
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18616
Convidados: 999



WWW
« Responder #3 em: Fevereiro 08, 2013, 21:08:47 »

Obrigada a ambos pela atenção e comentários.
Registado
carlossoares
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 2782
Convidados: 0



WWW
« Responder #4 em: Fevereiro 08, 2013, 23:35:29 »

Tudo bate certo neste conto, a começar no título. A unidade da obra é isto. E nunca é de mais salientá-lo. Mas a unidade só por si, não é nada, ou seja, não faz de um texto uma obra de arte literária. É preciso mais, é preciso conteúdo e pensamento e visão e sabedoria, tudo humano, profunda e dramaticamente humano. E é preciso arte narrativa, sim. Aqui, de uma forma, quase meticulosa, encontramos tudo isso. A Goreti continua a surpreender e muito bem.
Registado

Carlos Ricardo Soares
Nanda
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 913
Convidados: 0



« Responder #5 em: Fevereiro 09, 2013, 07:43:29 »

Goretidias,
Pode ser lido como um conto ancestral, mas julgo que inventado ou não, a sua mensagem e chamada de atenção é sempre atual.
Beijinhos
Nanda
Registado
britoribeiro
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 659
Convidados: 0



WWW
« Responder #6 em: Março 15, 2013, 09:48:40 »

Medieval? Contemporâneo!
Gostei muito.
BR
Registado

Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18616
Convidados: 999



WWW
« Responder #7 em: Abril 14, 2013, 08:31:59 »

Os contos são sempre atuais. Já repararam?
Obrigada pela vossa atenta leitura!
Registado
margarida
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 827
Convidados: 0



« Responder #8 em: Setembro 24, 2013, 20:30:19 »

Muito actual :fixe: Muito mesmo :yup:
Registado
gdec2001
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 2244
Convidados: 0



« Responder #9 em: Setembro 25, 2013, 21:12:45 »

Ainda e sempre verdadeiro : Infelizmente .
Muito bem contada, a história . Felizmente .
geraldes
Registado

Geraldes de Carvalho
http://gdecseeufossfosse-gdec.blogspot.pt
          -este é meu blog-
Goreti Dias
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Feminino
Mensagens: 18616
Convidados: 999



WWW
« Responder #10 em: Setembro 28, 2013, 20:31:52 »

Obrigada a ambos!
Registado
Dionísio Dinis
Moderador Global
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 9796
Convidados: 0



WWW
« Responder #11 em: Setembro 30, 2013, 09:49:37 »

Relendo.
Registado
Conceição Constantino
Membro da Casa
****
Offline Offline

Mensagens: 286
Convidados: 0


« Responder #12 em: Março 11, 2014, 08:28:33 »

Como se repetem os tempos. Isto lembrou-me um episódio recente da nossa "praça" Sad Sad Sad
Registado
Alfredo D
Contribuinte Activo
*****
Offline Offline

Mensagens: 585
Convidados: 0



« Responder #13 em: Março 11, 2014, 19:00:26 »

Aconteceu hoje?Bem podia....
Registado
Maria del Mar
Membro da Casa
****
Offline Offline

Mensagens: 378
Convidados: 0


« Responder #14 em: Maio 09, 2014, 18:40:01 »

Tem acontecido ultimamente Wink Wink Wink Wink Wink
Registado
Páginas: [1] 2  Todas   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Recentemente
[Setembro 24, 2023, 22:17:38 ]

[Setembro 24, 2023, 22:16:12 ]

[Setembro 19, 2023, 14:24:46 ]

[Setembro 08, 2023, 15:43:05 ]

[Setembro 08, 2023, 15:38:50 ]

[Setembro 08, 2023, 15:36:07 ]

[Setembro 08, 2023, 15:29:37 ]

[Setembro 08, 2023, 15:15:01 ]

[Setembro 08, 2023, 15:09:43 ]

[Setembro 04, 2023, 21:11:42 ]
Membros
Total de Membros: 792
Ultimo: Leonardrox
Estatísticas
Total de Mensagens: 129955
Total de Tópicos: 26638
Online hoje: 247
Máximo Online: 630
(Março 31, 2019, 09:49:42 )
Utilizadores Online
Users: 0
Convidados: 261
Total: 261
Últimas 30 mensagens:
Agosto 14, 2023, 16:53:06
Sejam bem vindos às escritas!
Agosto 14, 2023, 16:52:48
Boa tarde!
Janeiro 01, 2023, 20:15:54
Bom Ano! Obrigada pela companhia!
Dezembro 30, 2022, 19:42:00
Entrei para desejar um novo ano carregado de inflação de coisas boas para todos
Novembro 10, 2022, 20:31:07
Partilhar é bom! Partilhem leituras, comentários e amizades. Faz bem à alma.
Novembro 10, 2022, 20:30:23
E, se não for pedir muito, deixem um incentivo aos autores!
Novembro 10, 2022, 20:29:22
Boas leituras!
Novembro 10, 2022, 20:29:08
Boa noite!
Setembro 05, 2022, 13:39:27
Brevemente, novidades por aqui!
Setembro 05, 2022, 13:38:48
Boa tarde
Outubro 14, 2021, 00:43:39
Obrigado, Administração, por avisar!
Setembro 14, 2021, 10:50:24
Bom dia. O site vai migrar para outra plataforma no dia 23 deste mês de setembro. Aconselha-se as pessoas a fazerem cópias de algum material que não tenham guardado em meios pessoais. Não está previsto perder-se nada, mas poderá acontecer. Obrigada.

Maio 10, 2021, 20:44:46
Boa noite feliz para todos
Maio 07, 2021, 15:30:47
Olá! Boas leituras e boas escritas!
Abril 12, 2021, 19:05:45
Boa noite a todos.
Abril 04, 2021, 17:43:19
Bom domingo para todos.
Março 29, 2021, 18:06:30
Boa semana para todos.
Março 27, 2021, 16:58:55
Boa tarde a todos.
Março 25, 2021, 20:24:17
Boia noite para todos.
Março 22, 2021, 20:50:10
Boa noite feliz para todos.
Março 17, 2021, 15:04:15
Boa tarde a todos.
Março 16, 2021, 12:35:25
Olá para todos!
Março 13, 2021, 17:52:36
Olá para todos!
Março 10, 2021, 20:33:13
Boa feliz noite para todos.
Março 05, 2021, 20:17:07
Bom fim de semana para todos
Março 04, 2021, 20:58:41
Boa quinta para todos.
Março 03, 2021, 19:28:19
Boa noite para todos.
Março 02, 2021, 20:10:50
Boa noite feliz para todos.
Fevereiro 28, 2021, 17:12:44
Bom domingo para todos.
Fevereiro 26, 2021, 21:31:48
Bom fim de semana para tod@s.
Powered by MySQL 5 Powered by PHP 5 CSS Valid
Powered by SMF 1.1.20 | SMF © 2006-2007, Simple Machines
TinyPortal v0.9.8 © Bloc
Página criada em 0.152 segundos com 28 procedimentos.